doce menina

a essência daquilo que se é

natally rodrigues

Um ser humano aprendiz da vida, do mundo, das sensações, um ponto sem fim regido pela arte. Autora dos livros de poesias "Doce Menina" e "Viver é um pecado mortal", graduanda em Psicologia.

a sensibilidade me ensinou

"Meu filho, você vai ser poeta, você vai carregar água na peneira a vida toda, você vai encher os vazios com as suas peraltagens e algumas pessoas vão te amar por seus despropósitos" (Manoel de Barros)


solpeneira.jpg

Ao decorrer do tempo, a gente vai crescendo e começa a olhar para trás buscando entender algumas coisas do hoje. Reparo que eu tenho um grande apego aos detalhes, tudo que se passa batido pelos outros, os meus olhos fixam. Claramente, isso me traz consequências, mas eu aceito suportá-las, esse meu lado diz muito de mim.

Recordo-me que durante um bom tempo da minha infância e adolescência eu fiquei com o quarto sem janela da casa. Ao mesmo tempo em que me era estranho um quarto sem janela, sem uma visão para o que estava externo aqueles metros quadrados, eu gostava dessa ideia, ali eu me senti segura. Eu sempre vi beleza na simplicidade e acredito que seja por isso que sou atenta aos detalhes do dia a dia.

Às vezes, algumas pessoas dizem que eu me apego demais em detalhes que não precisam de tanta atenção, e talvez estejam certos. A questão é que eu sou alguém apegada aos detalhes que coloca neles um significado a partir do que eu sinto, e como é que eu vou dizer que estou errada se estou seguindo meu mero coração?

Eu me distancio e observo ao meu redor para que as coisas não passem despercebidas, enquanto todo mundo esta envolvido na correria do dia a dia, eu reparo nessas pessoas e noto o que está cotidianamente acontecendo. Isso me traz paz, e eu volto ao meu interior fazendo um leve balanço entre os meus valores, os meus pensamentos, os meus sentimentos e as minhas ações. Me questiono se eu pudesse ser qualquer pessoa neste mundo, eu ainda escolheria ser quem eu sou? Se a resposta estiver na contramão, algo está acontecendo e é preciso ser reparado.

Não busco algo extraordinário na minha vida para daqui dez anos, é claro que eu espero continuar crescendo dia a dia e melhorar constantemente, mas o meu ideal é o hoje, é me atentar a algo extraordinário que acabou de acontecer, e isso é difícil porque o ser humano está sempre esperando que o incrível esteja no futuro, mas nunca se atenta quando o incrível está aqui.

Enfim, o que ficou de principal até aqui é que ao ser detalhista humanamente falando, você será alguém que vai ajudar o outro a crescer só por ele se sentir visto e percebido com os olhos de quem quer ver. E também, você pode ter relações em que os outros vão te machucar ao mesmo tempo em que percebem quem você é. Quando a gente constrói a partir do detalhe, da simplicidade, do sentimento, a gente constrói uma história e uma vivência que foi sentida minuciosamente e com uma intensidade tanto singela quanto forte. Não importa o tempo que passe, não importa os machucados, as mágoas, o amor sempre ainda estará ali. Não dá pra apertar um botão e tudo desaparecer. O que dá pra fazer é se dar conta da beleza desse amor e ficar, porque não importa o quanto você decepcione alguém, o amor sempre continuará ali se for amor, sempre falará mais alto. Só pensem em uma coisa, o amor não é condicional, então pensem bem no conceito de amor de vocês.


natally rodrigues

Um ser humano aprendiz da vida, do mundo, das sensações, um ponto sem fim regido pela arte. Autora dos livros de poesias "Doce Menina" e "Viver é um pecado mortal", graduanda em Psicologia..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //natally rodrigues