cutucadas dbc

Cutucando uma humanidade repleta de atitudes racionaria, fria e sem pudor

Douglas B.C.

A LITERATURA POPULAR DO ESQUECIDO FOLCLORE BRASILEIRO

A riqueza da literatura brasileira, esquecida e substituída por superproduções hollywoodianas. A origem, a vulgarização e a dissipação das lendas tradicionais. Traídas pela mídia e pela geração atual.


livro o mais assustador do folclore22.jpg Capa do livro "O mais assustador do folclore"- Luciana Garcia

O Brasil é rico, e entre todas suas riquezas existe uma singular formada principalmente na era das explorações territoriais; do pau-brasil, do ouro, da cana de açúcar... Estas explorações trouxeram migrantes de muitas partes do mundo, afim de lucrar com que a terra brasileira era capaz de oferecer.

Estas migrações, trouxeram estórias e lendas que difundiram entre os índios. Muitas delas já estavam enraizadas na cultura indígena e foram ensinadas aos migrantes. Outras se misturaram, e popularizaram-se rapidamente nas fazendas e na civilização da época.

1.jpgFoto Reprodução

As lendas foram passadas por uma sequência de sucessões, ganhando detalhes e formas entre diferentes regiões do país. Contadas oralmente por pessoas mais velhas, que traziam uma grande bagagem de experiência de vida. Os contos eram ditos aos mais jovens sempre com uma moral exemplificada, desafiando-os a fazer as melhores escolhas que o destino poderia lhes proporcionar. Formando seus heróis e vilões imagináveis, ditas numa fantasiosa conversa em uma roda de família e amigos. Formando a literatura oral brasileira, o Folclore.

Folclore é o conjunto de tradições e manifestações populares constituído por lendas, mitos, provérbios, danças e costumes que são passados de geração em geração. A palavra tem origem no inglês, em que "folklore" significa sabedoria popular. A palavra é formada pela junção de folk (povo) e lore (sabedoria ou conhecimento).

Esta literatura oral sobreviveu por gerações. Entre os públicos ouvintes, surgiu o interesse profundo de um autor brasileiro paulista chamado Monteiro Lobato. José Bento Renato Monteiro Lobato (1882-1948) nasceu em Taubaté, São Paulo, no dia 18 de abril de 1882. Filho de José Bento Marcondes Lobato e Olímpia Monteiro Lobato. Alfabetizado pela mãe, logo despertou o gosto pela leitura, lendo todos os livros infantis da biblioteca de seu avô o Visconde de Tremembé. Fez o curso secundário em Taubaté e com 13 anos foi estudar em São Paulo, no Instituto de Ciências e Letras, se preparando para a faculdade de Direito.

Monteiro Lobato (1882-1948). Maior escritor infantil do Brasil. Além dos famosos personagens do Sítio do Pi.jpgMonteiro Lobato (1882-1948). Foto reprodução

Sua tentativa de apresentar um Brasil desconhecido por muitos, não foi em vão. Monteiro Lobato valorizava muito a cultura regional e era fascinado por histórias e costumes. Contava histórias com muita destreza e não foi a toa que tornou-se o primeiro autor da literatura infantil no Brasil. Foi também um extraordinário contador de histórias e de casos interessantes. Criou personagens que ficaram marcados na infância de muitos dos que são adultos hoje, como: a boneca Emília, Pedrinho, Narizinho, Dona Benta, Tia Anastácia, o sabugo de milho Visconde de Sabugosa e o porco Rabicó. Todos eles inseridos no contexto do Sítio do Pica-pau Amarelo, um lugar simples em sua própria magia. Aos poucos neste Sítio Mágico, Monteiro Lobato inseriu lendas folclóricas de muito valor como: O Saci Pererê, a Cuca, a Mula Sem Cabeça, a sereia Yara entre muitos outros. Por meio das suas obras também ajudou a propagar lendas e mitos do Brasil. Estória que virou seriado de muito sucesso nos anos 70. Deixando muitas crianças, jovens e adolescentes informados sobre um pouquinho mais de nossos heróis e vilões. Formando outros apaixonados pelos personagens folclóricos.

