ensaio sobre o caos

Na luta entre o homem e o mundo, aposte no mundo

Elmar Ernani

No funeral das ilusões, entre o pensamento urbano e o caos, uns vão, outros nascem.

Animais noturnos e a reflexão do niilismo

Na derrocada da ilusão do controle, a tirania da contingência exerce seu papel na destruição de uma sociedade dita racional, mas que se alimenta de poderes fictícios.


Animais Noturnos

Tom Ford é um sujeito arrogante, não satisfeito em ser um dos estilistas mais famosos e bem conceituados do mundo, resolveu se aprofundar na sétima arte. Porém, diferentemente de todos seus colegas de profissão que nadam em águas conhecidas agregando seus conceitos de figurinista para determinado longa, Tom Ford ousou envolver-se, assim como fizera no mundo da moda, em todos os processos determinísticos da realização de seu produto, trabalhando, em sua profissão paralela, como diretor, roteirista e produtor.

Cinema e a moda andam lado a lado, as duas plataformas se beneficiam mutuamente, seja na popularização de uma tendência ou na construção narrativa e de suas concepções visuais. Nunca houve, porém, uma mesma mente que tivesse a habilidade de dominar as duas artes como Tom Ford, sua capacidade ímpar em idealizar formas é a mesma com que externaliza pensamentos e os ordena visualmente, mesmo com apenas dois filmes pode-se cravar que estamos diante de um fenômeno.

Animais Noturnos

Seu debut, Direito de Amar, sete anos atrás, foi aclamado pela crítica e público por sua história melancólica, sensível e romântica de um sujeito desconectado da realidade após a morte do seu namorado. Seu retorno, novamente formidável, é a antítese do seu primeiro trabalho trazendo de forma avassaladora as qualidades que o elevaram ao posto de Rei Midas das tendências de consumo: a provocação e a sexualidade.

Animais Noturnos apresenta a história de um ex-casal que está separado há vinte anos. Susan (Amy Adams), uma negociadora de arte, recebe um manuscrito do seu primeiro marido, Edward (Jake Gylenhaal). Durante a perturbadora leitura do livro dedicado a sua pessoa, Susan reflete sobre as razões de ter recebido o esboço e como ele se conecta com sua história, os traumas de seu relacionamento fracassado e suas escolhas ao longo dos anos.

Animais Noturnos

O início genial e incisivo deixa claro as intenções audaciosas do obreiro da linguagem. Expondo sua incrível versatilidade, o estilista texano fabrica um explosivo que, de forma categórica, atingirá seus espectadores penetrando na carne como um tipo de experiência sem volta, daquelas que suas marcas, por tempos, se mantém evidentes. Com vigor e apuro estético impressionante, Ford abusa da violência como promoção da reflexão: sangra-se para refletir o sentido da vida que, por diversos motivos, não se tornara o que lhe era pretendido.

Ford questiona o marketing de comportamento, movimento antigo que recentemente ganhou ares sofisticados, que visa sonegar a angústia e as incertezas humanas diante de uma existência efêmera e desorientada através de um discurso motivacional de destino predeterminado e especialidade da raça humana frente as demais.

Na esteira da selvageria, as sombras dos fracassos pesam sobre os ombros de seus cúmplices impedindo seus sujeitos de abraçar a liberdade. Todos, sem exceção, estão presos ao que esperam que eles sejam sem nunca serem o que de fato são. Ford nos fornece o absurdo de um mundo frívolo e sem sentido, e a dolorosa sensação de um mundo real e indiferente fomentando, a cada instante, o nosso desconforto diante da falta de alternativas animadoras.


Elmar Ernani

No funeral das ilusões, entre o pensamento urbano e o caos, uns vão, outros nascem..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Elmar Ernani
Site Meter