Tico Menezes

Luke Skywalker Aprendeu que Nunca Paramos de Aprender

Os últimos jedi são os mais maduros.


luuuke.jpg

Comecemos a reflexão do dia parafraseando Matrix (1999): Enxergar as coisas com clareza nem sempre é a forma mais agradável de viver, mas você trocaria seus aprendizados difíceis por uma vida tranquila, porém frágil e imersa na ignorância? O primeiro passo para aprender qualquer coisa é admitir que não sabemos. Isso é difícil, ainda mais depois de certa idade ou quando determinamos prazos para ser ou fazer algo específico na vida e não cumprimos. Se não conseguimos atingir nosso objetivo, nos abatemos, muitas vezes na primeira tentativa. Desistimos constantemente por achar que não temos mais o que aprender. Isso leva ao comodismo, que leva às opiniões rasas, que leva à completa ignorância. Isso pode ser ainda mais intenso e destrutivo se somos vistos como exemplo de algo ou contam com nosso sucesso sem levar em conta que somos humanos e propensos à falha como qualquer outro.

Dito isso, vamos olhar para Luke Skywalker, um dos maiores heróis da cultura pop e a Nova Esperança que derrubou um império opressor. Luke chegou a um nível de heroísmo – dentro e fora das telas – tido como certeza de vitória, sabedoria e disposição. Seu futuro, apesar de imaginado pelos fãs como repleto de vitórias e sucessos, era um mistério até dezembro de 2017. Em Star Wars – Os Últimos Jedi, Luke é mostrado como um eremita, isolado num lugar distante por nunca ter se perdoado por um erro que cometeu. Ao redor da galáxia, ele é uma lenda, um símbolo de esperança com uma história inspiradora contada por gerações. Quando procurado por Rey – a nova protagonista da saga – Luke está longe de ser o que ela – e o público – esperavam. É um homem quebrado, desiludido, amargurado e até egoísta em alguns momentos. Ele falhou, não soube lidar com o erro e decidiu ignorar tudo e todos a partir de então. Assim, se desconectando da Força. Num diálogo honesto sobre como tudo o que ele acreditava se provou errado – inclusive sua opinião sobre si mesmo – enxergamos a dor de alguém que não gostaria de ver o mundo como realmente é.

LukeAgora que estão extintos, os Jedi são romantizados, endeusados. Mas se você despir o mito e olhar para seus feitos, o legado dos Jedi é o fracasso, a hipocrisia, o excesso de confiança. [...] Quando o Jedi morre, a luz morre em vaidade [...] E eu me tornei uma lenda.

Nesse diálogo, Luke ainda está afundado em seus arrependimentos e sua tristeza por não ter percebido algumas coisas em sua juventude, por não ter questionado sua fé. Mas no decorrer da trama, ele recebe a visita de seu antigo mestre – como um fantasma da Força – para aprender uma última lição.

YodaVocê não ouviu minhas palavras, ouviu? Passe para frente o que você aprendeu. Força, maestria. Mas fraqueza e fracasso também. Sim, fracasso acima de tudo. O maior professor o fracasso é.

Você consegue adivinhar o porquê desse ser o filme mais polêmico da saga Star Wars? Exatamente, muitos fãs não gostaram de ver seu herói de infância como um homem quebrado, falho, amargurado e ainda com muito para aprender. Nos esquecemos com facilidade de nossas falhas, quando deveríamos exaltá-las para nunca deixarmos a humildade de lado. É preciso questionar nossas crenças, desafiar o que achamos que conhecemos, nos permitir aceitar que nunca saberemos mais do que o quanto temos para aprender. Não busque heróis na política, na religião, no amor nem em campo algum. As pessoas vão errar, quem você admira vai errar, quem você acredita ser perfeito também, quem te ensinou algo com certeza já errou e você ainda vai errar muito. Mas é só errando que entendemos o valor do acerto.

No fim, a humildade é o primeiro passo para a aceitação. Depois disso, bem, seja bem-vindo ao resto dos seus dias.


version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Tico Menezes