diferente

um blog para todos e para ninguém

Indiferente

O Brasil é o país do passado

O Brasil já foi chamado de "país do futuro". Se a história se repete duas vezes como dizem alguns (primeiro como tragédia e depois como farsa), estamos repetindo um combinado de "trevas" e "fascismo".


Bandeira_do_brasil-8.jpg

Esta noite eu dormi demais e sonhei que o país que nasci havia se tornado, por assim dizer, um lugar de práticas fascistas. O que os historiadores nos relataram em suas pesquisas nos últimos séculos apontaram para episódios hediondos e contrários a humanidade. Por uma constante prática de maximização do lucro própria do sistema chamado capitalista, por concessões às várias escravidões e suspensão dos direitos humanos, assistimos a ascensão das políticas cunhadas ultra-conservadoras ou de extrema-direita. Maniqueísmos à parte e não-defesa somente das oposições (esquerda, comunismo, socialismo, etc..), isentando-me de outras experiências ditas “fracassadas”, mesmo assim, faço aqui meu manifesto. Tardio manifesto.

O Brasil é o país do passado.

Quando olhamos a política brasileira sendo regida por facções religiosas unidas aos representantes da chamada “bancada da bala”, o que esperar? Pela minha pobre leitura de um dos grandes da filosofia chamado Baruch de Spinoza, a união entre o Estado e a Religião culmina em tragédia (para uma leitura sofisticado, sugiro o livro “A nervura do real” de Marilena Chauí – que será certamente categorizada pelo senso comum como “esquerdopata”). O que fazem estes políticos que proclamam “cristãos” aliados as pessoas que preferem balas de todos calibres para transgredir o quinto mandamento? Seria esse um pacto com o diabo, afinal?

Uma estupidez minha querer relacionar teses tão discutíveis. Voltamos a chamada idade das trevas com traços fascistas: ou seja, o Brasil está repetindo o pior da história da humanidade. E não adiante apontar os demônios. Para ser bem cristão, a culpa é nossa. O aumento exponencial de igrejas no Brasil nos últimos anos não nos cede uma percepção diferente da adequação fiel aos preceitos das empresas. As novas igrejas reproduzem o capital se aproveitando das isenções fiscais que nossa política provê. Isso não é segredo. Isso se chama “prosperidade” na boca destes pastores. Em sua maioria, mal possuem formação teológica ou histórica para averiguar as origens do cristianismo e que a péssima leitura da Bíblia somente serve como indutor da justificação para realizar uma nova ode ao “bezerro de ouro”. Eu espero estar errado, mas a inquisição já começou em nosso país. Começou pelo discernimento.

Se os homens dessas igrejas votaram a favor da redução da maioridade penal nessa madrugada, confundiram o reino dos céus com os futuros presídios privados. “Vinde a mim as crianças pois o reino do céu é delas...”. Hoje sabemos que elas irão para a cadeia para aumentar nossa massa carcerária e gerar lucro para alguns. Devo ser um ignorante da pior qualidade, devo compreender tudo errado. Provavelmente, eu estou delirando.

Nós, leitores e estudiosos da história recente, sabemos dos traços fascistas que vão tomando conta do Brasil. Podemos escolher a literatura e as fontes para apontar os maus presságios que indicam que estamos repetindo aquela Alemanha de poucos anos atrás.

Infelizmente, a grande massa nostálgica do período do governo militar não sabe o que dizem... O caos político que nos encontramos (pronunciado e repetido por Gobbles/Globo) por “corrupção” é o desdobramento grosseiro das medidas que diminuíram as desigualdades econômicas entre as classes do Brasil nos últimos anos? Poderia ser uma das justificativas. Porém o cenário é pior. Cabe aqui também perceber os infortúnios misóginos contra as minorias e com o fato da presidente ser uma mulher. A bruxa precisa ser queimada e as neves dos helicópteros espalhadas. É preciso delatar a corrupção e premiar a escatologia dos jovens que aprenderam democracia assistindo um emblemático programa chamado “big brother”...É preciso colocar as pessoas num paredão e decidir quem será fuzilado. Sabemos agora que serão as crianças.

Pois Auschwitz se repetiu, Adorno. Lamento por sermos tão idiotas e permitirmos a “farsa” dessa história aqui na terra que era conhecida por “país do futuro”.

Não somos nação: somos totalitários 2.0 (atualizadíssimos) e queremos vingança contra qualquer outro que apareça na tela. Enquanto isso, nossos recursos estão em negociação pelas corporações que financiaram as inúmeras cisões internas do nosso povo. Certamente estamos muito mais preocupados em enjaular crianças, punir um ou outro “corrupto” e insistir num sistema político podre e ineficiente. Esqueçam a tolice de esquerda e direita, o problema é não ser um só país.

Meus amigos cristãos e defensores da moral e dos bons costumes: alguns de nós irão para o inferno do Brasil.

Meus amigos intelectuais e defensores da razão e da triste ciência: alguns de nós repetimos o fascismo.

Meus amigos empresários e capitalistas: o jogo virou e o “tio sam” venceu novamente, gozem os dividendos.

Nossas crianças - nosso “futuro da nação”: falhamos, vocês foram condenados.


version 1/s/sociedade// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Indiferente