desnudando

Ler é uma morfina; escrever é outra.

Caroline Fortunato

A escrita validou-me. Constantemente o faz.

Embaçadíssima: Antologia tirada de uma notícia de jornal

“Estoure uma lata de cerveja, coloque um som e leia por sua conta e risco.”


18700568_1332073256899849_7382654338980261171_o.jpg

“João Gostoso era carregador de feira livre e morava no morro da Babilônia num barracão sem número

Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro

Bebeu

Cantou

Dançou

Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado.”

O poema acima, intitulado Poema tirado de uma notícia de jornal (Libertinagem, 1930), é do poeta brasileiro Manuel Bandeira. Baseado nele e, a fim de homenagear o autor, o escritor contemporâneo Felippe Regazio (idealizador da também coletânea independente Gengibre) organizou a antologia Embaçadíssima (paródia de Ilustríssima, do jornal Folha de São Paulo), que reúne cerca de 40 autores do Brasil, Portugal e Estados Unidos, cujos contos e poemas foram inspirados por determinada notícia de um dado jornal, o que confere um caráter crítico, atual e amplo à obra online de 140 páginas.

Sem título.png

Com temas sobre política, violência, transsexualidade, desigualdade social, apropriação cultural, espaço, Síria, aborto, feminismo e gênero, etc., e regidos por fortes opiniões, a coletânea está enraizada em uma nítida qualidade literária, no realismo bem como no contraste das diferentes visões e empatia de cada autor.

Inaugurado pelo conto “Sobre Instalações de Arte, Cineastas e Putarias”, da autora Mia Lopes, e com um acabamento magistral, a antologia é ousada em todo o seu conteúdo e altamente criativa. Dela, é possível extrair muito conhecimento, mas através de uma variedade de sensações, pois em alguns textos ficamos sem fôlego, em outros damos risadas, nos indignamos, nos sensibilizamos...

A Antologia é gratuita e pode ser acessada no seguinte link: https://antologiaembacadissima.wordpress.com/

Sem título2.png Créditos da imagem: Jô Felix


Caroline Fortunato

A escrita validou-me. Constantemente o faz. .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Caroline Fortunato