entre inquietações

Sem a tranquilidade da acomodação

Bia Lopes

Autora do blog Conversa de Gente Fina e do Livro Incondicional. Publicitária e escorpiana, não necessariamente nessa ordem. Coleciono paixões, as maiores delas pela escrita, música e cinema. Inquieta por natureza e sonhadora incorrigível. De passagem por este mundo, tentando, aprendendo, vivendo.

O incrível poder do fracasso

Fracassamos e simplesmente não sabemos lidar. Vamos ao fundo do poço por causa de uma disciplina reprovada, de um leite derramado, um café mais amargo que o de costume, uma discussão com o namorado. Jogamos fora um dia inteiro porque cedinho, no início dele, perdemos um ônibus. A chuva que caiu inesperadamente, a chave perdida, o compromisso adiado. Seja lá o que for que deu errado, desabamos. É... Não estamos sabendo lidar.


garoto-in-foco65.png

Quantas vezes você já fracassou na vida? Perdeu as contas? A questão é: o que você fez com o fracasso? De uns tempos pra cá venho tendo a impressão de que sabemos lidar cada vez menos com as perdas que a vida nos traz, especialmente quando isso está ligado ao nosso mau desempenho ou insucesso no trabalho ou vida pessoal. Simplesmente não sabemos lidar. Vamos ao fundo do poço por causa de uma disciplina reprovada, de um leite derramado, um café mais amargo que o de costume, uma discussão com o namorado. Jogamos fora um dia inteiro porque cedinho, no início dele, perdemos um ônibus. A chuva que caiu inesperadamente, a chave perdida, o compromisso adiado. Seja lá o que for que deu errado, desabamos. É... Não estamos sabendo lidar. A frustração vem quase sempre seguida de um "a vida não presta, não tá fácil, não tá dando".

A pressão da família, a amizade desgastada, a bronca do patrão, a vida enguiçada e mais outras tantas coisas vão acontecendo ao longo do tempo e nos consumindo que já nem sabemos exatamente por qual motivo estamos sofrendo, apenas... Sofremos. O problema é que nos entregamos, ficamos remoendo a dor, relembrando inúmeras vezes aquele momento e pensando que poderia ter sido diferente. Ou nos perguntando: por que afinal tudo tem que ser assim? Outro dia uma amiga, no auge dos seus 19 anos, me procurou para desabafar que a vida estava insuportável e que ela já não aguentava mais. Perguntei do que se tratava e ela disse que era muita cobrança - acabara de entrar para a faculdade e havia muitos trabalhos para fazer, muitos textos para ler e ainda precisava dar conta do estágio. Não vi nada de novo naquele relato, a mesma rotina pela qual ela estava passando, passamos todas nós, muitas trabalhando inclusive mais distante, outras já sendo mães e tendo que, além de tudo, doar o tempo para os filhos.

Claro que cada caso é um caso e cada um age ou reage de maneira diferente em determinada situação, mas de maneira geral desenvolvemos uma baixa autoestima de forma que não nos sentimos capazes e pior - não queremos nos sentir. Perdemos o gosto pelo desafio, pela superação, preferimos abraçar a lamentação. E essa sensação de que não conseguiremos vai nos prendendo, arrastando e levando para o fundo do poço. A dor se torna um vício e o sofrimento, um passatempo. Afirmamos querer dar a volta por cima, mas não damos um passo até o primeiro degrau da escada. E assim vamos levando uma vida enguiçada, nos vangloriando de que não estamos saindo do lugar, como se saborear aquele sofrimento fosse melhor do que sentir vontade de ir à luta. Sim, saboreamos o sofrimento, a perda, compartilhamos aquela dor com quem está ao nosso lado e quando ficamos à sós com ela, nos reviramos na cama pensando em como somos sofredores. Alguns preferem inclusive a posição fetal.

Acontece que o fracasso não foi feito pra isso. Perder faz parte da vida, porém, a questão é o que você faz a partir dessa experiência. Perder te dá um gosto de derrota, mas tem o incrível poder de te renovar. Ele te puxa para o fundo, mas te impulsiona a subir mais alto na próxima vez. Ele acorda um bichinho adormecido chamado motivação e te faz querer ir à luta para virar o jogo. Ele tem um poder incrível de te dizer "não é isso que você quer ser". Mas, afinal, o que você quer para você? Porque o fracasso tem sim, o poder de te esmagar como o aço. Mas vai depender de você o próximo passo.


Bia Lopes

Autora do blog Conversa de Gente Fina e do Livro Incondicional. Publicitária e escorpiana, não necessariamente nessa ordem. Coleciono paixões, as maiores delas pela escrita, música e cinema. Inquieta por natureza e sonhadora incorrigível. De passagem por este mundo, tentando, aprendendo, vivendo..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious //Bia Lopes