coisas de dri...

Devaneios e reflexões com um leve toque de poesia

Adriana Caló

Reflexiva sobre a vida e as ações cotidianas. Curiosa e intuitiva, rabisca poesias, brinca com pincéis e tintas. Amadora por natureza com uma marcante característica: Liberdade Artística!

Quilombos – A Negação ao Escravismo

"O escravo não foi aquele objeto passivo que apenas observava a História." (Clóvis Moura)


resistência.jpg

Muito se fala sobre o período de escravidão no Brasil colonial, mas poucos estudos dão importância ao papel do escravo como participante ativo do processo de lutas contra a escravidão, lutas de classes (senhores e escravos). Dando a impressão que o tratamento que recebiam, do colonizador, fosse mansamente aceito mediante a sua condição. Em alguns estudos podemos observar o escravo como um objeto passivo de “seu destino”. Porém, é preciso salientar que foi o contrário, os escravos manifestavam várias formas de resistência ao regime escravista. Segundo o sociólogo Clóvis Moura “o escravo não foi aquele objeto passivo que apenas observava a história.” (MOURA, 1981:8).

Precisamos demonstrar a importância social e politica da luta dos escravos não como algo isolado, mas como uma força que atuava de forma transformadora e atuante dentro do sistema. Estes que tiveram papel marcante na História devido suas lutas existenciais, que buscava meios de transformar, quebrar barreiras, não simplesmente se esconder, mas sim buscar sua representação na sociedade.

Ao pensarmos na formação territorial do Brasil, logo vem em mente características fundamentais, tais como: colonização portuguesa, jesuítas, capitanias hereditárias e guerras territoriais. Tudo girando em torno da dominação das terras brasileiras, mas onde está a força, a mão-de-obra utilizada, que contribuiu para o crescimento econômico e que, de certa forma, dava motivação às lutas de conquistas territoriais?

Neste contexto quero destacar o papel do escravo na formação territorial do Brasil, mais especificamente através dos quilombos. “Quilombo era “toda habitação de negros fugidos que passem de cinco, em parte despovoada, ainda que não tenham ranchos levantados e nem se achem pilões neles”, segundo resposta do Rei de Portugal a consulta do Conselho Ultramarino datada de 2 de dezembro de 1740.” (MOURA, 1981:16)

Os desdobramentos das relações de trabalho, que resultam nas fugas dos escravos fragmentaram o território do Brasil, causaram fratura na soberania lusitana. Deixando claro que o escravo era um ser inquieto e que lutou para adquirir seu lugar na sociedade.

No interior estrutural da Colônia, os quilombos serviam como base da resistência, pois os escravos ao fugirem para lugares de difícil acesso, buscavam modos de se defendem das repressões dos senhores, ou seja, era um refúgio. Existiam centenas de quilombos espalhados por toda a Colônia.

Entre as diversas formas de resistência ao regime escravista ocorreu neste período a integração dos quilombos com outros grupos de escravos revoltosos (negros urbanos e a periferia quilombola), no que se deu a grande revolução dos negros maleses na Bahia - Insurreição Negra de 1835, conhecida como Revolta dos Malês.

A questão dos quilombos deve ser vista e considerada para total formação territorial do Brasil, pois estes exerceram uma fundamental importância na estrutura social, geográfica e política do país. E não foram simples revoltas, onde os “rebeldes” simplesmente fugiram, ou serviram de marionetes nas mãos do branco colonizador, mas sim uma forma de se negar aos maus tratos, punições, trabalhos forçados, a vida miserável escravista e partirem para a luta contra a classe dominante (senhores coloniais).

A escravidão, ordem social fundamentada na utilização do trabalho escravo como força produtiva, implicou em uma estrutura hierarquizada de duas camadas sociais: os produtores submetidos e os proprietários dessas pessoas e do produto de seu trabalho.

No dia 13 de Maio de 1888 foi assinada a Lei Áurea, que abolia definitivamente a escravidão no Brasil.

Se por um lado a Lei Áurea legitimava a libertação do negro – louve-se o fato – por outro o abandonava à própria sorte.

Na escravidão havia o mito do “bom senhor”, com a abolição este se transformou em “homem cordial” (elite brasileira). Essas ideologias completam o imaginário da democracia racial, como enfatiza o crítico literário Alfredo Bosi: “O Treze de Maio não é uma data apenas entre outras, número neutro, notação cronológica. É o momento crucial de um processo que avança em duas direções. Para fora: o homem negro é expulso de um Brasil moderno, cosmético, europeizado. Para dentro: o mesmo homem negro é tangido para os porões do capitalismo nacional, sórdido, brutesco.” (BOSI, 1996: 272)

É preciso esclarecer que a abolição não foi um simples ato de bondade da elite política imperial. No processo abolicionista não se deve omitir a própria luta negra, luta esta que, aliás como descrito neste artigo, já se fazia presente desde a época colonial. A formação dos quilombos é um exemplo claro dessa luta. Ressalte-se ainda a participação ativa dos negros em movimentos revolucionários como a Conjuração dos Alfaiates, ou Conjuração Baiana de 1798, liderada por negros e mulatos e considerada a primeira revolução social do Brasil.

Referências Bibliográficas:

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MOURA, Clóvis. Os quilombos e a rebelião negra. São Paulo: Brasiliense, 1981.


Adriana Caló

Reflexiva sobre a vida e as ações cotidianas. Curiosa e intuitiva, rabisca poesias, brinca com pincéis e tintas. Amadora por natureza com uma marcante característica: Liberdade Artística! .
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Adriana Caló