código aberto

Um modo de pensar diferente, uma filosofia...um sonho!

Ana Josefina Tellechea

O acaso me trouxe escolhas e meu coração me fez chegar até aqui, porque a razão ainda estou aprendendo a usar. Mulher, Cantora, Professora, escritora e um tanto de coisas mais que vou descobrindo ser.

Você não nasceu pra morrer

já pensou em tentar fazer suas escolhas tentando imaginar como elas seriam feitas se o que nos obrigam a ter como verdade não fosse a única verdade?


5695530.jpg

Então me vejo na frente do notebook escrevendo mais um texto e recordo de todas as mudanças que foram ocorrendo ao longo dos anos e de como algumas coisas - coisas mesmo - não fazem mais qualquer sentido mesmo que hora outra - logo ali atrás - tenham parecido guiar cada movimento milimetricamente caculado.

Desde que o processo de industrialização teve início, obter, acumular, usar, comprar, vender são os verbos mais bem postos em prática. Acordamos e usamos, trabalhamos e ganhamos, compramos e comemos, compramos e vestimos, transamos e usamos, usamos e usamos. E num "Loop infinito" damos vida à estes verbos e esquecemos, quase que em processo de putrefação, os verbos que são o real propósito da existência.

Matamo-nos ao longo da vida. Matamos a essência da vida: a capacidade de amar e de se refazer todos os dias pelo próprio amor. É imprescindível à vida reapaixonar-se todos os dias pelo seu sentido e buscar a transformação. No intervalo entre o nascer e o morrer está o prazo para se buscar compreender que não somos destinados a nos manter enfileirados obedecendo a ditadura silenciosa de como viver. Evoluir requer buscar ouvir-se para compreender o que pede a nossa alma e não nos limitar às paredes de concreto de um escritório na torre mais alta; ou dentro de uma esfera côncava de metal rodeada de luzes e com rodas; e nem mesmo num aquário humano que é incapaz de se deixar sentir o sal da vida, num espaço cheio de verde queimado, em frente ao mar.

já pensou em tentar fazer suas escolhas tentando imaginar em como elas seriam feitas se o que nos obrigam a ter como verdade não fosse a única verdade? Então apenas busque se responder se algo na sua vida não estaria diferente. "Vá em frente" talvez seja o primeiro impulso da mente. O que nos freia?

O que nos freia talvez seja a morte em vida à qual viemos nos submetendo.

Casar, ter filhos, ter um carro, ter uma casa, estudar, fazer uma faculdade, ser "concursado", ter uma previdência privada, ter saldo bancário positivo. Quantas vezes iremos deixar de repetir o verbo "viver" para falar o "ter" para perceber que algo de errado não deu certo?


Ana Josefina Tellechea

O acaso me trouxe escolhas e meu coração me fez chegar até aqui, porque a razão ainda estou aprendendo a usar. Mulher, Cantora, Professora, escritora e um tanto de coisas mais que vou descobrindo ser..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious //Ana Josefina Tellechea
Site Meter