drinking wine and killing time

De tudo um pouco.

Adriana Gandelman

Gosto de letras, livros, quadros, filmes, vinhos, lugares, línguas, cheiros, papos amenos, gargalhadas, músicas, silêncio, abraços, lembranças

Tem lixo sobrando? A Suécia quer!

Andando na contramão de certas empresas ocidentais que simplesmente despejam seus detritos indesejáveis na costa do continente africano, a Suécia está importando lixo de outros países. Dizem que uma das formas de medir o atraso de um país é olhando para o seu lixo. Que o exemplo sueco nos sirva de inspiração.


pic Sweden.jpg

Andando na contramão de certas empresas ocidentais que simplesmente despejam seus detritos indesejáveis na costa do continente africano, a Suécia está importando lixo de outros países.

Isso mesmo. O que costuma ser um enorme problema para a maioria das nações é a solução para a Suécia. Apenas 4% do lixo doméstico sueco vai parar em depósitos. O resto é reciclado ou usado como combustível em usinas que transformam estes resíduos em energia. A queima do lixo é responsável por fornecer 20% do sistema de aquecimento do país, além de fornecer energia para 250 mil residências. O problema é justamente que o sistema de aproveitamento de lixo na Suécia é tão eficiente que a capacidade de processamento deles supera a capacidade de produção. Assim, eles começaram a importar 800 mil toneladas de lixo por ano de seus vizinhos europeus. Alguns países, como a Romênia e a Bulgária, não possuem usinas de processamento de lixo nem reciclagem; eles o depositam em grandes aterros que funcionam como depósitos. Com isso a Suécia pretende resolver o seu próprio problema e o de outros países.

Waste-recycling-sweden.jpg

É um caso a se pensar. Com o incrível desenvolvimento da tecnologia de forma a facilitar a vida moderna, a quantidade de lixo produzida no mundo tem aumentado de forma assustadora. No mundo todo, produzimos cerca de 3.5 milhões de toneladas de lixo por dia. A perspectiva é de que até 2025 esta quantidade seja dobrada e até 2100 ela será triplicada.

E os países mais desenvolvidos, que deveriam estar dando o exemplo, não o fazem. Em 2009, uma investigação conduzida pelo jornal inglês “The Independent” em parceria com o “Greenpeace”, descobriu que toneladas de lixo tóxico estavam sendo enviadas do Reino Unido para a costa da África, numa tentativa de se livrar de televisores, computadores e outros aparelhos obsoletos. Estas empresas se aproveitaram de uma legislação que permite a exportação de equipamentos que potencialmente funcionem para países em desenvolvimento, e que apenas proíbe que produtos eletrônicos quebrados saiam dos países da Comunidade Europeia. O pretexto das empresas inglesas é de que estes equipamentos poderiam ser reaproveitados, mas a verdade é que eles estão sendo abandonados por não terem nenhuma utilidade. Os órgãos ambientais classificaram este tipo de lixo como sendo muito tóxico e prejudicial à saúde e que nunca deveria ter deixado a costa do Reino Unido. Muitos países da África sofreram com este problema, como a Costa do Marfim em 2006, após o despejo de produtos químicos e tóxicos incluindo soda cáustica, que causou a morte e a intoxicação de milhares de habitantes.

No Brasil, nós jogamos fora 76 milhões de toneladas de lixo por ano. Mas apenas 3% é reciclado, embora 1/3 deste lixo seja potencialmente reciclável. Com o novo Plano Nacional de Resíduos Sólidos, que entrou em vigor no ano passado, algumas pequenas mudanças foram implantadas. Este plano determina que os lixões devem ser erradicados e substituídos por aterros sanitários. Mas ainda estamos longe da meta. Temos um longo caminho a percorrer no nosso país, sobretudo em termos de conscientização da população, de mudanças comportamentais do cidadão comum e de conduta das empresas, que deveriam estar buscando soluções mais sustentáveis. Dizem que uma das formas de medir o atraso de um país é olhando para o seu lixo. Que o exemplo sueco nos sirva de inspiração.

lixão-Brail.jpg


Adriana Gandelman

Gosto de letras, livros, quadros, filmes, vinhos, lugares, línguas, cheiros, papos amenos, gargalhadas, músicas, silêncio, abraços, lembranças.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Adriana Gandelman