Mariana Miranda

Ser jornalista é a forma mais glamourosa de ser pobre. Curta dez anos de literatura por ostentação em: marianamiranda.wordpress.com

Por quem os sinos dobram

As pessoas não morrem, cada um continua existindo através dos que ficam. Como o próprio John Donne, orador e mentor desta filosofia, que morreu sem ter publicado um único poema. Mas por quem, até hoje, os sinos continuam dobrando.


por quem os sinos dobram.jpg

"Nenhum homem é uma ilha, completa em si mesma. Todo homem é um pedaço do continente, uma parte da terra firme. Se um pedaço de terra for levado pelo mar, a Europa fica menor, como se tivesse perdido uma montanha ou a casa de um amigo, ou a tua própria. A morte de qualquer homem me diminui porque faço parte da humanidade. Por isso, nunca mandes indagar por quem os sinos dobram. Eles dobram por ti."

Este parágrafo do texto Meditação 17, do religioso John Donne, séc. XVII, serviu de inspiração para o romance de Ernest Hemingway: Por Quem os Sinos Dobram, de 1940. Três anos depois, o livro virou filme e ganhou o Oscar. Depois, a obra foi traduzida para o português por Monteiro Lobato. Em 1985, a banda Metallica gravou uma música inspirada no tema e com o mesmo título: Por Quem os Sinos Dobram. No Brasil, Raul Seixas fez outra composição com este nome. O texto inspirou também a música Elegia, gravada por Caetano Veloso. Dentre outras releituras, em outros lugares, em outros idiomas.

Curioso é que tudo isso parecia mesmo estar previsto na própria obra Meditação 17, no terceiro parágrafo:

"Quando um homem morre, um capítulo não é arrancado do livro, mas traduzido para uma linguagem melhor. E assim deve ser. Deus emprega inúmeros tradutores: algumas peças são traduzidas pela idade, algumas pela doença, algumas pela guerra, algumas pela justiça, mas a mão de Deus está em cada tradução e Sua mão reunirá outra vez todas as nossas folhas espalhadas formando a biblioteca onde cada livro deverá permanecer aberto aos outros. Da mesma maneira que, quando o sino toca chamando para o sermão, não convida apenas o pregador, mas também toda a comunidade. Nos chama a todos, e ainda mais a mim."

A influência do autor já virou a esquina do novo século e tudo conspira para perpetuar esta ideia de que as pessoas não morrem, de que cada um continua através dos que ficam. Como o próprio John Donne, que morreu sem ter publicado um único poema. Mas por quem, até hoje, os sinos continuam dobrando.

TAM_0222_1.jpg


Mariana Miranda

Ser jornalista é a forma mais glamourosa de ser pobre. Curta dez anos de literatura por ostentação em: marianamiranda.wordpress.com.
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Mariana Miranda