O Rio não é a cidade mais bonita do mundo

Sem sol, o Rio de Janeiro apaga-se, encolhe-se e quase deixa de existir.


rio chuva 2.jpg

O Rio de Janeiro é a cidade mais bonita do mundo – eis uma frase que muita gente repete. Eu próprio, antes de lá ter ido, também repetia esta espécie de mantra, como se fosse uma verdade inquestionável. Até que fui pela primeira ao Rio e tive uma tremenda decepção, confirmada pela segunda ida, dois anos depois.

O Rio de Janeiro é, sim, uma cidade bonita se o viajante se limitar às zonas do Leblón e Ipanema, se passear junto à lagoa Rodrigues de Freitas, se subir os morros do Corcovado, do Pão de Açúcar ou visitar Santa Teresa – e pouco mais. O resto da cidade – e nem me vou referir à zona Norte – é um caos urbanístico com ruas sujas, passeios esburacados, locais nauseabundos e prédios grafitados onde o visitante se perde e desilude. À medida que se avança para o interior a desilusão aumenta e, em vez da ‘’maravilha’’, afirma-se a banalidade. engarrafamento.jpg

Uma das razões dessa banalidade é a escassez de zonas históricas. Reformas urbanísticas como a de 1921 destruíram parte da herança colonial. Nessa infeliz intervenção foi arrasado o Morro do Castelo – o primeiro núcleo urbano do Rio de Janeiro - onde havia fortalezas e edifícios construídos pelos Jesuítas, como a igreja de São Sebastião. Na ânsia de se europeizar, os políticos da época resolveram imitar o modelo higienista de Haussman, destruindo assim o seu berço histórico. Alguma imprensa protestou, o Jornal do Século uso o título ‘’ O Rio tem o coração arrancado’’, mas de nada serviu.

morro.jpg

Porém, o resultado é uma cidade que renegou o passado sem chegar a ser moderna. E esse é o drama do Rio. Ficou entre dois mundos, querendo-se afastar do primeiro, mas sendo incapaz de alcançar o segundo, e assim perdeu a identidade – tendo para tal que recorrer a estereótipos como o samba, o futebol e a praia como forma de afirmação.

Todavia, as praias do Rio são outra desilusão: a água é mais fria do que no sul de Portugal, os níveis de poluição são elevados, os vendedores ambulantes incomodam e a segurança é inexistente. Nada do que se espera de uma cidade tropical destinada ao turismo. Quem já tenha estado nas praias do mediterrâneo, das Caraíbas, do sul da Ásia, da Austrália, ou tão só de Maceió ou João Pessoa, achará decerto as praias de Ipanema, de Copacabana ou do Leme de má qualidade.

copacabana.jpg

Assim, num dia chuvoso o Rio transforma-se então numa cidade deprimente da qual apetece fugir. O céu cinzento ofusca as belezas paisagísticas, a chuva torna ainda mais caótico o trânsito e o lixo aparece a boiar nas ruas. É a própria natureza que põe a nu as fragilidades da cidade. Resta ao visitante procurar museus ou ir a um shopping – mas, suponho, não foi esse o motivo da vinda. Sem sol, o Rio de Janeiro apaga-se, encolhe-se e quase deixa de existir.

rio chuva.jpeg

Na minha opinião, no Nordeste brasileiro existem cidades muito mais interessantes, com riquezas naturais e históricas de outra qualidade. Por exemplo, o Recife. Comparado com o Recife, onde existe um património histórico fascinante como a parte velha (o Recife antigo) ou, mais adiante, Olinda, praias com areia mais fina e água mais quente e uma gastronomia que não se verga às modas, o Rio de Janeiro pouco tem para oferecer. Mais ainda do que em Salvador da Bahia, é no Recife que encontro o que considero ser o genuíno Brasil, onde a cultura europeia, africana e índia resistiram ao passar dos séculos e para esse mesmo passado nos remetem desde que queiramos explorar a cidade. No Recife e noutras cidades nordestinas encontrei edifícios com traça barroca, escutei cantores repentistas entoando versos feitos no momento – uma herança dos cantares ao desafio minhotos – descobri festas populares, figuras de folclore e delícias gastronómicas onde as três referidas culturas se miscigenam.

recife.jpg

No Rio – à excepção do Real Gabinete Português de Leitura – nada disso encontrei. A cidade é como uma mansão que possui uma bela fachada, mas, por dentro, está degradada, desarrumada e, nalguns cantos, vazia.


version 14/s/arquitetura// @obvious, @obvioushp //João Cerqueira