em construção

A vida acontece no durante

Flávia Bechtinger

A Flávia é formada em Comunicação Social e autora na página Poesia que sorri. Desde pequena, escreve. Escreve para estar presente, para sentir, para ser. Escreve. Busca escolher palavras que ultrapassam o valor das palavras.

Sobre não entender nada do que está acontecendo

Um dia eu acordei e não entendi nada. Tudo parecia estar no lugar, só eu que não. Era a minha vida, mas parecia que a que tinha escolhido aquela vida não era mais a pessoa que estava acordando naquele dia. Levantei, fiz tudo como eu sempre fazia: escovei os dentes e blá blá blá. Ao me olhar no espelho, me via igual, mas diferente. Tive medo e pensei que devia ser mais uma das minhas ideias malucas.


Um dia eu acordei e não entendi nada. Tudo parecia estar no lugar, só eu que não. Era a minha vida, mas parecia que a que tinha escolhido aquela vida não era mais a pessoa que estava acordando naquele dia. Levantei, fiz tudo como eu sempre fazia: escovei os dentes e blá blá blá. Ao me olhar no espelho, me via igual, mas diferente. Tive medo e pensei que devia ser mais uma das minhas ideias malucas.
Fui vivendo os dias seguintes e tudo parecia não se encaixar mais. Tudo o que podia dar errado, dava e a vida foi entrando num looping negativo para mim (devia ser eu que estava vendo dessa forma) e eu só pensava em fugir daquilo tudo.

solidao1 (2).jpg

Só que não era fácil assim porque o que eu ia dizer para as pessoas? “É que pensei melhor.”, “estava pensando nisso há um tempo”, “fiquei com vontade de viver outra vida”. Sei lá, sinto que as pessoas cobram muito e cobram segundo a verdade delas: “você deveria pensar melhor”, “não se muda assim”, “você vai se arrepender”, “mudar tudo isso com essa idade?”. Nessa hora, todo mundo sabe o que é melhor para você. Eu sentia essa cobrança e confesso que tinha medo de mudar. E , confusa, comecei a cultivar um vazio dentro de mim.

É, eu fui esvaziando. Nada mais tinha sabor, cor. Acho que nem textura tinha, se bobear. Os dias eram iguais, não importava mais se fazia sol ou chuva, ser era inverno ou outuno. Os abraços eram frouxos, as risadas eram sem graça, os beijos eram frios, os carinhos não existiam e eu não olhava para nada que não fosse para os meus problemas. Eu até buscava fazer diferente, mas realmente não sabia como.

Eu não estava entendendo nada.

tumblr_m9qoq2zFmm1qhx1b5o1_500.jpg

Aos 31 era para eu estar vivendo outra vida. Eu não planejei nada disso. Tinha tudo: família, carro, casa, cachorro, mas esse vazio não estava na lista.

Um dia, não aguentei e saí. Fui em busca de alguma coisa que nem bem sabia o que era. Saí correndo. Me enfiei nos livros, na minha cabeça e nos meus sonhos. Comecei a me alimentar de mim. Estudei o que eu gostava de fazer (porque até isso eu já tinha me esquecido), escrevi meus sonhos no papel, busquei ajuda em vários lugares, fiz cursos, frequentei lugares diferentes, conheci pessoas novas. Experimentei ser várias pessoas. Me senti perdida um monte de vezes e chorei à beça. A busca era frenética porque eu sentia mesmo saudades de mim. Saudades de achar o que perdi lá atrás. Saudades de encontrar a pessoa que eu era quando eu fazia as coisas por mim. Saudades de me sentir livre de verdade, como já me senti um dia.

tumblr_lpd7kyJCrU1qjgzfno1_500.jpg

Busquei em vários lugares, até o dia em que eu percebi que tudo o que eu buscava estava dentro de mim o tempo todo. Eu só não conseguia ver.

Quando eu consegui, encontrei a criança que um dia aprendeu que liberdade era coisa de gente burra, que ninguém é livre mesmo (então pra que fantasiar?)

Encontrei e ela estava sentada no chão, com as perninhas dobradas e a cabeça baixa. Ela também parecia querer entender o que estava acontecendo.

Fui até ela, levantei sua cabeça, enxuguei sua lágrimas, olhei dentro dos olhos dela e falei: está tudo bem. Estamos juntas agora.

E ela me respondeu: obrigada por ter vindo me buscar.

E me deu as mãos.

Saímos juntas.

E, pela primeira vez, mesmo que ainda no início da estrada, mesmo que ainda não saiba direito o caminho que vou tomar, mesmo não tendo nenhuma das conquistas que achei que teria com essa idade, mesmo tudo parecendo estar fora do lugar, eu tenho a sensação, a nítida sensação, de que agora sim estou voltando para a minha casa.

tumblr_l3xn5xvLsv1qagtyho1_500.jpg


Flávia Bechtinger

A Flávia é formada em Comunicação Social e autora na página Poesia que sorri. Desde pequena, escreve. Escreve para estar presente, para sentir, para ser. Escreve. Busca escolher palavras que ultrapassam o valor das palavras..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Flávia Bechtinger