sitio-do-picapau-amarelo-272.jpgFoto reprodução

Ziraldo Alves Pinto nasceu no dia 24 de outubro de 1932, em Caratinga, Minas Gerais. Começou sua carreira nos anos 50 em jornais e revistas de expressão, como Jornal do Brasil, O Cruzeiro, Folha de Minas, etc. Além de pintor, é cartazista, jornalista, teatrólogo, chargista, caricaturista, escritor e fã declarado de Monteiro Lobato. É o segundo escritor a vulgarizar os personagens folclóricos, porém de um modo mais dinâmico e atrativo aos olhos infantis.

ziraldo.jpgZiraldo Alves Pinto. Foto reprodução

A fama começou a vir nos anos 60, com o lançamento da primeira revista em quadrinhos brasileira feita por um só autor: A Turma do Pererê. Surgiu então outro autor preocupado em preservar e dar continuidade aos fascinantes contos de nossa literatura popular brasileira através dos quadrinhos. Atendendo a todos os públicos leitores. Trabalhando com personagens bastante comuns e criando outros que foram muito bem aceitos pelo público infantil como: O menino Maluquinho, Super Mãe e outros agregados a Turma do Saci Pererê, Tuiuiú e Boneca de Piche, o índio Tininin, além de conduzir animais típicos de nosso país ao enredo das estórias. Enriquecendo ainda mais o conhecimento das crianças sobre nossa fauna, cultura, costume e valores.

ilustra.gifFoto reprodução

É perceptível como o público brasileiro está embevecido pelas superproduções hollywoodianas, tanto que esqueceram-se de incentivar, o gosto e a espiritualidade de heróis e vilões brasileiros às crianças. As lendas são muitas e a cada história contada ou lida, o ouvinte ou leitor, pode ficar cada vez mais curioso para entender e redescobrir os mistérios deixados por nossos antepassados. Estes esquecidos que valem uma atenção especial para a dramaturgia.

Faz-se muito bem deixar claro, que Monteiro Lobato e Ziraldo fizeram um belíssimo trabalho ao amenizar as lendas para interagir com as crianças. Porém, as lendas não são tão bonitinhas assim. Monteiro Lobato, mesmo com a suavização de alguns destes personagens no Sítio do Pica Pau Amarelo, ainda escreveu alguns contos com uma dose moderada de terror e suspense.

"XXV – O PINGO D'ÁGUA

A cólera da Cuca foi medonha. Deu um urro de ouvir-se a dez léguas dali, tamanho e tão horrendo que por um triz Pedrinho não disparou na corrida. E outro urro, e outro, e mais de cem.

— Berre, demônio! — gritou o saci. — Berre até rebentar. Pingo d’água não tem ouvidos, nem tem pressa. Esse que botei pingando nessa horrenda caraça vai divertir-se em pingar no mesmo lugarzinho por cem anos, se for preciso. Sei que Cuca é bicho duro, mas quero ver se pode com um pingo d’água que não tem pressa nenhuma, nem tem outra coisa a fazer na vida senão pingar, pingar, pingar…

A dor que a queda de um pingo atrás do outro já estava causando nos miolos da bruxa começava a crescer ponto por ponto. Cada novo pingo era um ponto mais de dor. Naquele andar ela não suportaria o suplício nem um mês, quanto mais os cem anos com que a ameaçara o saci.

— Parem com esse pingo d’água! — berrou a bruxa.

O saci deu uma risada de escárnio.

— Parar? Tinha graça! Se estamos apenas começando, como quer você que paremos? Já arrumei tudo, de modo que o pingo pingue durante cem anos, e se não for suficiente, arranjarei as coisas de modo que depois desses cem anos pingue outros cem. Duzentos anos de pingo na testa parece-me uma boa conta, não acha?

