cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Seja gentil, não bobo

Quantas vezes não gastamos muito mais tempo e energia para preparar um jantar caprichado para um parente que se acha e servimos qualquer coisa para aquele outro que demonstra ser uma pessoa simples, sem frescura? Quantas vezes não cedemos o melhor quarto da casa para uma visita pedante, cheia de não me toques e oferecemos um colchão jogado no meio da sala para uma outra visita que demonstra afeto verdadeiro por nós? Parece que as pessoas gostam de ficar paparicando quem lhes despreza.


furia.jpg

Cena do filme Um dia de fúria

Sempre defendi a importância da gentileza. É horrível conviver com gente rude ou pior ainda: gente que sem dizer nada , deixa bem claro que se sente superior. Infelizmente , muitas pessoas ainda não descobriram o poder da empatia. Não perceberam o quanto é gostoso e divertido entrar numa sintonia fina com as pessoas.

Por outro lado, me parece que algumas pessoas abusam na dose de gentileza e acabam sendo confundidas com gente fraca , sem personalidade, gente que não merece a cortesia e a consideração alheia. Conhecem aquele velho ditado popular: "Quanto mais a gente abaixa , mais a bunda aparece?" Sim, concordo com este ditado. Descobri o quanto ele é verdadeiro na prática.

Em salões de beleza e em clínicas estéticas , sempre as clientes de nariz em pé são atendidas em primeiro lugar. As educadas e gentis , muitas vezes , precisam enfrentar atrasos por parte das profissionais. Como se diz..."Ela é boazinha. Não vai se importar de esperar".

Filhos de temperamento mais light costumam também levar a pior nas barganhas familiares em relação aos irmãos mais geniosos. Os alunos costumam dedicar mais tempo de estudo aos professores carrascos porque sentem medo de serem reprovados.

Até mesmo as arrumadeiras e cozinheiras demonstram mais orgulho por trabalharem para mulheres esnobes, que mal olham na cara delas.

Nas relações afetivas acontece o mesmo. O mais gentil, o mais compreensivo, o mais atencioso, aquele que demonstra mais amizade , nem sempre é prioridade. Parece que as pessoas gostam de ficar paparicando quem lhes despreza.

Quantas vezes não gastamos muito mais tempo e energia para preparar um jantar caprichado para um parente que se acha e servimos qualquer coisa para aquele outro que demonstra ser uma pessoa simples, sem frescura? Quantas vezes não cedemos o melhor quarto da casa para uma visita pedante, cheia de não me toques e oferecemos um colchão jogado no meio da sala para uma outra visita que demonstra afeto verdadeiro por nós?

Parece que cada vez mais a sociedade privilegia o tipo não empático. Egóicos e arrogantes costumam levar a melhor quase sempre. Mas tudo bem. Nem por isso vamos deixar de ser gentis , não é? Gentis , não bobos. Clique no link abaixo e escute um comentário sobre o tema do atual post.

minhasreflexoesfavoritas.mp4


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques
Site Meter