cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Ás vezes, o outro não é tão mau assim.. o problema pode ser apenas uma incompatibilidade total

Muitas vezes, achamos que fazemos de tudo para tornar o parceiro feliz porque medimos o outro pelos nossos gostos , pelas nossas necessidades , pela nossa visão de mundo.


crise-casamento-1.jpg

Sim, nem sempre aquele namorado chato, implicante e pouco romântico é um vilão. Ele pode ser a criatura mais fofa do mundo com outra mulher. Ou simplesmente , outra mulher pode considerar o jeito altamente rabugento dele um charme em vez de quase enlouquecer.

Aquela amiga que só sabe conversar sobre roupas, sapatos e dietas, pode ser considerada superficial e entediante para uma mulher intelectual. Mas, para outra que adora fazer compras, pode ser uma companhia muito interessante. O inverso é recíproco. Aquela amiga que adora filosofar e conversar sobre arte pode soar pedante para alguém que só leu os livros para o vestibular e por obrigação.

Aquela namorada que manda dez mensagens por dia pelo WhatsApp pode ser muito apreciada por um homem que a ame ou que curta romances mais chegados. Para um homem que não está tão interessado ou que possua um espírito mais desencanado, pode ser muito chato.

Enfim, existe um limite tênue entre muitas das emoções que vivenciamos e as características que possuímos. O que é qualidade positiva para um, pode ser defeito para outro. Muitas vezes, achamos que fazemos de tudo para tornar o parceiro feliz porque medimos o outro pelos nossos gostos , pelas nossas necessidades , pela nossa visão de mundo.

Se adoro comer, considerarei um super agrado fazer um jantar gostoso ou pagar por um num restaurante bacana. Se curto ser elogiada , vou elogiar o outro achando que tal atitude vai preenchê-lo emocionalmente da mesma forma que me preenche. Se sou romântica, esperarei romantismo do outro. E se o outro não demonstrar o seu carinho com os mesmos gestos que adotaria , posso me sentir frustrada.

Algumas pessoas são mais verborrágicas. Em suma: expressam o que sentem falando ou escrevendo. Para outras pessoas as palavras não tem tanto valor. Para uns , gestos românticos são essenciais , são a expressão do mais puro amor. Para outros , com espírito mais pragmático, conta muito mais que o parceiro realize alguma tarefa de ordem prática. Algumas mulheres , por exemplo, provam que amam dando uma ordem no apê do namorado. Outras fazem poesia. Outras fazem ambos e mesmo assim não conseguem agradar porque de repente falta a elas um pequeno detalhe que é essencial ao outro.

Muitas pessoas suportam defeitos considerados graves socialmente e por outro lado implicam com defeitos considerados pequenos. Enfim, às vezes aquele namorado implicante , aquela amiga superficial, aquela namorada melosa não são tão maus assim...apenas não possuem química com a gente. Apenas apresentam uma discrepância energética tão grande que se torna quase insuportável conviver.

O mundo é cheio de possibilidades. Vale a pena se conectar com quem apreciamos e nos aprecia. A vida fica mais leve , mais fluida , mais cheia de cores , mais cheia de alegria, mais cheia de tudo bem, que bom, desencana, vamos nessa!


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques