coisas de dri...

Devaneios e reflexões com um leve toque de poesia

Adriana Caló

Reflexiva sobre a vida e as ações cotidianas. Curiosa e intuitiva, rabisca poesias, brinca com pincéis e tintas. Amadora por natureza com uma marcante característica: Liberdade Artística!

Resgate de Memória: Quem foi Amélia de Oliveira?

Muitos nomes da literatura de escrita feminina em fins do século XIX e início do século XX são pouco conhecidos. Isso se dá pela forma com que as mulheres ocupavam um espaço inferior e privado na sociedade brasileira destes períodos. E, ainda hoje, existem muitos nomes pouco estudados. Este é um breve artigo sobre Amélia de Oliveira.


14463908_1065020713594087_1910469642_n.jpg

Vimos no artigo Primórdios da Literatura de Escrita Feminina, que em fins do século XIX a maioria das mulheres que seguiram para o caminho literário pertencia às famílias da elite brasileira. Suas residências dispunham de uma vasta biblioteca de seus pais e irmãos ou maridos e, geralmente, tinha um salão em casa onde ocorriam encontros de intelectuais, poetas e músicos. Como ainda não ocupavam espaços públicos, restringiam-se aos círculos familiares e amigos, portanto essas reuniões literárias as estimulavam muito.

Aos poucos, as mulheres frequentadoras dos salões literários, começaram a escrever seus poemas, contos, crônicas e romances. Onde esses registros, mesmo que em diários, já demonstravam a conscientização e crítica à ordem social em que estavam inseridas. Os temas dos escritos eram relacionados aos sentimentos reprimidos, tais como: amor, casamento, divórcio, erotismo, etc. Porém, mantinha-os nas gavetas. Segundo Maria de Lourdes Eleutério (2005, p.18) “para as mulheres da República o sonho de publicar um livro era um projeto distante, a expressão feminina nesse período permanece circunscrita ao espaço privado, enfeixada em diários, em anotações de conselhos úteis, mas também em receituários e mezinhas, material que enriquecia os cadernos pessoais e animava a correspondência entre amigas.”

Um dos salões mais famosos do Rio de Janeiro, localizado em Niterói, era o da família Oliveira, casa do poeta Alberto de Oliveira (1859-1937). Neste contexto quero trazer à luz a poeta Amélia de Oliveira.

Amélia Mariano de Oliveira nasceu em Palmital de Saquarema/RJ, em 14 de abril de 1868. Viveu na cidade do Rio de Janeiro, onde faleceu, em 05 de março de 1945. Ficou conhecida como a eterna noiva de Olavo Bilac (1865-1918).

Como dito acima, casa de seus pais José Mariano de Oliveira e Ana Ribeiro de Mendonça, nos últimos anos do século XIX, era ponto de encontro de literatos. Fazer versos era algo comum entre os dezessete irmãos Oliveira.

As irmãs ficavam encarregadas de declamar os poemas dos irmãos e dos demais convidados, tinham cerca de trezentos poemas decorados. Além disso, as moças tinham até um certo prestígios nas artes: tocavam piano, cantavam, mostravam suas habilidades com a pintura, artesanato, mas nunca demonstravam suas próprias criações.

Grandes nomes da poesia e literatura da época frequentavam estes saraus.

Alberto de Oliveira (primeiro a partir da esquerda, na foto, em companhia de Raimundo Correia e Olavo Bilac).jpg Alberto de Oliveira, Raimundo Correia e Olavo Bilac (Imagem:Templo Cultural Delfos "Olavo Bilac - o príncipe dos poetas.")

Olavo Bilac, em 1883, começa a frequentar a casa dos Oliveira e se apaixona por Amélia, que retribui. Em 1885, iniciaram o namoro. Essa paixão inspirou boa parte dos sonetos da Via Láctea, composto por 35 sonetos. (Coelho, p.48)

Considerada a mais culta entre os irmãos, Amélia teve poucos poemas publicados em vida e a maioria com o pseudônimo de Emília da Paz.

