desconstruindo tati

Tudo é e não é.

Tatiana Nicz

Apenas uma garota em processo de des(re)construção.

  • anne-with-an-e.jpg
    Anne with an "E", defletindo para sobreviver

    “Deflexão é uma manobra para evitar o contato direto com outra pessoa ou conflito; uma forma de tirar o calor do contato real. Isso é feito ao se falar em rodeios, usar linguagem excessiva, rir-se do que a outra pessoa diz, desviar o olhar de quem fala, ser subjetivo em vez de específico, não ir direto ao ponto, ser polido em vez de falar diretamente, usar linguagem estereotipada em vez de uma fala original, exprimir emoções brandas em vez das emoções intensas; falar sobre o passado quando o presente é mais relevante. A pessoa que deflete, ao responder à outra age quase como se tivesse um escudo invisível, muitas vezes experiencia a si mesma como imóvel, entediada, confusa, vazia, cínica, não-amada, sem importância e deslocada.” (Erving e Miriam Polster, 2001).

  • Magrite.jpg
    Crônicas de uma vida anunciada

    “Seja como você é. De maneira que possa ver quem é. Quem é e como é. Deixe por um momento o que deve fazer e descubra o que realmente faz. Arrisque um pouco, se puder. Sinta seus próprios sentimentos. Diga suas próprias palavras. Pense seus próprios pensamentos. Seja seu próprio ser. Descubra. Deixe que o plano pra você surja de dentro de você.” Fritz Perls

  • perguntas-coaching.jpg
    Viva as perguntas

    A Gestalt-terapia é uma abordagem da Psicologia pouco conhecida, porém fascinante. Não somente por ser atual, mas muito por sua simplicidade. Fritz Perls, um de seus pensadores, criticava os processos de racionalização e intelectualização nos quais tentamos (em vão) explicar eventos psicológicos. Para ele, a grande maioria das nossas vivências mais marcantes não carecem de uma explicação lógica, elas apenas precisam ser sentidas.

  • Thumbnail image for da coragem de partir
    Da coragem de partir

    “Quanto mais a sociedade exige que o indivíduo corresponda aos seus conceitos e ideias, menos eficientemente ele consegue funcionar” Fritz Perls

    É preciso coragem para partir antes que nos partam, para seguir quando o outro traz à tona apenas o pior de nós, quando a alma está cansada de adequar-se, de tudo suportar. Não, o amor verdadeiro não é incondicional nem tudo tolera. Amor também é feito de limites.

  • 452a6a5330bd7ef5fe7bbb258dfb4044.jpg
    Da coragem de permanecer

    Na liquidez que escorre entre os dedos e os medos daqueles que escolhem partir, a grandeza dos relacionamentos transborda nos corações de quem tem gana e coragem, dos que fazem questão, que celebram os encontros e desencontros, que se colocam disponíveis, se fazem presentes, entram em contato e, apesar de tudo, por causa de tudo, permanecem.

  • tumblr_lphq473qnU1qa2txho1_500_large.jpg
    Nossas memórias são traiçoeiras

    Nossas memórias são traiçoeiras, elas não são acuradas, verdadeiras, elas são nada mais que nossa versão editada do que foi.
    Por mais importante que seja revisitar nosso passado para entender de onde viemos, o que ajuda mesmo é entender como essas memórias perdidas e os traumas não solucionados no passado se manifestam em nosso dia-a-dia.
    Entenda, a verdadeira possibilidade de mudança está mesmo no presente.

  • tumblr_static_tumblr_static_a3e92wp0ti8gcgwok4scs804s_640.jpg
    Repara bem no que não digo

    O mundo não precisa do barulho da nossa ira e indignação, o mundo não precisa saber tudo o que pensamos, que nos empenhemos em desprender tanta energia em explicar o óbvio. O mundo não precisa de nossos textões e lições de moral. O que o mundo precisa é de falas mais presentes e assertivas, é de verdades construtivas. O que o mundo precisa é de mais gente que sabe quando é hora de calar, o que o mundo precisa é de silêncio.

  • tumblr_static_ckg8n1atbls008wwokgccwkc0.jpg
    Notas sobre o desapego

    Tanto se fala sobre a importância de praticar o desapego, eu tenho para mim que desapego é desapego de coisas materiais sim, ou melhor, também. Mas, existe outro lado importante sobre o ato de desapegar que me interessa mais e é preciso saber reconhecê-lo. Desapego é a grande expressão de escolhas feitas com atenção, cuidado, amor e dor. Porque se desapegar não te faz sangrar, não é desapego, é descarte.
    Quem deixa ir engrandece o mundo.

