das travessias limiar em profundidade

Psicologia, Filosofia e Arte.

Maria Fernanda Carvalho

Carioca e psicóloga, interessada em literatura, filosofia e outros ramos da arte e da cultura, criando uma malha de conexões entre esses meios. Apaixonada por Bob Dylan, Machado de Assis, Fernando Pessoa, Clarice Lispector, cinema e seus três gatos boêmios. Lido com metáforas.

M. Night Shyamalan entre herói e vilão

Split e Unbreakable. Herói ou Vilão? Personagens arquetípicos, que configuram modos de ação onde o espectador pode ver-se espelhado e, influenciar os rumos da trama. Heróis que seduzem e repelem, com o único objetivo de vencer. Diante de um pequeno revés deixam transparecer seu lado de vilões que escondem suas reais identidades como estratégia de jogo, ou seja, uma miscelânea de emoções e atitudes que alicia os espectadores a fazer parte deste “show da vida” que explora as mais variadas experiências e tropeços aos quais todo ser humano está vulnerável, independente da raça, cultura ou padrão social.


19396978_10213476020645260_1806060547045534333_n.jpg

O diretor e produtor M. Night Shyamalan é um dos diretores que mais gosto. Alguns dos seus filmes fizeram total diferença no estudo da sétima arte como O sexto sentido, Sinais, O Ultimo mestre do ar, A Vila, A dama da água, O pequeno Stuart Little.

Revi Split e Unbreakable (Corpo fechado), porque os dois filmes fazem um intercâmbio, ou seja, eles se conectam em suas narrativas para um terceiro filme.

split_clip_patricia.jpg

Em 2019 ele volta para adaptar a esses dois filmes numa trilogia, com o filme Glass e criar assim seus vilões e heróis em uma aposta no ser humano com a fantasia da sua narrativa, ou seja, ele vai buscar no seu vilão um ser humano patológico e traçar uma personalidade irracional e primitiva e quanto ao herói busca o bom moço de família imperfeitinho com pitadas de boa malícia.

Classicos-modernos-3-02.jpg

Vale a pena curtir Shyamalan e ir com ele em sua direção, porque se for pensar, mas pensar mesmo, não saímos da mesmice com os heróis da Marvel e da DC. E é bom demais entregar-se aos seus caprichos. (risos)

mnight2.jpg


Maria Fernanda Carvalho

Carioca e psicóloga, interessada em literatura, filosofia e outros ramos da arte e da cultura, criando uma malha de conexões entre esses meios. Apaixonada por Bob Dylan, Machado de Assis, Fernando Pessoa, Clarice Lispector, cinema e seus três gatos boêmios. Lido com metáforas. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Maria Fernanda Carvalho
Site Meter