dênis athanázio...

Textos, poemas reflexões e boa conversa.

textos, poemas, reflexões e boa conversa

Psicólogo, palestrante, terapeuta de família e casal. Gosto de futebol e de

“arranhar” minha guitarra. Escrevo primeiramente para me ajudar e quem sabe, talvez,

ajudar outras pessoas. Escrevo aqui no Obvious e semanalmente no meu blog

denisathanazio.wordpress.com

Poliana e a rua dos cegos


Talvez ela devesse se mudar dali, conquistar sua liberdade, mas não tinha para onde ir. Pensou em morar na rua, talvez pudesse ser um lugar melhor do que o inferno que estava vivendo...


cc.jpg

A rua toda sempre soube da história conturbada do casal. “O Caio é muito gente boa, é trabalhador, mas gosta de dar uns tapas na mulher”. Com o tempo a coisa foi se agravando, as brigas aumentaram, e os gritos enraivecidos de Caio e de sua esposa Poliana eram escutados por toda a vizinhança.

Certo dia, que de certo não tinha nada, a pancadaria começou de novo. Os gritos estridentes de Poliana reverberavam por toda a rua. Duas vizinhas que voltavam do mercadinho ouviram os gritos de socorro e friamente comentaram entre si: “Quase todo dia é essa patifaria”. “O povo fala que ela não gosta de dar pra ele, deve dar para outros por aí”, e a outra responde, “Eu acho que ela gosta de apanhar, não é possível, por que ela não vai embora então?” “Eu já tenho meus problemas e não vou arrumar mais um pra minha cabeça não”, e seguiram em frente.

Um pouco mais a frente da casa se avistava um bar, um dos mais antigos da cidade. Sentados em uma mesa na calçada, três homens bebendo cerveja dialogam entre si: “Vixe, é o Caio batendo na mina dele de novo”, e o outro rapaz continuou: “Cara, sobre esse negócio de bater, já falei com o Caião que isso pode dar cadeia, só não cagueto porque ele é parceiro”, “mas vai saber também que tipo de mina ela é, né?” “Uma vez ele me disse que ela é preguiçosa e não cuida das coisas de casa”.

De repente, ouviu-se de Caio dolorosas frases misturadas com o choro de Poliana: “Você é um lixo, uma vagabunda e não vale o que come, sem mim você não é nada!”. Nesse instante, na calçada dessa casa que nem de longe é um lar, passa uma mãe de mãos dadas com o filho pequeno. A criança começa a chorar, fica assustada com o barulho e com a agressividade sentida, sendo imediatamente abraçada pela mãe, que logo diz a ele: “Filho, aprenda uma lição para a sua vida toda: em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”. “O que quer dizer isso, mãe?” pergunta o menino. “Que quando um casal está brigando, não devemos fazer nada”, responde ela.

Alguns adolescentes, ao ouvirem o som daquele “filme de terror”, imediatamente abandonam o futebol na rua, e com a cara colada no portão dos vizinhos em pé de guerra, tentam filmar com o celular alguma parte da briga para postar no youtube, para ver se renderia muitos acessos. “Vai que viraliza e ficamos famosos, né”? “Ficaríamos ricos e pegaríamos várias mulheres” complementa o outro.

Lá, quase no fim da rua, ao perceber o que estava acontecendo dentro daquela casa, uma senhorinha que sempre catava papelão no bairro, encosta seu pesado carrinho e desesperadamente entra na igreja durante a missa e chama o padre de canto: “Padre, pelo amor de Deus, faz alguma coisa, o homem vai quebrar a mulher todinha dentro de casa!” O padre responde a ela que já conhecia o histórico do casal e que depois faria uma visita, e prometeu que rezaria por eles ainda naquela missa, mas no momento não poderia, pois precisava terminar a celebração.

A senhorinha sai da igreja desconsolada, talvez por ser a única que enxergava alguma coisa naquela rua, quando avista Poliana correndo com a perna sangrando, deixando um rastro pelo chão. Poliana havia conseguido pular o portão mesmo se machucando nas lanças superiores dele. Ela corre o mais rápido que pode, mas parece que o tempo está andando em câmera lenta. Ela avista a rua toda, a igreja, os meninos que estavam jogando bola, as vizinhas, os homens tomando cerveja, a mãe com o filho e percebe que tinha tanta gente ali naquela rua desgraçada, rua de cegos, rua de gente indiferente.

Poliana corre muito e quando se dá conta, já está bem longe de sua casa, inclusive, se viu em uma rua desconhecida, de outro bairro. Ela, sem fôlego e ainda assustada, senta e encosta atrás de uma caçamba que ficava ao lado de um ferro velho. De repente, de dentro do ferro velho, uma cachorra vira-lata não muito grande, com um andar lento e desconjuntado, começa a se aproximar dela em um silêncio anormal para um cachorro. Poliana não tem mais força para correr e se entrega e aguarda o pior. A vira-lata não ataca, fica por um tempo imóvel na frente de Poliana, olha para ela como se entendesse o que estava se passando, como se conhecesse sua dor. A cadela então se move em direção a sua perna, lambe incontáveis vezes o sangue da sua ferida aberta até estancá-la. Em seguida, sem um latido sequer, ela deita ao lado dela como se Poliana sempre fosse sua dona a quem era incumbida de protegê-la.

Poliana recobrando o fôlego, olhou para seu corpo, revisitou seus hematomas e feridas da alma e pensou que talvez houvesse mais humanidade na cachorra do que nas pessoas de sua rua. Em vários momentos de sua vida desejou a morte daquele agressor que não era um homem de verdade, mas naquele momento percebeu que existiam muitos outros doentes do que apenas o “infeliz” que morava com ela. Poliana não poderia matar ou se defender de tanta gente assim. Ela se sentia fraca e deprimida. O mundo estava cego, refletiu ela, ou talvez fosse loucura da sua própria cabeça como seu marido diariamente “lhe lembrava” aos berros.

Talvez ela devesse se mudar dali, conquistar sua liberdade, mas não tinha para onde ir. Pensou em morar na rua, talvez pudesse ser um lugar melhor do que o inferno que estava vivendo. Poliana se levanta, aos poucos recupera as suas energias e começa a andar ainda mancando, sem rumo e sem plano. Ao caminhar sente que está sendo seguida. Assustada e por instinto de sobrevivência, ela olha abruptamente para trás, era a vira-lata humana que seguia seus passos. Poliana se abaixa com dificuldade, coloca a cachorra no colo e continua a sua jornada. Acariciando a cabeça da sua nova aliada, Poliana diz carinhosamente “amiguinha, você precisa de um nome, acho que vou te chamar de Esperança”.

• A cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil.

• 7 mulheres são mortas por dia no Brasil vítimas de violência doméstica.

• No país, 1 em cada 3 mulheres sofrem algum tipo de violência, mas apenas 6% denunciam. 61% dos agressores são pessoas conhecidas, 19% companheiros, 16% ex-companheiros.

• 51% dos brasileiros viram mulheres sendo abordadas de forma desrespeitosas.

• 66% dos brasileiros presenciaram uma mulher sendo agredida fisicamente ou verbalmente.

• 73% dos brasileiros acreditam que a violência contra as mulheres aumentou nos últimos 10 anos.


textos, poemas, reflexões e boa conversa

Psicólogo, palestrante, terapeuta de família e casal. Gosto de futebol e de “arranhar” minha guitarra. Escrevo primeiramente para me ajudar e quem sabe, talvez, ajudar outras pessoas. Escrevo aqui no Obvious e semanalmente no meu blog denisathanazio.wordpress.com.
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/sociedade// //textos, poemas, reflexões e boa conversa