de frente para a tela

Num filme o que importa não é a realidade, mas o que dela possa extrair a imaginação.

Eva Camargo

Estudante de medicina veterinária, com aspiração a super heroína e disfarce de escritora. Uma completa bagunça, que teima em dizer que não quer ser arrumada. Ama o mar, livros, animais, dias chuvosos e vive em busca de uma liberdade que ela diz existir.

Enquanto as máquinas revolucionavam lá fora, The Tramp revolucionava dentro das telonas

O período de Revolução Industrial foi marcado por inúmeros avanços tecnológicos e econômicos na sociedade e “The Tramp”, conseguiu trazer as telonas uma critica maciça da realidade vivida nas ruas e o custo que foi pago pelas pessoas por esses avanços. Charles Chaplin com sua irreverência e humor mudo, da vida mais uma vez a seu personagem mais marcante e “The Tramp” dentro do filme Tempos Modernos baila numa coreografia carregada de criticas e alfinetas.


chaplin-not.jpg

Entre o século XVIII e XIX ocorreu um período datado na história como “Revolução Industrial”, este em questão é marcado por grandes evoluções no campo da engenharia, mecânica, ciência e até social. Contudo, uma revolução cinematográfica também ocorria, o exímio cineasta e ator (e inúmeros outros talentos como autor, dançarino, cantor, compositor, músico e alguns mais) Charles Chaplin, vivia seu famoso personagem marcante do cinema mudo The Tramp ou ”Carlitos” ou mesmo “O Vagabundo”, como ficou conhecido no Brasil, no filme em preto e branco “Tempos Modernos”. O filme retrata a realidade do proletariado na época da revolução industrial, assim já no começo da história vemos Carlitos trabalhando numa empresa cheia de maquinários e geringonças tecnológicas, onde trabalha a nível escravo.

A revolução industrial teve seu inicio na Inglaterra, afinal era um país de burguesia rica, tinha grande facilidade de expansão marítima, assim dando viés para o comércio exterior e neste período ocorreu o êxodo rural, ou seja, as pessoas mudam-se dos campos para as cidades, consequentemente elas precisavam de algo para sustentar-se já que antes disso a população levava uma vida simples e artesanal, produziam o necessário para seu próprio consumo no campo. Ocorre então, que tanto homens, mulheres e até crianças começam a trabalhar nas empresas, com turnos de 12 a 18 horas por dia. Chaplin demonstra sua critica ao mostrar, por exemplo, o horário de descanso de Carlitos que não passa de 15 minutos e já tem de voltar ao trabalho, ou mesmo a ideia de usar uma máquina em que serve o almoço para os operários para que eles possam trabalhar e comer ao mesmo tempo.

O trabalho era tão exaustivo que Carlitos fica louco, as cenas são até cômicas em que ele repete inúmeras vezes os movimentos do trabalho em pessoas, como no seu vizinho de esteira ou mesmo na roupa da secretária do seu chefe. Depois de fazer um estardalhaço, ele é demitido e levado para um sanatório.

Há outras criticas impressa, quando o personagem de Chaplin após sair do sanatório é tido como líder de uma manifestação contra o capitalismo e vai preso, ou então quando sai da prisão e fica sem emprego, pois na fábrica em que trabalhava os homens haviam sido substituídos por máquinas, e essas cenas denotam a insatisfação da prole com o governo da época e o começo da troca de empregados por máquinas, gerando o desemprego em massa, respectivamente. Enfim, o filme é repleto de delicadas agulhadas no sistema, formando uma rede de retalhos de situações crise na sociedade.

Numa época de puramente crescimento econômico, os burgueses nesse período diziam que o fator social também era almejado com grande importância, pois agora se davam mais oportunidades para os homens e mulheres de crescimento econômico, afinal ganhavam remunerações e os avanços tecnológicos eram bons agouros de melhora na qualidade de vida, mas ninguém falava na questão das duras cargas horárias e salários baixos. Quando as pessoas saíram do campo e foram para a cidade, ficavam em moradias sub-humanas em casebres em pontos mais afastados da sociedade rica das cidades. Quando as máquinas começaram a fazer o trabalho dos homens, surgiu outro problema ainda mais agravador: desemprego. O desemprego elevou o nível de pobreza, marginalidade e mortes, doenças se alastravam e revoluções de pessoas insatisfeitas estouravam a todo pano.

Chaplin soube expressar todos esses pontos com grande elegância. Se analisado cada elemento de cena, cenário e personagem, podemos ver um caráter a ser considerado do que a sociedade refletia. Com grande maestria esse “pai do cinema antigo”, soube retratar num filme uma verdadeira visão cotidiana sem perder a magia do cinema. Ele não ganhou muitos prêmios por seus estrelatos, pois certa vez disse que usaria a estatueta do Oscar para encosto de porta, seu único objetivo era pura e simplesmente dar asas a realidade nas telonas. The Tramp dançou pelas ruas da sociedade, com seu chapéu coco e sua bengalinha, apontando erros e fazendo criticas eternizando seu talento pelos anos. Ainda hoje o filme Tempos Modernos, e outros filmes que também trazem duras criticas, são referencias na área cinematográfica.


Eva Camargo

Estudante de medicina veterinária, com aspiração a super heroína e disfarce de escritora. Uma completa bagunça, que teima em dizer que não quer ser arrumada. Ama o mar, livros, animais, dias chuvosos e vive em busca de uma liberdade que ela diz existir..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @obvious //Eva Camargo