doce menina

a essência daquilo que se é

natally rodrigues

Um ser humano aprendiz da vida, do mundo, das sensações, um ponto sem fim regido pela arte.

3%, a humanidade em foco

Nós somos consequência do que fazemos, pensamos, acreditamos. Não existe lugar perfeito. Existe a possibilidade de construirmos um mundo melhor, para isso há de ter uma colaboração de cem por cento, não apenas três.


tumblr_oh7r8lqcre1u3bhkao1_1280.jpg

A primeira série brasileira original Netflix traz uma reflexão intensa sobre a humanidade. Trabalha numa análise psicológica a questão do poder, da superioridade, da diferença, da injustiça. O processo que acontece durante a primeira temporada evidencia: não importa onde esteja sempre haverá o sonhador, o egoísta, o manipulado, o covarde. Sempre haverá hierarquia e por trás dela trabalharão os sentimentos presos dentro de cada um.

Marco é o lobo em pele de cordeiro. O tipo de pessoa que demonstra calma, simpatia, mas no fundo se acha superior a tudo e a todos. Ele crê que é melhor que todos que estão no Processo, por causa do histórico familiar. "Três por cento" não foge à realidade, a série apresenta, em outro contexto, mas demonstra o que vivemos. Quantas vezes nos esbarramos com seres humanos que se acham melhores e mais preparados devido à família que vieram? Inúmeras. O fim de Marco nos faz vibrar já que temos um extinto muito mais sentimental do que racional.

Michele é a manipulável e o que mais a falta é racionalidade. Ela aparenta ter autocontrole, mas na verdade age da maneira mais sórdida. Não para pra refletir sobre os outros e nem mesmo sobre ela própria. O que nos faz pensar como não temos discernimento quando estamos perdidos em nós mesmos. Qualquer atitude pode nos levar a nada, a perder tudo.

Fernando, um sonhador nato. A motivação para o tão sonhado Processo vem mais por uma vontade absurda do pai. No começo, ele enxerga tudo como uma perfeição e ao decorrer percebe que não quer estar entre os três por cento, que não quer chegar ao lado de lá. Seu único propósito vira estar ao lado de Michele, personagem pelo qual se apaixona. Fernando é o romântico inocente, uma pessoa boa e que sofre as consequências de amar.

Rafael é aquela pessoa que faz tudo para conseguir o que quer. Tudo que se compromete a fazer, faz e faz bem. Não importa se vai ferir outras pessoas ou até suas próprias vontades. É o ser humano ambicioso e que não se deixa abater por nada e nem ninguém.

Júlia é a mais humana. Agora, trabalhando no Processo, ela começa a se indagar sobre suas escolhas, a se arrepender. Ela não se deixa manipular, é justa e sabe que o Processo não é. As pessoas do Lado de Lá acreditam que são superiores, Júlia sabe que podem ser piores que as do Lado de Cá. Vai para o lado superior aqueles que não se importam em deixar os outros na miséria e no caos, sobem na vida aqueles que fecham os olhos para a pobreza dos outros. A personagem de Mel Fronckowiak demonstra a alma mais verdadeira e realista, ela não fecha os olhos para o mundo abandonado, sabe que está tudo errado. O Processo é apenas mais uma forma de agravar a violência, a desigualdade, distinguir as pessoas pelo que têm e não pelo que são. Somos Júlia quando percebemos que o mundo em que vivemos está errado e que a injustiça dói.

Joana é uma continuação de Júlia. Órfã, pobre, tudo que viveu e aprendeu com a vida foi sozinha. Suas ações justificáveis e o seu lado humano vão sendo mostrados, ora um, ora outro. Ela quer mudar a realidade que vive, e no final se dá conta que não é por meio do Processo que isso vai acontecer. A realidade será melhor quando as diferenças e as injustiças não tiverem voz.

tumblr_oh7t2ifA8w1tzotgyo8_1280.png

Ezequiel tem as inúmeras faces do poder. Quando vivia com Júlia, seu olhar tinha uma felicidade, um amor. Contudo, quando a perde, ele só demonstra humanidade quando se está com Augusto, filho da sua esposa. Nas outras situações, Ezequiel é duro, firme, sem sentimentos bons. Para ele, o importante é fazer de tudo para chegar entre os melhores, não importa se você vai trapacear ou não. Aí está um dos grandes erros: poder nas mãos de quem crê ser melhor que os outros e não se importar com o que tiver de fazer para ser assim.

"Você é o criador do seu próprio mérito. Não importa o que aconteça, você merece." Diante desse lema tão falado na série, o fim de cada personagem é totalmente justificado pelas atitudes tomadas. O que deve ser constatado é que muitas coisas estão fora do nosso alcance, já que as pessoas de poder não permitem direitos iguais, e são crentes de uma verdade falsa. 3% mostra que as pessoas podem buscar o poder com tanta vontade e ficarem cegas sobre as outras realidades, mostra as falhas dos seres humanos, e o mundo que sobrevive à base da ausência da igualdade e da solidariedade.

A série deixa como reflexão que podemos ser piores se deixarmos ser guiados pela ambição ao poder. O lema da meritocracia apresenta que o mundo está assim por culpa minha, sua, dele, nossa. Somos nós que não aprendemos a viver e a enxergar o que está além do que se vive. Nós fazemos o mundo, seja isso uma coisa boa ou não. O lugar perfeito colocado pela obra é uma utopia, pois o mundo sempre terá dificuldades.


natally rodrigues

Um ser humano aprendiz da vida, do mundo, das sensações, um ponto sem fim regido pela arte..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //natally rodrigues