  • dadadad1.jpg
    A mudança é constante

    É preciso mudar, porque na mesmice não existe crescimento, porque ter disponibilidade emocional para viver o acaso e a impermanência da vida é algo extremamente engrandecedor. Mudar, para entender que o que vivemos no passado é importante para nós, para entender que o que vivemos no passado não foi tão importante assim; para ressignificar nossas memórias mais tristes, para fazer novas memórias. É preciso mudar, porque a única constante na vida é a mudança.

  • arya-large_trans++eo_i_u9APj8RuoebjoAHt0k9u7HhRJvuo-ZLenGRumA.jpg
    Perca a razão, recupere os sentidos

    Game of Thrones fascina e traz muito dos conceitos da Gestalt-terapia. A verdade é mostrada sem piedade, como ela é. Cada episódio nos lembra da máxima gestáltica: a vida não é violino e rosas. A justiça é cega, é falha, é unilateral, é relativa, é humana, é desumana. Não há mocinho ou vilão. Perca a razão. A vida não nos devolve com razão ou sentido, ela é apenas feita de escolhas que levam a escolhas que levam a escolhas que levam a escolhas. E na falta do sentido transborda o melhor de nós: nossas sensações e sentimentos. Recupere os sentidos.

  • post-kundera-header.jpg
    A insustentável leveza de ser

    A vida não é violino e rosas. Viver é pesado. A vida é complicada, bagunçada, complexa nas mais inconcebíveis proporções. Dinâmica. Assim como escreveu Kundera, não existe leveza onde há profundidade de alma, de sentimentos, de experiências. Resta saber o que escolher então, o peso ou a leveza?

  • cropped-cropped-creationofman1.jpg
    Um bom encontro é de dois

    Dentre as necessidades primordiais do ser humano encontra-se a necessidade de pertencimento. E é só através do contato que sentimos que pertencemos, ele é o sangue vital para o crescimento, o único meio de mudar a si mesmo e a experiência que se tem do mundo.
    Fritz Perls certa vez disse: “Eu sou eu, você é você. Se por acaso nos encontrarmos, é lindo. Se não, não há o que fazer”. Um bom encontro é de dois.

  • 830_800-banner-era-vez.png
    Era uma vez...

    Os contos de fadas, as lendas, fábulas e outras formas de histórias da narrativa popular possuem um papel importante na formação, fortalecimento e empoderamento do nosso senso crítico. Dentro da visão da Gestalt-terapia, podemos dizer que elas projetam e espelham situações por nós idealizadas. As histórias também atuam em nossa ânsia por justiça, pois enquanto na vida real nem sempre conseguimos dar fechamentos que consideramos justos para nossos conflitos, isso faz-se possível na fantasia. Mas é bom lembrarmos que, ao contrário dos contos de fadas, na realidade não é o “felizes para sempre” que importa, mas sim o "feliz no aqui e no agora".

  • as vantagens de ser invisível
    As vantagens de ser invisível

    O filme “As vantagens de ser invisível”, baseado em livro homônimo de Stephen Chbosky (em inglês “The perks of being a wallflower”), narra as descobertas e pequenas batalhas diárias de um adolescente que sente-se invisível e anseia por inclusão. Talvez as mensagens mais importantes do filme venham do sentimento de "não pertencimento" e dos questionamentos feitos pelo protagonista, Charlie, sobre aprendizados importantes da vida. O garoto encontra dificuldade em entender por que pessoas tão especiais escolhem amores tão fragmentados. Algumas perguntas surgem através da leitura do filme, talvez a mais essencial seja:
    Por que é preciso perder-se para poder pertencer?

  • Lore
    Lore e a perda dos sentidos

    Quando a vida é uma mentira em quem se pode confiar?

    Com produção e fotografia impecáveis, narrativa lenta e poética, o filme “Lore”, da diretora australiana Cate Shortland, se passa no período pós-guerra e conta a saga de uma garota alemã e seus quatro irmãos pequenos em busca de abrigo e segurança. O mais intrigante nessa narrativa é a confusão de sentimentos em que a jovem se encontra. Lore fica confusa e perde a capacidade de confiar no que sente ao dar-se conta de que sua vida é uma mentira.
    No fim da jornada nota-se que Lore encontra amor, mas não consegue amar; encontra segurança, mas não consegue se sentir segura; encontra alegria, mas não consegue alegrar-se. Porque ela não consegue identificar o que necessita, porque teve sentidos e sentimentos invalidados, porque, assim como muitos de nós, ela perdeu a capacidade de confiar no que sente