controverso

Histórias que beliscam

Luana Simonini

A vida segue pela contramão do óbvio e, desses nossos contrários, nascem histórias incríveis

  • Imagen Thumbnail para IMG_0730.JPG
    Nem envelhecer, nem morrer, a vida não nos prepara para o óbvio

    É assim. As olheiras denunciam anos arrastados dormindo tarde e acordando cedo. Enquanto o despertador interrompe aquele sonho maluco que amaria descobrir o final, a caixa de e-mail recebe mais alguns recados de responsabilidade. Ser adulto é se sentir um adolescente com as mesmas inseguranças, mas com alguns quilos a mais?

  • Imagen Thumbnail para maxresdefault.jpg
    Senhor, perdoai a nossa pressa

    Já reparou? Estamos sempre com pressa. Sempre atrasados. "Dá licença? Você sabe, tempo é dinheiro". É. A gente tem pressa pra chegar lá e se esquece de curtir o caminho. Para os apressados, já aviso, o texto é curto.

  • Imagen Thumbnail para Ela.jpg
    Olhar para trás é caminhar para frente

    Precisamos de fôlego para encarar o espelho e envelhecer. E ninguém encara tão bem o tempo quanto o poeta. Contemporâneo por essência, o “fazedor de versos” consegue se deslocar do seu presente e mergulhar na crise entre o que passou e o que virá. Estamos prontos quanto ele? Não. No entanto, a poesia “Pai” de Armanda Freitas Filho traz um pouco da coragem que a gente precisa.

  • Imagen Thumbnail para MarioAndrade.jpg
    O sujeito poético de Baudelaire e Mário de Andrade

    A crise da modernidade é mergulhar no presente e se deparar com o que já é obsoleto. Estamos em crise. Como a poesia traduz em verso o que a gente insiste em não entender?

  • Imagen Thumbnail para Verônica.jpg
    A menina que coloria

    O preconceito mora nos detalhes. Um conto sobre a beleza das nossas cores e diferenças sob a perspectiva de uma criança em seu primeiro dia de aula.

  • Imagen Thumbnail para OuroPreto.jpg
    Coisas que nenhum mineiro te contou

    Quem nasceu em Minas Gerais ou em quem Minas Gerais nasceu dentro do peito sabe como é bom ser mineiro. Uma crônica em forma de verso ou um dedo de prosa na cozinha de casa, esse texto é, na verdade, uma homenagem a quem tem um trem batendo no lugar do coração.

  • passaros-03.jpg
    Despedir é transbordar em reticências

    “O que tem por trás das despedidas? Um abraço longo entre duas pessoas que não sabem como será a partir dali”. Assim, a mãe se despede em carta da filha e de si mesma. Mergulhar nas histórias também é afundar. Como este conto que fala sobre despedida, memória e reticências.

  • SorrisoInterior.png
    O que você dirá antes de partir?

    Em menos de 48 horas antes da sua morte, um homem registra em verso como é se despedir da vida aos 36 anos de idade. Esse poema se transformou em um mergulho ao cruel e infinito desconhecido para quem lê.