eduall

Daqui, por aqui, até lá

Eduardo Almeida

Professor apaixonado por educação e historiador em formação, louco e apaixonado pela história das coisas. Viajante até das ideias fantasiosas. Escrevo sobre tudo, desde amor até política. Sou humano da forma mais humana possível.

Você

E quem te disse que declarar amor é feio? Que falar sobre relacionamento é coisa de menininha de 12 anos apaixonada?
Amor é coisa de ser humano e de quem ama. Se você chegou até aqui, é porque quer ler esse pequeno texto até o final.


As-7-coisas-que-eu-odeio-sobre-voce.jpg

No vento do ventilador, no cerne da alma. O sentido não precisa vir da provisão divina, tampouco do misticismo que nós mesmos inventamos. Quem vai dizer que a vida tem sentido de verdade?

O seu sorriso é o que mais gosto entre as coisas que se deve gostar, o olhar, o gosto. Ouvir o seu barulho quando no silêncio da noite como qualquer outra, ainda que distante, você anda por entre os sonhos como quem passeia sobre a grama de um parque qualquer.

Amar não é estar perto, não é poder tocar o tempo todo, mas poder abraçar com a alma, beijar com os sonhos e sentir com o coração. O amor é tão confuso que de definição me faltam palavras. As coisas mais confusas da vida são as que realmente dão sentido para ela, por isso, nem tente sair à francesa como quem passa no meio do fogo cruzado e não vai ser atingido. Se permita atingir.

Não temos muita noção do que devemos fazer, não existe fórmula certa para a perfeição, desde que você encontre nessa perfeição alguém que assim como você queira ser alguém para outro alguém em toda a vida. Não é ser igual, nem em vontades, nem em estilo, mas é estar alinhado com o corpo e a alma.

Se eu tropeço em milhares de razões para ir embora, quem me levanta é a única e suficiente razão de eu ainda estar aqui.

Hoje, eu não vim dizer que eu amo você. Eu vim dizer que é você.

Se nada desse certo agora, é você;

Se tudo desse certo agora, é você;

Se tudo não fizer mais sentido agora, é você;

Se tudo que eu quis não for agora, é você;

Porque nessa frase, só existiria a primeira pessoa do singular se a segunda pessoa fosse você.


Eduardo Almeida

Professor apaixonado por educação e historiador em formação, louco e apaixonado pela história das coisas. Viajante até das ideias fantasiosas. Escrevo sobre tudo, desde amor até política. Sou humano da forma mais humana possível..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious //Eduardo Almeida