cinema pensante

Como um bom filme pode mudar a nossa vida

Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu.

Lá no fundo, tudo o que a gente precisa é de amor

Lá no fundo, a gente precisa se desnudar para as pessoas. Não há nada mais bonito do que poder olhar diretamente nos olhos de alguém e dizer o quanto sofreu ou o quanto é feliz , sem temer o desprezo nem a inveja.


praia10.jpg

Lá no fundo, tudo o que a gente precisa é de amor. Tudo o que a gente precisa é ser aceito do jeito que somos. Querido e acolhido mesmo cheios de imperfeições.

Lá no fundo, tudo o que a gente precisa é conviver com pessoas que nos entendam. É horrível conversar com quem a gente precisa explicar mil vezes um sentimento, uma opinião. Lá no fundo , a gente quer cumplicidade. A gente quer falar com poucas palavras. Falar demais cansa. A gente quer falar com um arquear de sobrancelhas , com um sorriso. Não há nada mais bonito do que ser compreendido com um olhar.

Lá no fundo, tudo o que a gente precisa é conviver com quem não nos julga. Com quem não nos critica pelas menores falhas. Com quem respeita a profundidade das nossas feridas. Com quem não cutuca as nossas cicatrizes. Com quem minimiza os nossos defeitos.

Lá no fundo, a gente precisa conviver com pessoas que compartilham de memórias conosco. Que compartilham impressões. A gente precisa conviver com pessoas que se desnudam para nós e que olham em nossos olhos sem medo de serem elas mesmas.

Lá no fundo, a gente precisa se desnudar para as pessoas. Não há nada mais bonito do que poder olhar diretamente nos olhos de alguém e dizer o quanto sofreu ou o quanto é feliz , sem temer o desprezo nem a inveja.

Lá no fundo, a gente precisa de alguém que nos bote para dormir. De alguém que nos faça acreditar de que a vida vale a pena.

Lá no fundo, a gente precisa de alguém que nos queira sem mas nem poréns. Que nos ame até nas nossas misérias. Sim, lá no fundo a gente precisa de amor. Lá no fundo, quase tudo se resume a ter ou a não ter amor.


Sílvia Marques

Paulistana, escritora, idealista em crise, bacharel em Cinema, cinéfila, professora universitária com alma de aluna, doutora em Comunicação e Semiótica, autodidata na vida, filósofa de botequim, com a alma tatuada de experiências trágicas, amante das artes , da boa mesa, dos vinhos, de papos loucos e ideias inusitadas. Serei uma atleta no dia em que levantamento de xícara de café se tornar modalidade esportiva. Sim, eu acredito realmente que um filme possa mudar a sua vida! Autora do blog Garota desbocada. Lancei recentemente em versão e-book pela Cia do ebook o romance O corpo nu..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Sílvia Marques
Site Meter