Tico Menezes

A vida não é um livro do Nicholas Sparks, e isso é bom

Qual a influência dos livros nas suas decisões? Até onde a busca por uma vida parecida com a do seu personagem favorito te faz bem? Nicholas Sparks é amigo ou inimigo?


sparks.jpg

Protagonista Um é solitário e traz consigo um segredo triste ou um passado conturbado, cheio de momentos difíceis e histórias que só se revelarão num momento de fraqueza ou entrega total de si. Protagonista Dois teve a vida um pouco menos sofrida, não pensa tanto em como as coisas serão e tem uma perspectiva muito mais simples sobre o mundo e como ele funciona. Os Protagonistas se conhecem, se identificam, se envolvem e tudo é maravilhoso até que uma tragédia os atinge – as vítimas da tragédia variam entre um dos Protagonistas ou alguém muito importante para eles. Enfrentam a tragédia juntos, sempre indo à missa e nunca se permitindo o pessimismo. Aprendem lições, choram, contam seu segredo mais antigo e seguem em frente, às vezes num final bem triste e melancólico, às vezes num final feliz. E melancólico.

Longe de mim tirar sarro ou minimizar a importância do trabalho do romancista Nicholas Sparks. Eu mesmo já li quase todos os seus livros, me emocionei com a maioria e me envolvi com os personagens, encontrando um pouco de mim e da minha visão romântica sobre relacionamentos em cada história. Ao contrário do que pensam por causa das capas – quase sempre idênticas e preguiçosamente editadas – não são livros ruins, não são iguais, apesar de seguir uma fórmula, não são histórias sem propósito. Vejo os livros de Nicholas Sparks como um abraço e um cafuné em quem chega em casa após um dia de trabalho cheio de comentários insensíveis e poucas demonstrações de afeto e camaradagem. Seus leitores são sensíveis, muitos temem expor tal sensibilidade por medo, muitos o tomam como um grande sábio do amor, muitos o leem porque sentem que só ali encontrarão o amor que sempre sonharam viver, mas poucos sabem que aquilo é só mais um ponto de vista no meio de um universo de românticos originais e inveterados. Mas como chegar a tal conclusão? Como saber o efeito que uma história como as que Sparks conta têm na vida de cada um?

Na literatura contemporânea, temos o gênero YA (Young Adult, Jovem Adulto em português), com representantes fortíssimos como “Quem É Você, Alasca?”, “O Maravilhoso Agora” e “Uma História Meio Que Engraçada”, que trazem vidas e romances mais próximos da realidade atual, não poupam palavrões, situações imperfeitas e referências contemporâneas para contar suas histórias. Com a proposta de representar o leitor jovem que está iniciando sua vida adulta, mas não se identifica tanto com os romances convencionais cheios de frases de efeito e finais melancólicos. Temas como depressão, solidão, insegurança e futuro são tratados com honestidade nesse gênero, o amor é algo que fica a encargo do tempo, afinal, temos uma vida para tocar, rotinas corridas e muita confusão dentro de nós para fingir que tudo está bem e que estamos prontos para os desafios que o futuro nos prepara. Não um afago no fim da tarde, mas um “siga em frente” com um sorriso de canto de boca, o gênero YA é o movimento literário que existe para dizer que não há problema não viver o amor perfeito de Hollywood ou não ser igual aos protagonistas sempre belos e com vocabulário rebuscado. Mas ainda assim não foge ao perigo de influenciar seus leitores a buscar viver de forma parecida, a se questionar o que tal personagem faria, a fazê-los viver a história das páginas. Nicholas Sparks fez isso. John Green fez isso. Scott Fitzgerald fez isso. León Tolstoi fez isso. Jane Austen fez isso. Charlotte Bronté fez isso. Hemingway, Wilde, Jojo Moyes e David Levithan, todos fizeram isso. Mas não foi de propósito, afinal, eles não te conheciam quando estavam escrevendo.

Essa é a magia da literatura. Assim como qualquer arte, é mutável, está em constante transformação e nunca será interpretada da mesma forma, esteja você lendo na adolescência, idade adulta ou terceira idade. Em paralelo com nossas leituras, está nossa vida, em constante comparação com tudo o que consumimos, com todas as ideias de como devemos ser na escola, na entrevista de emprego, na faculdade, no namoro, no casamento ou ao lidar com perdas e momentos difíceis. É bom que tenhamos histórias belas, inspiradoras e cheias de esperança e romance em nossas prateleiras, mas é bom que saibamos que essas histórias são como conselhos de um bom amigo, não estão ali para serem tomadas como verdades, são apenas uma das várias formas de enxergar o que se põe em nosso caminho.

No fim das contas, se você sabe que não deseja fazer o mal, se está disposto a se esforçar para conseguir o que quer e trata bem as pessoas, a ficção que você lê não importa tanto, pois não irá fazer sua cabeça, serão apenas histórias para se lembrar e se identificar em diferentes momentos da vida. Não viver uma história escrita por Nicholas Sparks é muito bom, sabe por quê?

Porque quem está escrevendo sua história é você.


version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Tico Menezes