entre inquietações

Sem a tranquilidade da acomodação

Bia Lopes

Autora do blog Conversa de Gente Fina e do Livro Incondicional. Publicitária e escorpiana, não necessariamente nessa ordem. Coleciono paixões, as maiores delas pela escrita, música e cinema. Inquieta por natureza e sonhadora incorrigível. De passagem por este mundo, tentando, aprendendo, vivendo.

Não leia esse texto

Não leia esse texto. Ainda há tempo de desistir. Há coisas que você não deve saber e eu não quero ser portadora de más notícias. Na verdade esse é um texto bem realista. É sobre o que você não gosta, mas tem que fazer. Sobre gente que você não suporta, mas tem que aturar. Sobre machucados, hematomas e feridas. Esse é um texto sobre a vida.


IMG_8987A.jpg

Não leia esse texto. Ainda há tempo de desistir. Há coisas que você não deve saber e eu não quero ser portadora de más notícias. Na verdade esse é um texto bem realista. É sobre o que você não gosta, mas tem que fazer. Sobre gente que você não suporta, mas tem que aturar. Sobre machucados, hematomas e feridas. Esse é um texto sobre a vida.

Pois bem, agora que você já chegou até aqui (e eu já comecei a abrir o jogo) quero ser bem sincera: a vida não é fácil. Tudo bem, a frase é clichê e você cresceu ouvindo isso, mas tenho que reforçar. Não é fácil crescer e ser adulta não é como nas brincadeiras de casinha. Com a idade vêm as cobranças. Com as conquistas, as responsabilidades. De repente você se vê cercado de pessoas que esperam que você tenha sucesso, que escolha essa ou aquela profissão e você simplesmente não se encaixa, ou, caso se encaixe, ainda está longe de se sentir preparada.

Ah, mas isso é só o começo. Tem a parte da faculdade, dos trabalhos, provas, pesquisas, de pegar transporte lotado em um trânsito infernal, de enfrentar uma aula infinitamente chata, mas ter que suportar sorrindo, porque aquilo é o que vai garantir o seu futuro. Ok. Terminou a faculdade? Liberdade! Só que não. Vá trabalhar, na sua área, de preferência. Só tem um detalhe: o salário que te pagam não é de longe o que você sonhava e sequer dá pra cobrir todos esses anos de despesa que você teve com o curso. Pois é, a vida não é fácil. A gente rala muito e ganha pouco. A gente passa mais tempo no trabalho do que em casa. A folga termina rapidinho, mal dá tempo lavar aquela roupa, aquela louça, organizar as coisas em casa e… Pronto, acabou.

Prosseguindo. Paralelo a isso temos uma sociedade machista, preconceituosa, doente, que vai te cobrar muito e te proporcionar pouco, que vai querer que você se encaixe, que corresponda e tenha sucesso em tudo o que fizer. E tente ir na contramão, para ver só o que acontece. Ah, e não esqueça: você precisa ter uma vida social movimentada, atualizar as redes sociais, viajar no carnaval, ser legal e parecer sempre bem. Parece difícil? Pois é, mas espere até ler os jornais e perceber que o mundo é um caos total, que há fome, miséria, desgraça e que tudo é desigual.

Pois é, a vida não é fácil. E sim, é provável que você passe por boa parte do que mencionei aqui ou talvez até mais. Mas sabe, as coisas não se resumem a isso. Não é de todo ruim. E há um outro lado, sim. Os problemas virão, a barra vai ser dura e nem sempre a gente vai ter disposição, mas me diz, qual é a outra opção? O que você vai fazer diante de tudo isso? Desistir? Sentar e chorar? Ou valorizar essa chance única que você tem de fazer com que a sua vida seja diferente? Sim, nós temos opção, mas de não nos entregarmos.

A faculdade pode não ser aquele mar de rosas, mas você há de concordar de que é um momento inesquecível em nossas vidas. Ali fazemos grandes amigos, vivemos grandes experiências, crescemos como pessoas e profissionais e ganhamos uma bagagem maravilhosa que levaremos para o resto da vida. Sim, temos opção! A de escolhermos fazer algo que gostamos, de fazer por amor, para que o dinheiro seja consequência. De ir na contramão na sociedade sim, e fazer a diferença.

As notícias são ruins, o mundo está um caos e a gente sofre com o sofrimento alheio, claro. Mas ficar aí na bad remoendo isso vai ajudar a quem? Não podemos socorrer a todos os necessitados do mundo, mas podemos ajudar um vizinho, um parente, um amigo ou aqueles desconhecidos que encontramos na rua e que muitas vezes nos estendem a mão. Podemos conseguir grandes mudanças se fizermos com o coração. E podemos criar campanhas de solidariedade se quisermos que as coisas mudem de verdade.

Ah, trabalhar é cansativo e muitas vezes massacrante, mas se você der o seu melhor isso pode te render grandes resultados, inspirar pessoas e te fazer crescer. Que tal começar a pensar assim? Vai dar certo, você vai ver! E quanto aos seus sonhos, já pensou em investir neles? Já tentou sonhar alto? Sim, sua vida pode dar um grande salto. Então trace uma estratégia e trabalhe pra fazer dar certo. Mesmo que leve uma vida inteira, vale a pena. Não caia nessa de ter a mente pequena, de viver de birra, reclamando disso e daquilo.

Já que você leu esse texto, talvez agora concorde comigo. A vida pode não ser fácil, mas é muito maior do que essa nossa rotina cansativa. E às vezes é a dificuldade que nos motiva. Dá pra fazer muita coisa, sabia? E não precisa ir longe. Observe os detalhes, invista nos pequenos momentos e não transforme a dor no pior dos sentimentos. O mundo é maior do que o nosso próprio umbigo e se você chegou até aqui há de concordar comigo. Cresça, apareça e, se precisar, enlouqueça vez ou outra. Mas nunca, sob hipótese nenhuma, desapareça. A vida é muito mais. E se você aprender a ver as coisas por um outro ângulo, desenvolverá dentro de você o melhor dos sentimentos: a paz.


Bia Lopes

Autora do blog Conversa de Gente Fina e do Livro Incondicional. Publicitária e escorpiana, não necessariamente nessa ordem. Coleciono paixões, as maiores delas pela escrita, música e cinema. Inquieta por natureza e sonhadora incorrigível. De passagem por este mundo, tentando, aprendendo, vivendo..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious //Bia Lopes