desnudando

Ler é uma morfina; escrever é outra.

Caroline Fortunato

A escrita validou-me. Constantemente o faz

Um Rap Literário?

Um meio diferente de disseminar Literatura.


hwbdhasbdch.png

As diversas artes não precisam se isolar nos seus respectivos campos de atuação. Elas podem – e devem – se unir, se abraçar e somar as criatividades.

Através dessa premissa eu, como autora, me uni ao João Vitor Fortunato, um aspirante à rapper, e então criamos Plenitude da Insanidade, o primeiro rap literário, baseado no conto de mesmo título do livro “Eu tenho um inferno dentro de mim” (editora Appaloosa Books).

O resultado, de menos de 1 minuto, pode ser conferido a seguir:


Caroline Fortunato

A escrita validou-me. Constantemente o faz.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp //Caroline Fortunato