Em uma ocasião Amélia, que escrevia muitos versos, teve um soneto publicado no Almanaque da Gazeta de Notícias em 1888 e a reação do noivo marca bastante como as mulheres eram reprimidas na época:

“Minha Amélia (...) Antes de tudo quero dizer-te que te amo, agora mais do que nunca, que não me sais um minuto do pensamento, que és minha preocupação eterna, que vivo louco de saudade, (...) Não me agradou ver um soneto teu (...) desagradou-me a sua publicação. Previ logo que andava naquilo o dedo do Bernardo ou do Alberto. Tu, criteriosa como és, não o faria por tua própria vontade (...) Há uma frase de Ramalho Ortigão, que é uma das maiores verdades que tenho lido: - "O primeiro dever de uma mulher honesta é não ser conhecida". - Não é uma verdade? (...) há em Portugal e Brasil cem ou mais mulheres que escrevem. Não há nenhuma delas de quem não se fale mal, com ou sem razão (...). Não quer isto dizer que não faça versos, pelo contrário. Quero que os faças, muitos, para teus irmãos, para tuas amigas, e principalmente para mim, - mas nunca para o público (...) Teu noivo Olavo Bilac. São Paulo, 7 de fevereiro 1888" (ELEUTÉRIO. 2005, p.32)

Percebe-se que no século XIX a inserção da mulher em qualquer área, fora dos padrões das “recatadas donas-de-casa”, era muito complexa. Apoiado na frase do escritor português Ramalho Ortigão (1836-1915) "o primeiro dever de uma mulher honesta é não ser conhecida", há um julgamento pela condição de ser uma mulher honesta. Obviamente, devemos destacar que no período deste acontecimento as mulheres ainda estavam sob um sistema patriarcal.

Com a morte do pai, o irmão de Amélia que assumiu o posto de patriarca da família, impediu o noivado com Olavo Bilac, alegando que o poeta era muito boêmio para a sua irmã. Ambos sofrearam com essa decisão, nenhum dos dois se casaram posteriormente e continuaram trocando poemas de amor.

prece amelia.jpg

***

prece bilac.jpg

Segundo Elmo Elton (1925-1988), poeta e pesquisador, "Amélia sofre tôdo aquele estado de cousas, resignada, certa de que, um dia, realizaria o seu sonho de amor." (1954, p.17). Para saber mais sobre esse romance, é recomendado o livro “O noivado de Bilac” de Elmo Elton.

Os anos passaram, sobre a vida amorosa e sexualidade do poeta Olavo Bilac permeiam diversas possibilidades entre seus biógrafos, mas a de Amélia ficou estagnada. Mesmo após a morte de Bilac, em 1918, Amélia seguiu em devoção e visitava semanalmente, mesmo idosa, o túmulo do poeta, no cemitério de São João Batista.

Presciliana Duarte de Almeida (1867 - 1944), responsável pela revista A Mensageira, que circulou até 1900, insistiu para que Amélia publicasse seus poemas, mas a mesma sempre recusou, como foi o pedido do eterno noivo.

Segundo Eleutério (2005, p.39), “todos os irmãos Oliveira que dedicaram algum tempo à poesia publicaram em órgãos de imprensa da região. Amélia, ao contrário, permaneceu à sombra, determinada a não desobedecer ao ex-noivo.”

Após sua morte, seus poemas foram publicados em um volume sob o título de “Póstuma”, com organização de Elmo Elton.

Referências:

ELEUTÉRIO, Maria de Lourdes. Vidas de Romance: as mulheres e o exercício de ler e escrever no entresséculos (1890-1930). Rio de Janeiro: Topbooks, 2005.

ELTON, Elmo. O noivado de Bilac. Rio de Janeiro: Organizações Simões, 1954

COELHO, Nelly Novaes (2002). Dicionário Crítico de Escritoras Brasileiras 1711-2001. São Paulo: Escrituras Editora e Distribuidora de Livros.


Adriana Caló

Reflexiva sobre a vida e as ações cotidianas. Curiosa e intuitiva, rabisca poesias, brinca com pincéis e tintas. Amadora por natureza com uma marcante característica: Liberdade Artística! .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Adriana Caló