em cada esquina

Que os acasos insistam em nos encontrar

Marina Zotesso

Psicóloga, bailarina e escorpiana. Definida por ser curiosamente ativa, acredita em destino e em amores impossíveis.

@mazotesso

A flor que habita em você

O que habita em ti?


25bae4_o-que-fazer-quando-a-flor-do-girassol-morre.jpg

Entre os mais belos tipos de flores que existem, cada uma traz consigo um significado místico e próprio do simbolismo de cada cultura. Rosas fazem menção ao amor, girassóis ao ser luz...

E refletindo sobre as flores, e seus inúmeros e particulares significados, questionei-me qual a espécie que habitava em mim. Se você pudesse dizer, qual a flor que melhor te define? Te resume ou te representa, qual seria?

Ao abrir tal reflexão em mim, lembrei-me de um fato importante antes de escolher minha flor.

Todas as vezes em minha vida que ganhei uma flor, seja ela de qual tipo fosse, a história delas comigo sempre foi a mesma: Foram tulipas, rosas, girassóis, orquídeas e outros tantos que jamais saberia nomear especificamente. Elas chegavam lindas, gloriosas e cheirosas. Cada uma com sua beleza única e singularidade na forma e formosura. Como toda romântica, eu sempre amei flores, e todas as vezes que elas chegavam até mim – em sua grande maioria eram dadas de presente- o cuidado era o mesmo:

Eu regava, conversava, colocava no sol, na sombra, na sala e na cozinha... durante o dia todo eu olhava para minha flor por pelo menos 5 vezes, checava se tinha água, se a luminosidade era interessante para ela... enfim, tinha um cuidado de primeira, mas ao final da semana (quando não muito de 2 dias) a flor sempre morria. Parece que quanto mais eu me preocupava com ela, mas via pétalas por pétalas secando e simbolicamente se despedindo de mim. Me levando a um profundo sentimento de incapacidade, impotência e muitas vezes incompetência. Como pode?? Eu sempre cuidei tanto de minhas flores! Tanta atenção, preocupação... e no fim duravam menos do que alguma flor qualquer que não foi cuidada por ninguém.

Então certa vez, me deparei com uma surpresa tão inesperada, porém geradora de reflexões e acuso dizer de certo amadurecimento pessoal e emocional. No cantinho do lavabo de meu apartamento, um lugar tão pouco provável de iluminação adequada, bem como escassez de minha visão diária, encontrei uma flor de cactos. Flor essa que certa vez ganhei de uma aluna junto com a seguinte mensagem “ Quem planta amor, não teme a colheita”. E pela primeira vez consegui visualizar que aquela era a única flor, planta, ou ser vivo de forma geral que sobreviveu a mim!

Na curiosidade sobre a flor, busquei mais informações, e obtive as seguintes respostas sobre a mesma:

“Os cactos, por viverem em regiões áridas e isoladas, ajudam as pessoas e conhecerem a sua força interna em momentos de solidão. Pelo fato de os cactos armazenarem água (elemento que simboliza sentimentos e emoções) dentro do caule, o mesmo favorece aqueles que se defendem muito das próprias emoções. Os espinhos podem parecer hostis, mas fazem parte da estratégia de sobrevivência da planta, natural de clima árido e terrenos difíceis, transmitindo proteção e segurança ao seu portador. Tê-las por perto é um lembrete de vitalidade, persistência e integração com tudo o que está a nossa volta”.

A resposta, ou talvez melhor dizendo a explicação da frase que veio acompanhada da flor então se fez clara, somente o amor é capaz de mudar, somente o amor verdadeiro e sincero não brilha ou chama a atenção pelo exterior, mas sim pela beleza e fortaleza interna. Pois somente nos detalhes e na paciência é que a verdadeira rosa pode florir.

Foi somente então que tudo se encaixou e fez profundo sentido para mim. Justamente por ser a única flor natural em casa, me defini como tal e percebi que a flor que diariamente nasce e renasce em mim pode sim ser repleta de espinhos por fora, contudo por dentro carrega uma coragem e persistência indomável, sendo capaz de sobreviver em especial nas dificuldades, na seca e solidão.

Percebi que as rosas são lindas, mas a flor de cactos é maravilhosa, pois assim como eu, e como você o exterior não defini quem somos, mas sim aquilo que habita em nós.

images.jpg


Marina Zotesso

Psicóloga, bailarina e escorpiana. Definida por ser curiosamente ativa, acredita em destino e em amores impossíveis. @mazotesso.
Saiba como escrever na obvious.
version 6/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Marina Zotesso