do ser

as reflexões que nos levam a construir nossas vidas

Victor Oliveira

Formando em Direito na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte. Assíduo leitor sobre o que a filosofia pode corroborar com a formação do ser. Orientação política à esquerda.

Top 10 de Agatha Christie

Conheça ou saiba mais sobre a best-seller vintage, mas conhecida como "Rainha do Crime", a escritora inglesa Agatha Christie.


Para a maioria dos leitores que clicaram nesse artigo, Agatha Christie dispensa apresentações. Segundo o Guiness Book é a romancista mais popular da história, com cerca de 4 bilhões de livros vendidos durante o Século XX e XXI. Apenas a bíblia vendera mais livros que a escritora.

Nascida em Torquay (ING), no ano de 1890, foi uma romancista, poetisa e dramaturga que se destacou principalmente por seus best-sellers de romance policial, que lhe dera a alcunha de “Rainha do Crime”. Em seus romances alguns personagens se repetiam, ficando-os imortalizados na história, principalmente o detetive belga Hercule Poirot - um baixinho de aparência estranha - e também a velha simpática solteirona Miss Marple.

Ao todo foram 66 livros, resolvi elencar os 10 melhores que já li e se os demais leitores quiserem acrescentar mais livros que não apareceram em minha lista é só os mencionar-los nos comentários.

agatha-working.jpg

1. Assassinato no Expresso do Oriente (1934): Foi um dos primeiros livros da escritora. Nele por acaso do destino o detetive Hercule Poirot está em um trem (Orient Express) que o levará do Oriente Médio de volta para Europa. Na manhã seguinte um passageiro é encontrado morto em sua cabine com 12 facadas, e o desfecho um dos mais impressionantes que já li, digno de cinema, como acontecera décadas depois.

2. O caso dos dez negrinhos (1939): Também conhecido como “O caso dos dez indiozinhos” ou “E não sobrou nenhum”. É o livro mais vendido da escritora, e possui uma curiosidade, ele não conta com nenhum dos detetives e personagens folclóricos de Agatha Christie. A história se passa em uma ilha deserta na costa de Devon, é narrada em terceira pessoa e relata a vivência de dez estranhos que foram atraídos por um misterioso milionário para trabalhar em sua mansão na ilha. Um por um vai morrendo aos poucos e por um motivo que só se percebe no fim que é tão impressionante quanto as mortes.

3. É fácil matar (1939): Último livro que eu li, marca um personagem diverso dos mais famosos da escritora, o ex-policial Luke Fitzwilliam. Ao voltar para a sua terra natal, Luke pega um trem tendo como companhia uma velhinha. No desenrolar da conversa a senhora diz que está indo à Londres para pedir ajuda a Scotland Yard, pois estaria ocorrendo uma série de assassinatos em sua cidadezinha, por uma pessoa dotada de prestígio na cidade e que por conta disso a polícia local não acreditaria nela. A senhora chega, inclusive a citar quem será o próximo assassinado...

4. Um destino ignorado (1942): Particularmente o melhor livro que já li, conta a investigação do desaparecimento de um cientista, dessa vez por um personagem menos conhecido, o inspetor Jessop. A história se passa na África e também por detrás da Cortina de Ferro. O desfecho dessa história é impossível descrever, vale a pena a leitura.

5. A casa torta (1949): Sinopse: Aristide Leonides é um octogenário grego riquíssimo imigrado na Inglaterra. Construiu a “casa torta” para habitar com toda a família. A casa era assim chamada não só pela sua particular arquitetura, como também pelas características dos seus habitantes. A neta mais velha, Sophia, é namorada do filho do inspetor chefe da Scotland Yard e, quando o avô é assassinado com uma injeção letal de um veneno de efeito quase instantâneo, o casal se empenha em investigar para descobrir o culpado. O principal suspeito, naturalmente, é a jovem viúva, e todas a querem que seja.

6. A morte da Sra. McGinty (1952): O assassinato de uma viúva que morava sozinha tem como seu principal suspeito o inquilino cheio de dívidas. O caso é investigado por Poirot e sua amiga escritora Ariadne Oliver. A fim de livrar o principal suspeito da forca, o detetive belga não acredita que o mesmo tivesse capacidade para cometer crime algum, dado a aparência de “perdedor” do réu.

7. A testemunha ocular do crime (1953): Primeiro livro de Agatha que pude ler. Conta a história de uma senhora que jura ter visto um assassinato em um trem paralelo ao dela. Ninguém acredita no relato da velhinha, apenas outra velhinha, desocupada talvez, Miss Marple.

8. Cem gramas de centeio (1953): Um detalhe curioso sobre a escritora, é que em alguns livros ela costumava a por dentro da história algumas cantigas populares inglesas esse livro é um exemplo. Rex Fortescue, um saudável homem de negócios, morre envenenado enquanto tomava chá. O Inspetor Neele conduz a investigação, pois todos que viviam ao redor do falecido teriam bons motivos para cometer o crime. Cabe a Miss Marple, que surge na hora certa, resolver o caso.

9. A Noite das Bruxas (1969): Numa comunidade próxima a Londres, uma festa é organizada para comemorar o dia das bruxas. A presença de Ariadne Oliver incita a imaginação de todos, principalmente de Joyce Reynolds, uma garota de 13 anos que afirma já ter presenciado um assassinato. Ninguém acredita, porque ela era famosa por suas mentiras. Porém, no meio da festa, Joyce é assassinada misteriosamente. Chocada com o crime, Ariadne telefona a Poirot, e pede-lhe que a ajude a descobrir o culpado, que mais uma vez é descoberto pelo detetive belga.

10. Os elefantes não esquecem (1972): Último livro que conta com a participação do detive belga Hercule Poirot. Com um enredo bem surpreendente e cenários também, a história trata de um de um acontecimento aleatório, quando a escritora Ariadne Oliver é questionada sobre o antigo caso do assassinato do casal Ravenscroft, mortos há 15 anos. Intrigada com o mistério que envolve o caso, ela pede ajuda ao seu grande amigo Hercule Poirot, com a esperança de solucioná-lo. Mas, para isso, eles contarão com a ajuda de pessoas que viveram naquela época, partindo da premissa de que elas são como os elefantes, e não esqueceram de nada.


Victor Oliveira

Formando em Direito na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte. Assíduo leitor sobre o que a filosofia pode corroborar com a formação do ser. Orientação política à esquerda..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Victor Oliveira