em cada esquina

Que os acasos insistam em nos encontrar

Marina Zotesso

Psicóloga, bailarina e escorpiana. Definida por ser curiosamente ativa, acredita em destino e em amores impossíveis.

O segredo de teus olhos Capitu

Bentinho pouco soube aproveitar a beleza e a paixão que Capitu trazia consigo no olhar. Preferiu entregar-se a lembranças e memórias de uma mente oculta a toda e qualquer resposta que lhe poderia ter sido dada, optou por viver sua própria escuridão. Perdeu-se então, a beleza do olhar.


olhos capitu.jpg

Dona dos olhos mais enigmáticos que alguém já pudera ver ou se quer imaginar, Capitu continha consigo o maior dos segredos. Ao contrário do que o próprio Dom Casmurro pudesse contestar, algo era certo, o seu olhar lhe tornava o maior enigma.

Como desde jovem, poderia uma menina trazer em seu olhar um brilho único, capaz de conquistar um coração, que mesmo novo, já tinha em si a amargura e o medo da vida. Capitu era assim, sorte de quem a viu, de quem se apaixonou, de quem se permitiu ser levado pelo encanto de seus olhos.

A espontaneidade morava em si. Seus passos faziam a dança, conduziam o leitor, como também conduziu e deixou-se ser conduzida por um grande amor. Até mesmo donos dos olhares mais sedutores e convincentes da literatura, dos protagonistas das maiores loucuras da vida, já se permitiram serem levados pelo ritmo da dança, pela beleza de um olhar e pelo calor de uma paixão. Capitu apenas ouvia as batidas do coração, se deixou guiar por ele.

A espera por Bentinho se tornou um dos infinitos mais preciosos a Capitu. Regado por uma saudade imensurável e a uma mistura de lembranças, os dias foram sendo conduzidos pelos sonhos e esperanças. A cada instante seu olhar amadurecia, e junto a ele crescia o mistério de sua beleza e singularidade.

081208capitu.jpg

Talvez a postura de Capitu, não se resuma aos dias em que Bentinho se manteve ausente, mas a espera infinita que a rondou. Ela, nem tão pouco ele compreenderam o poder de seu olhar, não conseguiram visualizar a real mulher que Capitu havia se tornado. A solução era mais simples do que imaginado, apenas bastaria que sua visão fosse além e enxergasse também a beleza de sua alma, desvendando assim, o mistério que era o seu amor.

Olhos de cigana obliqua e dissimulada. Foi tudo o que conseguiu interpretar. Quem dera Bentinho tivesse se deixado conduzir pela luz de seu olhar. Dizem que os olhos são as janelas da alma, como pudera então Capitu não ter a alma mais inimaginável do mundo? Volto a repetir, sorte mesmo foi de quem pode olhar em seus olhos, e escolher acreditar neles, ou até mesmo a duvidar.

O mistério talvez tenha dados aos mãos ao medo e a insegurança, optando pela desconfiança. Sei somente, que olhos que um dia se apaixonam, são os mesmos que irão amar a eternidade de lembranças e memórias que o próprio coração construiu. O segredo, nasce e morre junto com cada um, com cada olhar.

Há certas respostas, que por mais que busquemos nunca as alcançaremos, pois fazem parte de um domínio intocável, o mais profundo da alma de cada ser. Existem perguntas, assim como respostas que talvez seja conveniente deixar longe dos olhos de quem nunca saberia como enxerga-las.

capitu livro.jpg


Marina Zotesso

Psicóloga, bailarina e escorpiana. Definida por ser curiosamente ativa, acredita em destino e em amores impossíveis. .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Marina Zotesso