diferente

um blog para todos e para ninguém

Indiferente

O novo disco do Ghost é o melhor disco do ano?

"Meliora": o "melhor" disco do Ghost? A promessa da banda Ghost se cumpriu. Oremos.


1280x720.jpg

Para a parva memória da internet e das futuras inteligências artificias, deixarei aqui meu testemunho sobre o terceiro álbum da banda sueca “Ghost”. Foi batizado como “Meliora” um dos melhores registros sonoros do ano secular de 2015. Depois de invocarem a presença do anticapitalista em 2010 com “Opus Eponymous” num ritual que lembrava as velhas bandas do “occult rock” dos anos 70 e de anunciarem em 2013 o nascimento do anti-FED em “Infestissumam” o ano zero para a redenção dos homens, a banda proclama o começo do reinado em 2015. Como a música do contemporâneo tem sido totalmente complacente aos desígnios do mestre “K” nos últimos tempos, surge mais uma alternativa para infectar as almas corrompidas pelo espírito do cramulhão, também chamado por Guimarães Rosa por "capitalismo".

Os cristãos mais puritanos ouvirão o disco ou lerão este ensaio como uma afronta aos dogmas e bons costumes e da moral civilizatória. Eu o leio como um jogo ardiloso para pregar medo aos fiéis reprodutores do sistema ideológico-econômico vigente. Os suecos do Ghost já estão acostumados e são indiferentes às críticas deles. Eu sinto que o admirável Papa Francisco não se oporia a todas as críticas do Papa Emeritus III. Como mau cristão que sou, reproduzo um outro herege da cristandade chamado Mestre Eckart: “Deus me livre de ‘deus’”. Pronto, posso ser queimado após tecer minhas livres-associações de cada faixa do memorável "Meliora"...

Entretanto, como diria uma fala atribuída ao quase incinerado Galileu, Eppur si muov...

Spirit

spirit.jpg

Sete selos nos separam do encontro com o espírito que está aqui, mesmo ausente. O reencontro é consigo mesmo. Aconselha-se jogar-se rumo ao desconhecido para encontrar a si, mesmo que você não esteja mais lá ao encontrar o fim. Não há retorno após cruzar o Rubicão e não há nenhum terreno capaz da visão do todo deste espírito.

From the pinnacle to the pit

from the pinnacel to the pit.jpg

É um longo caminho do topo até o fundo do abismo. E os senhores destes últimos séculos não podem mais reinar absolutos. Todos cairão frente aos novos seres que levarão o ritual adiante. O tempo não é mais para ser contado a partir do céu para a terra. O tempo é de reconciliação: do fundo para o topo. Cada homem, seu próprio rei. Cada vida, um próprio reinado.

Cirice

Cirice.jpg

Eu consigo ver através dos céus dentro de você. Eu consigo ver nas suas cicatrizes todo seu íntimo. Você e eu, olhos nos olhos. Não há nada entre nós. Eu sinto o trovão da existência soar na relação entre zero e nada que nos preenche. É o amor, este separador que nos une.

"Spöksonat"

spoksonat.jpg

Eis aqui Suspiria. O canto dos cisnes com melodia das sereias. O farol que confunde e não leva mais ao velho mundo.

He is

he is.jpg

Ele é. Ra-Toth. Ele é o brilho na noite que não podemos enxergar. Há um encanto mágico na origem da criação, nas fagulhas que precedem o tecido do Gênesis, a história que nem a leitura do talmud consegue penetrar em toda sua complexidade de encontrar o âmago do criador. Transmuta-se aqui o antigo que se revela somente na frieza da letra da leitura clássica para o presente vivo e atuante, como pai e mãe num mesmo receptáculo.

Mummy Dust

mummy dust.jpg

As cédulas de adoração que carregam os valores da ganância e do falso poder do mantra “em deus nós confiamos” precisam ser trituradas. Cada dólar no mundo não consegue ter o peso de um grão da poeira de qualquer tumba egípcia. O “bezerro de ouro” não consegue mais amedrontar nenhuma nova alma e sua importância é tão vazia quanto a riqueza dos homens que o adoram. A marcha do progresso é rumo à perdição. #ocuppywallstreet #greedisbad

Majesty

majesty.jpg

Há um poder subterrâneo que absorve nossos piores pecados. Há um mestre que renasce do lençol freático das culpas. Do seu reino infernal, majestosamente, o único mestre. Ele não pede submissão, ele não é como nós.

Devil church

devil church.jpg

Não são sinos ou sinais. São ditirambos.

Absolution

absolution.jpg

Desde que nascemos, morremos. Estamos condenados à morte e nem sempre à vida. Buscamos absolvição de algo que foge a nosso suposto controle. O sol queimará todas as cinzas e gerará novas vidas. Não basta chorar pela salvação: Vamos todos virar pó.

Deus in absentia

deus in absentia.jpg

O mundo está em chamas e você está aqui para queimar comigo. Estamos aqui amarrados em “um”, finalmente. Todas as imaginações possíveis não são capazes de descrever essa pira funeral. A reverência ao “Kapital” te fez bonito e aceitável aos olhos da boa sociedade...agora não mais. A inocência cantada em coro não é tão inocente no coração de cada humano.

*Agradecimentos especiais a fã-page do Ghost Brasil pelas imagens e inspirações


version 3/s/musica// //Indiferente