A Cuca ainda urrou como cem mil onças feridas, e espumou de cólera, e ameaçou céus e terras. Por fim viu que estava fazendo papel de boba, pois havia encontrado afinal um adversário mais inteligente do que ela; e disse:

— Parem com este pingo que já está me pondo louca! Tenham dó duma pobre velha…

— Pobre velha! A coitadinha… Quem não a conhece que a compre, bruxa duma figa! Só pararemos com a água se você nos contar o que fez de Narizinho.

— Hum! — exclamou a bruxa, percebendo afinal a causa de tudo aquilo. — Já sei…

— Pois se sabe, desembuche. Do contrário, a sua sina está escrita; há de morrer no maior suplício que existe. E nada de tentar enganar-nos. É ir dizendo onde está a menina, o mais depressa possível.

— Farei o que quiserem, mas primeiro hão de desviar de minha testa este maldito pingo que me está deixando louca.

— Assim será feito — disse o saci trepando de novo às estalactites e desviando o fiozinho d’água para um lado.

A Cuca deu um suspiro de alívio. Tomou fôlego, descansou um bocado; depois disse:

— Encantei essa menina que vocês procuram, mas só poderei romper o encanto se vocês me trouxerem um fio de cabelo da Iara. Sem isso é impossível.

— Não seja essa a dúvida — respondeu o saci. — Iremos buscar o fio de cabelo da Iara. Mas, se ao voltarmos, você não quebrar o encanto, juro que deixarei o pingo a pingar nessa testa horrenda, não cem anos, mas cem mil anos, está ouvindo?

E dizendo isto, tomou Pedrinho pela mão e retirou-se com ele da caverna.

XXVI – A IARA

— Vamos à cachoeira onde mora a Iara — disse. — Essa rainha das águas costuma aparecer sobre as pedras nas noites de lua. É muito possível que possamos surpreendê-la a pentear os seus lindos cabelos verdes com o pente de ouro que usa.

— Dizem que é criatura muito perigosa — murmurou Pedrinho.

— Perigosíssima — declarou o saci. — Todo cuidado é pouco. A beleza da Iara dói tanto na vista dos homens que os cega e os puxa para o fundo d’água. A Iara tem a mesma beleza venenosa das sereias. Você vai fazer tudo direitinho como eu mandar. Do contrário, era uma vez o neto de Dona Benta!…

Pedrinho prometeu obedecer cegamente. Andaram, andaram, andaram. Por fim chegaram a uma grande cachoeira cujo ruído já vinham ouvindo de longe.

— É ali — disse o perneta, apontando. — É ali que ela costuma vir pentear-se ao luar. Mas você não pode vê-la. Tem de ficar bem quietinho, escondido aqui atrás desta pedra e sem licença de pôr os olhos na Iara. Se não fizer assim, há de arrepender-se amargamente. O menos que poderá acontecer é ficar cego.

Pedrinho prometeu, e de medo de não cumprir o prometido foi logo tapando os olhos com as mãos.

O saci partiu, saltando de pedra em pedra, para logo desaparecer por entre as moitas de samambaias e begônias silvestres.

Vendo-se só, Pedrinho arrependeu-se de haver prometido conservar-se de olhos fechados. Já tinha visto o Lobisomem, o Caipora, o Curupira, a Cuca. Por que não havia de ver a Iara também? O que diziam do poder fatal dos seus encantos certamente que era exagero. Além disso, poderia usar um recurso: espiar com um olho só. O gosto de contar a toda gente que tinha visto a famosa Iara valia bem um olho.

Assim pensando, e não podendo por mais tempo resistir à tentação, fez como o saci: foi pulando de pedra em pedra, seguindo o mesmo caminho por ele seguido.

Súbito, estacou, como fulminado pelo raio. Ao galgar uma pedra mais alta do que as outras, viu, a cinqüenta metros de distância, uma ninfa de deslumbrante beleza, em repouso numa pedra verde de limo, a pentear com um pente de ouro os longos cabelos verdes cor do mar. Mirava-se no espelho das águas, que naquele ponto formavam uma bacia de superfície parada. Em torno dela centenas de vaga-lumes descreviam círculos no ar; eram a coroa viva da rainha das águas. Jóia bela assim, pensou Pedrinho, nenhuma rainha da terra jamais possuiu. A tonteira que a vista da Iara causa nos mortais tomou conta dele. Esqueceu até do seu plano de olhar com um olho só. Olhava com os dois, arregaladíssimos, e cem olhos que tivesse, com todos os cem olharia.

