Thomaz Henrique Barbosa

Tenho um punhado de diplomas, ganhei um sem número de prêmios e minha renda mensal é uma pequena fortuna. Nada disso me define ou diz se estou certo. Esqueça os títulos, explore o texto.
https://www.facebook.com/thomazhb/

31 de julho: por que devemos voltar às ruas?

Esquerda perdeu o monopólio das ruas e assistiu as maiores manifestações da história. Precisamos manter a ocupação dos espaços públicos, sobretudo em 31/07


paulista.jpg

Qual é o teu estilo de esporte, físico ou mental? Se for o primeiro, temos o exemplo do futebol. Dominar o meio-de-campo é essencial para trocar passes e manter o time no ataque, em busca da vitória. Quem controla o meio, em geral, controla o jogo. Se for o segundo, falo do xadrez. Assim como no futebol o domínio do meio — neste caso, do tabuleiro — é essencial para as pretensões do jogador, que é chegar até o rei. Derrubar o rei é o gol do xadrez.

E tomar as ruas e os espaços públicos através de militância e pressão é o equivalente na política a esses dois exemplos. Meios de comunicação, universidades e militância em espaços públicos. Eis a lista tríplice dos locais fundamentais para se ocupar em vista de se pôr em vantagem frente aos adversários políticos.

Quem seriam eles? Não é segredo: a esquerda, os populistas, os socialistas e demagogos em geral. Todos aqueles que assistiram babando de ódio ao povo brasileiro tomar às ruas para destituir um governo de esquerda, capitaneado por Dilma, a búlgara, e seu padrinho Luís Inácio.

Se por mais de 13 anos eles conseguiram vender utopia aos pobres para colher poder à elite dirigente, só foi possível porque, antes de chegar ao poder, eles ocuparam com inteligência gramsciana os três espaços supracitados como indispensáveis. Não é por acaso que, tendo se levantado uma reação contrária nesses três ambientes, a fúria dos monopolistas saltou a proporções inéditas, revelando de vez a sanha intolerante de seus apoiadores. A quem seduz através do engodo, debate algum interessa, com o risco de ter a mentira exposta. A perda da hegemonia é, sobretudo, a derrocada de qualquer projeto de poder perpétuo. A divergência democrática inibe aos autoritários. Não por outro motivo, assim que surgiu, passei a militar nas ruas através do Movimento Brasil Livre. Entender que a esquerda sempre empurrou suas pautas — digamos, de mais Estado — através de grupos de pressão ao ocupar os espaços públicos, foi o que me deu a certeza de que seria um erro não me inserir e participar do primeiro movimento social de direita liberal fundado em nosso país.

Assim que MBL, Vem Pra Rua, e tantos outros surgiram; não como guias da massa, mas como disseminadores de valores marginalizados que suspiravam por notoriedade; houve o despertar de uma multidão que, em sua maioria, jamais tinha participado ativamente de atos políticos, sobretudo por nunca ter se sentido representado nas manifestações violentas, odiosas e iconoclastas que a esquerda e seus instrumentalizados movimentos sociais e estudantis promoviam. A explosão difusa do inverno de 2013, que mobilizou milhões de pessoas por uma mudança incerta, mas urgente, gestada no seio de grupos ultrassocialistas, deu à luz a um filho verde-amarelo e decidido, com um objetivo enfim claro: o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Dissipou-se o monopólio das ruas e teve início um novo tempo.

Não é preciso que eu enumere os feitos que, nos manifestando nos últimos 19 meses, conquistamos. Todos sabem. Entretanto é primordial que entendamos para onde estamos caminhando e por que voltaremos às ruas no dia 31 de julho.

Naturalmente que a pauta número 1 é a de confirmarmos aos senadores que o anseio popular não se modificou e que, como antes, continuamos resolutos e inabaláveis na confiança de que não há outro caminho além daquele que expulsa definitivamente Dilma e o PT do centro de decisões. Junto a isso, e não menos importante, o apoio à Lava-Jato, a mani pulite brasileira, que precisa continuar passando o Brasil a limpo.

Mas também, por compreendermos que o impeachment é só o primeiro passo em uma guerra de toda uma vida, não se pode ignorar aonde nos posicionamos ao chegarmos até aqui. Realizar as maiores manifestações políticas da história do Brasil, quebrando o monopólio da esquerda nas ruas, deu-nos, em um setor fundamental, o domínio do meio-de-campo, ou do centro do tabuleiro, que eles insistirão em resistir ceder ao promover, ainda que minguados, atos contra Michel Temer.

Nossa responsabilidade no dia 31 do próximo mês não é apenas a de fechar a tampa do caixão, afastando de vez o fantasma de Dilma que insiste em assombrar nossos sonhos; mas é a de nos mantermos vigilantes e presentes nas ruas, nas galerias legislativas, nos meios decisórios e em todos os espaços públicos que nos forem proporcionados, para que possamos pautar o rumo político de nosso país através de nossos valores e ideais. O engajamento efetivo nestes novos movimentos sociais, ou o comprometimento de se fazer presente em atos ou financiá-los, é o que manterá o espaço tomado e empurrará sobre a classe política as mudanças que clamamos, como se cada um de nós fosse um peão artilheiro em um golaço de Kasparov.


Thomaz Henrique Barbosa

Tenho um punhado de diplomas, ganhei um sem número de prêmios e minha renda mensal é uma pequena fortuna. Nada disso me define ou diz se estou certo. Esqueça os títulos, explore o texto. https://www.facebook.com/thomazhb/.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious //Thomaz Henrique Barbosa