cotidiana

Lugar onde as ideias não param

Ana Paula Peixer

Ana Paula Peixer é Coach, membro da Sociedade Brasileira de Coaching.
É escritora e teóloga com Pós em Neuropsicopedagogia.
Atua com coaching, aulas, palestras e treinamentos corporativos.
www.anapaulapeixer.com.br

Tecnologia invisível?

Física quântica, nanotecnologia, robótica. O que isso tem a ver conosco, com a nossa vida, nossa rotina e nossa saúde? Afinal, a tecnologia é apenas um meio de consumo ou ela realmente pode revolucionar nossa qualidade de vida e devolver saúde ao planeta?
Já exploramos demais e precisamos com urgência devolver ao nosso planeta os benefícios que ele nos tem dado, mas para tanto, mais do que tecnologia e ciência, precisaremos de consciência.


Imagem do blog "luznosmomentos"

Muito do que conhecemos da tecnologia parte do invisível. As ondas do rádio e da TV, microondas, celular, ultrassom. São as frequências que tornam visíveis ou audíveis o que está dentro de nós, ou ainda, transmitem informações que estão além de nós e têm o poder de nos conectar ou nos manter atualizados e informados.

O que me fascina é a forma que o invisível toma, se manifesta e isto me põe a pensar sobre a nanotecnologia e a física quântica.

O alfabeto é feito de letras, temos um alfabeto com pouco mais de 20 letras que, juntas e combinadas, podem compor infinitas palavras. Páginas e páginas de ideias, conceitos, teorias, histórias. Tudo o que a humanidade conhece em ciências exatas ou humanas. Letras, palavras, textos, tudo surge de um “pequeno alfabeto”.

Rav Berg, mestre cabalista escreveu sobre a nanotecnologia de forma brilhante. Temos a tabela periódica, e nela um determinado número de elementos, que da mesma maneira que o alfabeto, combinados, compõe toda a matéria visível do universo. Então, ele propõe o “milagre”. E se pudéssemos, através de robôs ultramodernos, manipular os átomos e criar o que quiséssemos?

Bem, hoje algumas impressoras 3D já estão imprimindo vários componentes, até casas. Mas e se pudéssemos criar órgãos? Tecidos? Transformar moléculas? Seria o começo de uma era da imortalidade?

Mas muito mistério ainda existe no universo, nome que está sendo transformado pela física quântica, que já propõe a ideia de multiverso. Ou seja, não temos um, mas vários universos conectados em não só uma mas váris possíveis dimensões. Muito do que aprendemos na escola, em pouco tempo, estará obsoleto e nossos livros talvez sejam substituídos e não só eles, mas a tecnologia poderá trazer novas maneiras de estudar e aprender, porque não só as técnicas e ferramentas poderão mudar, mas a neurociência também nos mostra a incrível capacidade que o cérebro tem de se reinventar, reorganizar e aprender.

Então a grande questão sobre tecnologia vai muito além de estar na “moda" ou ser cool, ter o noo modelo de smartphone ou notebook. A humanidade está diante de grandes desafios hídricos, climáticos, sociais, psíquicos e fisiológicos. A depressão será a maior doença do mundo até 2030 segundo a OMS. O Brasil está enfrentando HOJE, em 2015, uma grande crise hídrica, o que poderá forçar um êxodo das grandes metrópoles, o câncer e as alterações genéticas estão acontecendo, desde os trangênicos, passando pelos agrotóxicos e finalizando nas mutações genéticas que sofremos, dentre elas a esterilização de homens e mulheres. Enfim, nosso desafio é grande. A ciência e a tecnologia são a chave para as grandes soluções das próximas gerações. Muito poderá ser feito e melhorado na qualidade de vida das pessoas e na saúde do planeta, mas a grande questão é: será que os gananciosos e corruptos querem isto? Ou então, até que ponto nós estamos engajados nesta transformação que pode começar pela nossa vida, nossa casa, cidade, comunidade?

Mais do que avanço tecnológico, com ele, evolução espiritual e de consciência. A física quântica já sabe que o princípio antrópico, aquilo que criou o universo, tinha o intuito de criar consciências, ou seja, a consciência é fator primordial e fundamental para que a tecnologia, seja ela biológica, celular (evolucionismo) ou mecânica (industrial, tecnológica) possa expandir nossos horizontes e maneira de viver de forma significativa, saudável e voltada para a vida, a ética e o bem da humanidade.

Não precisaremos estudar idiomas, eles poderão ser implantados em nosso cérebro através de microchips. Poderemos usar drogas que nos façam mais inteligentes, mais fortes, drogas que combatam a obesidade, poderemos evitar doenças desde o ventre de nossas mães, poderemos fazer exames de sangue completos em poucos segundos via aplicativos no smartphone, poderemos nos conectar via telepatia, curar doenças ou fazer exames com nanorobôs, cirurgias nada invasivas, remédios que sejam mais pontuais nos tratamentos, mas há uma profunda necessidade de restauração da consciência, reforma social e política, reforma do ser humano.

A grande pergunta que fica é: que tipo de ser humano seremos quando tudo isto estiver à nossa disposição? Como serão os países, os governos? Os territórios?

O tempo é a grande ilusão do espaço. Toda “realidade" materializada é apenas 1% do que vemos. 99% é mistério. Grande parte do que compõe o universo chama-se matéria escura, não pode ser vista nem fotografada, sabe-se apenas que ela existe por que a gravidade a acusa, mas então, o que é real? Até quando estaremos apegados ao que achamos que é real, quando existem infinitas possibilidades?

Esta é a grande chance da tecnologia. O google já está no caminho com o computador quântico. A física quântica está buscando respostas. Fica para os homens, os poderosos, o grande desafio de usar a tecnologia para melhorar o mundo e não só para enriquecer.

De que adiantará toda tecnologia se a consciência não a alcançar? De que adianta um supercomputador com infinitas respostas se não fizermos as perguntas certas? Vamos promover a vida? Vamos promover o lucro? Vamos controlar ou queremos compartilhar? Vamos centralizar o poder, ou vamos empoderar pessoas através do acesso, da educação, da democratização e da valorização do ser humano?

Quais serão nossas prioridades? Como seremos conhecidos e o que os livros de historia contarão a nosso respeito? Como será o mundo que deixaremos para filhos, netos e bisnetos?

Um dia a humanidade se afastou da ideia de Deus porque a igreja punia os cientistas. Hoje, ao comparar várias literaturas religiosas, hindus, judaicas, e de várias culturas, vemos pontos convergentes que apontam para outras dimensões, para outros “mundos" possíveis, coisas que a ciência vetou em absoluto sob a acusação de ser místico ou sem fundamento. E agora a tecnologia via satélites e sondas, começa a procurar o que antes fora negado.

É a tecnologia que une pontos, pessoas e séculos através da sua velocidade e amplitude de atuação. Resta a nós, humanos, que somos o protótipo primeiro, pois o computador nada mais é do que a extensão do nosso cérebro, o telescópio do nosso olho, o carro de nossas pernas e assim por diante; resta a nós, desenvolvermos uma grandeza de espírito para então, nos utilizarmos com total propriedade da tenologia para vivermos em plenitude e vivificarmos em plenitude nosso planeta, nossa saúde e nossa sociedade.


Ana Paula Peixer

Ana Paula Peixer é Coach, membro da Sociedade Brasileira de Coaching. É escritora e teóloga com Pós em Neuropsicopedagogia. Atua com coaching, aulas, palestras e treinamentos corporativos. www.anapaulapeixer.com.br.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Ana Paula Peixer