doce menina

a essência daquilo que se é

natally rodrigues

Um ser humano aprendiz da vida, do mundo, das sensações, um ponto sem fim regido pela arte.

encontrar-se em alguém

Esse “encontrar-se” mesmo com tantas diferenças entre duas pessoas nos mostra como a beleza está na diversidade. Em como o respeito embasa todo o tipo de relação, aceitar o outro como ele é. É todo um aprendizado, é mais uma parte da beleza da vida. Encontrar-se no outro é reconhecer-se e amar quem se é. Um teor um pouco narcisista, mas devemos ter esse amor próprio pra poder amar o outro de uma forma plena.


fotolia_19906580_XS.jpg

Precisamos falar sobre pessoas. Não de uma maneira caricata. Mas de uma forma real, uma forma humana. Não há nada melhor do que nos encontrarmos em alguém. De começo pode até parecer um pouco desesperador, mas depois é a melhor sensação do mundo. Uma reciprocidade de almas, um saber de que é pertencente ao outro de um modo macio, fluido, sem possessão, apenas um pertencer humano, um encontro reencontro de pessoas que divergem, mas ao mesmo tempo convergem em espaços e ideias tão humanos.

Quando você se encontra em alguém, você se faz mais forte, ainda mais quando você admira outras qualidades nessa pessoa. Você fica feliz, simplesmente sente. Sente a felicidade, sente a harmonia, sente o abraço casa, sente. Porque é tão lindo quando você sente aconchego no outro, as relações humanas são o que dão sentido e fortificam essa dádiva que é viver.

Você pode se encontrar em um olhar, na maneira de ver o mundo, no riso frouxo, no jeito tímido, no jeito mais espalhafatoso, no afeto, no cuidado, na veia cinéfila, na empatia, no amor, na reciprocidade. Se encontrar é quando as almas sabem o sentimento bom que o outro causa, seja estando ali pertinho, seja estando lá longe. Porque estar no outro nunca dependeu de estar perto. É você marcar alguém, uma das marcas mais bonitas, a marca do amor, da admiração, do bem estar.

Vivemos em um mundo imenso ao mesmo tempo em que há beleza e caos. O que nos faz acreditar, ter esperanças, ainda são as pessoas. Que podem estar perdidas no momento, mas se realmente trabalharmos a união, a empatia e negar a crítica, a inveja, a maldade, nós podemos chegar, aos poucos, a um mundo melhor. Então, começar com as pessoas que estão ao nosso redor, e nos permitir essa vivência de carinho, de afeto, vale muito a pena.

Valer a pena. É isso. Fazer valer a pena. Ter esse sentimento de gratidão, satisfação, realização. Isso nós encontramos em muitas questões individuais, mas o que seriam todos esses momentos sensacionais se não tivéssemos com quem comemorá-los? Estou falando disso mesmo, de um grupo de pessoas reunidos em um lugar e todo mundo sorrindo, todo mundo compartilhando, todo mundo comemorando o sucesso do outro que também é o meu dado que eu faço parte daquele alguém. Porque é isso, estamos juntos, ninguém passa despercebido pela vida de ninguém, nós fazemos parte da história do outro. Queira você aceitar ou não.

Esse “encontrar-se” mesmo com tantas diferenças entre duas pessoas nos mostra como a beleza está na diversidade. Em como o respeito embasa todo o tipo de relação, aceitar o outro como ele é. É todo um aprendizado, é mais uma parte da beleza da vida. Encontrar-se no outro é reconhecer-se e amar quem se é. Um teor um pouco narcisista, mas devemos ter esse amor próprio pra poder amar o outro de uma forma plena.


natally rodrigues

Um ser humano aprendiz da vida, do mundo, das sensações, um ponto sem fim regido pela arte..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //natally rodrigues