entre inquietações

Sem a tranquilidade da acomodação

Bia Lopes

Autora do blog Conversa de Gente Fina e do Livro Incondicional. Publicitária e escorpiana, não necessariamente nessa ordem. Coleciono paixões, as maiores delas pela escrita, música e cinema. Inquieta por natureza e sonhadora incorrigível. De passagem por este mundo, tentando, aprendendo, vivendo.

Recomece quantas vezes for preciso

Quantas quedas levamos na vida? Quantas vezes precisamos recomeçar? Não sei quanto a vocês, mas eu já andei levando muitos tombos e alguns deles muito parecidos, inclusive no machucado. É como se a gente insistisse em pisar inúmeras vezes na mesma calçada escorregadia ou fizesse vista grossa ao batente que está sempre ali, em meio ao nosso percurso. A questão é que esses obstáculos são permanentes. Então, o que fazer? Ou a gente muda o caminho ou aprendemos a conviver.


IMG_9248.jpg

Quantas quedas levamos na vida? Quantas vezes precisamos recomeçar? Não sei quanto a vocês, mas eu já andei levando muitos tombos e alguns deles muito parecidos, inclusive no machucado. É como se a gente insistisse em pisar inúmeras vezes na mesma calçada escorregadia ou fizesse vista grossa ao batente que está sempre ali, em meio ao nosso percurso. A questão é que esses obstáculos são permanentes. Então, o que fazer? Ou a gente muda o caminho ou aprendemos a conviver.

Já cometi o mesmo erro repetidas vezes na vida, assim como já caí mais de uma vez na mesma armadilha. E nenhuma delas foi proposital. Mas o que faz a diferença é o que vem em seguida, como reagimos, como lidamos com o que está acontecendo. Muitas vezes, de tanto repetir o erro/a queda nos sentimos cansados e sem ânimo para recomeçar, como se isso fosse em vão e nosso destino acabasse por ser a volta à estaca zero - neste caso o velho e conhecido fundo do poço. Mas não é bem assim.

Do que a gente precisa mesmo é de uma reformulação, de um novo olhar e uma nova estratégia. Nem sempre mudar o caminho é possível, porque é naquele percurso que algumas pessoas caminham lado a lado com você. Mas dá para mudar algumas coisas, sim. Mais cautela na caminhada, uma pisada mais forte, um olhar mais atento ao que te fez cair e de repente as armadilhas já não têm controle sobre você, pois agora é você quem está no comando. Na vida é assim. Os problemas não desaparecerão e mudar de calçada, de rua ou de rotina nem sempre vai resolver suas questões. Saber lidar com os pormenores e entender que mesmo ali eles não mais poderão te atingir é o verdadeiro sentido da superação.

Então, que a partir de hoje você não se permita cair no mesmo bueiro nem escorregar na mesma poça d'água. Confie no seu caminhar e firme o passo decididamente, na certeza de que se algum dia você voltar ao chão será por qualquer outra razão, menos por falta de cuidado. E não esqueça: cair faz parte da vida. Ninguém está imune. Levantar, essa sim é a nossa chance de recomeçar. Recomece! Não uma, nem duas, mas infinitas vezes. Recomece sempre. Sempre que for preciso.


Bia Lopes

Autora do blog Conversa de Gente Fina e do Livro Incondicional. Publicitária e escorpiana, não necessariamente nessa ordem. Coleciono paixões, as maiores delas pela escrita, música e cinema. Inquieta por natureza e sonhadora incorrigível. De passagem por este mundo, tentando, aprendendo, vivendo..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Bia Lopes