Rafael Oliveira

Publicitario, um apaixonado pela arte de contar e conhecer historias. Sou viciado em livros e cinema, procurando sempre enxergar as mensagens mais profundas que se pode aprender com eles. Apaixonado pela vida e pela arte de viver.

Armadilhas da mente

Um livro para desarmar os conflitos mentais e passar a viver uma vida mais tranquila e saudável


floresta-arvores-mulher.jpg

Eu nunca fui a um psicólogo, apesar de ter muita curiosidade de ir, então quando se fala de terapia eu me calo porque não posso falar nada sobre o assunto. Só que ao ler o livro "Armadilhas da mente" do Augusto Cury eu me senti na sala do psicólogo recebendo um atendimento, talvez esse seja o objetivo do autor, pois através do livro ele consegue alcançar muitas pessoas, ou muitos pacientes. Livros do Augusto Cury são muito discutidos, onde alguns falam que são apenas livros de auto ajuda que só ajuda o autor mesmo e outros que dizem que seus livros são ótimas terapias. No meu caso gosto muito dos livros do Augusto Cury e procuro a cada leitura avaliar a minha mente e poder treina-la para vencer as armadilhas que ela mesmo apronta.

Neste livro é mostrado a história de Camille, uma mulher que possui síndrome do pânico, ansiedade, depressão e diversas outras fobias, tudo muito atual em diversas pessoas no mundo, infelizmente. Camille não consegue respeitar nenhum psiquiatra que tenta tratar do caso dela e como um ultimo suspiro o seu esposo a leva a passar um tempo em uma calma fazenda, onde ela conhece Zenão do riso, um cara que a espanta por sua alegria constante. Em meio aos conflitos de Camille nós vamos nos enxergando no lugar dela, com diversas manias que possuímos e pensamentos que dominam a nossa mente. Ao ler a historia de Camille eu me identifiquei muito com o conflito que ela vivia, por saber e conhecer muitas pessoas que vivem uma luta na mente. A mente nos prega peça, nos leva a achar que é o fim do mundo quando é apenas um barulho, nos leva ver um dragão em uma formiga, cria monstros em nossa mente e nos limita em nossas ações.

Acredito que todos já passaram por crises na vida, já ficaram ansiosos por alguma coisa a toa, se preocuparam com algo que nem aconteceu e ficaram paralisados em uma situação que nem era assim tão dramática. Se isso já aconteceu com você, bem vindo, você é um ser humano. Não penso que a vida é uma falsa felicidade a cada minuto do dia, sei que teremos pressões, teremos dificuldades, mas tais coisas não podem vir a nos abalar. Para vencer as armadilhas da mente vejo na tranquilidade uma boa arma. Fácil de dizer, difícil de aplicar, eu sei, mas durante todo o livro Augusto Cury nos mostra as armas para vencer essa guerra, quando ele apresenta a sua teoria da inteligência multifocal. Alias acredito que todo o conflito de Camille é a desculpa para nos apresentar a teoria, que novamente é fácil de dizer e difícil de aplicar. Não significa que não podemos desarmar as armadilhas da mente, mas mostra que temos que ter perseverança e viver um dia de cada vez em busca de qualidade de vida.

A forma de escrever romances do autor me incomoda muitas vezes neste livro, pois vemos muitos diálogos com frases de efeito, frases que pessoas não diriam no cotidiano. Muitas situações na historia são meio forçadas, mas como eu disse, o alvo do livro não é apresentar diálogos perfeitos e cenas clássicas, mas apresentar um problema e mostrar uma ferramenta para vencê-la. Para aqueles que vivem uma guerra mental eu recomendo este livro, assim como para aqueles que passam por problemas de depressão e pânico. Para aqueles que assim como eu nunca foram a um psicólogo acredito que ler este livro é uma boa experiência e terapia. A nossa mente pode ser controlada, pode ser aquietada e este livro é uma ótima maneira de você aprender como fazer isso.


Rafael Oliveira

Publicitario, um apaixonado pela arte de contar e conhecer historias. Sou viciado em livros e cinema, procurando sempre enxergar as mensagens mais profundas que se pode aprender com eles. Apaixonado pela vida e pela arte de viver..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Rafael Oliveira