Janice Amaral

Sou uma eterna aprendiz da vida;Eterna estudante de filosofia em busca de autoconhecimento. Escrever sempre é um desabafo, uma forma de compartilhar e trocar ideias.

Sobre Reality Show...

Eu assisto o Big Brother. E daí? Isso não me torna menos inteligente do que você. Vejo ali uma excelente oportunidade de analisarmos o comportamento da nossa sociedade.


Há um modismo de pseudointelectuais de que assistir Big Brother é coisa de pessoas acéfalas, ignorantes ou desocupados. Um programa de entretenimento, mas que seus “atores” são pessoas comuns que resolveram participar de um programa de televisão em troca de R$1.500.000,00, ou por notoriedade, ou uma oportunidade de mudar de vida. O fato é, que ninguém consegue atuar durante três meses de confinamento, chega uma hora que as máscaras caem, ou que a pressão psicológica é tamanha que as pessoas surtam. Talvez, a atitude que alguns têm dentro de um confinamento, não seria a mesma fora dali. Resolvi escrever esse artigo porque não entendo: Se ninguém assistiu o Big Brother, como podem opinar com tanta veemência? Mais uma vez, palco de inquisidores. Alguns podem dizer: Foram eles que escolheram se expor. Concordo. Por outro lado, vejo uma excelente oportunidade de analisarmos como funciona o comportamento humano. Não somos deuses, não temos certeza de como nos comportaríamos num lugar confinado, cercado por câmeras por todos os lados, com pessoas desconhecidas, com culturas, hábitos, crenças, e personalidades diferentes da nossa. Mostra como somos intolerantes ao que é diferente. Como se formam grupos por “ afinidades”, enquanto poderiam crescer com as diferenças. bbb.jpg

O que mais me assusta é que muitas pessoas mentem que não assistiram para não serem criticados, outros não assistem mesmo por puro preconceito e outros tem o direito de fazer o que quiserem com seu tempo. No entanto, não tem o porquê de opinar. Aos Pseudointelectuais de plantão: Não é preciso bater papo-cabeça 24 horas; não é preciso ler 24 horas; Não precisa só assistir filme do Woody Allen ou do Almodóver para ser intelectual. 535762_401039636574576_1434107822_n.jpg

É possível assistir Big Brother e ter uma ideia dos valores corrompidos da sociedade que eliminam do programa uma Paraatleta, aparentemente com atitudes éticas, ao invés de alguém com atitudes machistas. No entanto, esse texto não é para julgar o comportamento das pessoas que lá estavam confinadas e sim para que reflitamos sobre o que podemos tirar de proveito de coisas rotuladas como fúteis? O que um Ser Humano comum é capaz de fazer por R$1.500.000? Tem gente que mataria a própria mãe. E os participantes são julgados por articular.Como ratos num labirinto, são postos a prova, passam fome, frio, se sentem rejeitados por serem indicados pelos "amigos"(e não há como ser diferente). Há jogos de discórdia para pôr uns contra os outros. Esse "jogo" me fez lembrar o livro O Ensaio Sobre a Cegueira de José Saramago, pessoas num confinamento só que cegas, no caso do Big Brother elas também ficam cegas, pois já não conseguem discernir ficção de realidade, a vida delas passa ser aquela ali, e lutam pela "sobrevivência". 12693489-mice-maze-cheese-found.jpg Big Brother pode ser uma grande aula de ética e não de moral, porque a moralidade é algo que a sociedade impõe enquanto alguém está olhando e ética é quando fazemos algo sem se preocupar se alguém está assistindo, porque é o certo a se fazer. No Big Brother, eu acredito (crença minha) que não seja possível que eles lembrem 24 horas que estão sendo filmados, por isso chega uma hora que não tem como esconder quem eles realmente são. E isso retrata, como as pessoas realmente são na sociedade. Alguns podem dizer que tem roteiro programado, que é tudo armação da Globo. Pode até ser, então o caso Emily e Marcos é um excelente roteiro para refletir sobre abusos contra a mulher, a saber, a maioria das pessoas desconhece o conteúdo da Lei Maria da Penha, então está aí uma excelente oportunidade para conhecer. Há muitas Emilys e Marcos por aí que brigam, se agridem e depois se abraçam como se nada tivesse acontecido, mas o que me choca são os termos pejorativos para as criticar a conduta de ambos. O que aconteceu lá foi lamentável e pode render amplo debate, mas com argumentos coerentes e não queimando-os na fogueira.


Janice Amaral

Sou uma eterna aprendiz da vida;Eterna estudante de filosofia em busca de autoconhecimento. Escrever sempre é um desabafo, uma forma de compartilhar e trocar ideias. .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// //Janice Amaral