Enquanto isso, ia o saci se aproximando da Mãe-d’Água, cautelosamente, com infinitos de astúcia para que ela nada percebesse. Quando chegou a poucos metros de distância, deu um pulo de gato e nhoque! Furtou-lhe um fio de cabelo.

O susto da Iara foi grande. Desferiu um grito e precipitou-se nas águas, desaparecendo.

O saci não esperou por mais. Com espantosa agilidade de macaco, aos pinotes, saltando as pedras de duas em duas, de três em três, num momento se achou no ponto onde Pedrinho, ainda no deslumbramento da beleza, jazia de olhos arregalados, imóvel, feito uma estátua.

— Louco! — exclamou o saci, lançando-se a ele e esfregando-lhe nos olhos um punhado de folhas colhidas no momento.

— Não fosse o acaso ter posto aqui ao meu alcance esta planta maravilhosa e você estaria perdido para sempre. Louco, dez vezes louco, louquíssimo que você é, Pedrinho! Por que me desobedeceu?

— Não pude resistir — respondeu o menino logo que a fala lhe voltou. — Era tão linda, tão linda, tão linda, que me considerei feliz de perder até os dois olhos em troca do encantamento de contemplá-la por uns segundos.

— Pois saiba que cometeu uma grande falta. Não devia pensar unicamente em si, mas também na pobre Dona Benta, que é tão boa, e na sua mãe e em Narizinho. Eu, apesar de um simples saci, tenho melhor cabeça do que você, pelo que estou vendo…

Aquelas palavras calaram no menino, que nada teve a dizer, achando que realmente o saci tinha toda razão.

— Bem — continuou o duendezinho — agora que o perigo já passou, tratemos de voltar à caverna da Cuca. E depressa, antes que amanheça. Lembre-se que prometemos a Dona Benta estar no sítio com a menina sumida logo ao romper da manhã." ____________

continua… XXVII – Na caverna da Cuca; XXV – Desencantamento

Fonte: LOBATO, Monteiro. Viagem ao Céu & O Saci. Col. O Sítio do Picapau Amarelo vol. II. Digitalização e Revisão: Arlindo_As

Algumas lendas se repetiram e resumiram-se tanto que hoje não são conhecidas como suas origens, como é o caso da Mula Sem Cabeça: descrevem-na hoje uma Mula alta, sem cabeça, que flameja fogo por seu pescoço. Não especifica a origem, tampouco mostra-se uma estória interessante contada assim. A verdadeira lenda diz que a Mula sem Cabeça foi uma maldição lançada há uma garota que se envolveu com um padre. Um amor proibido que aconteceu por alguns instantes, esta jovem foi amaldiçoada a galopar incessantemente por sete cidades, comendo os olhos e unhas de homens bons e maldosos, que não fizesse separação de raça ou cor e tuas narinas queimassem em fogo ardente. A fumaça causada pelo fogo das narinas cobriam sua cabeça desde a crina, mesmo quando estava a galope o que, com a ajuda do medo, entendessem que ela não tivesse cabeça. A maldição só acabaria, quando um corajoso rapaz tirasse seus freios.

5c5093b82d9463361cb66e41a576e06a.jpgFoto reprodução

Estas são informações mínimas, perto do conhecimento que o Folclore tem a oferecer. É necessário que, tanto as escolas quanto a mídia, ajudem a resgatar o que ainda temos de original. A literatura do Folclore Brasileiro. | Por Douglas BC (31/08/2015)

Fontes: http://redes.moderna.com.br/2012/08/22/o-folclore-na-obra-de-monteiro-lobato/ http://www.educacional.com.br/ziraldo/biografia/bio.asp LOBATO, Monteiro. Viagem ao Céu & O Saci. Col. O Sítio do Picapau Amarelo vol. II.


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 15/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Douglas B.C.