entreletras...

Sobre o reaprendizado de vida e outras reflexões.

Adriane Pereira

É por meio da escrita que me relaciono com o mundo externo e o meu mundo interior. Bem vindo ao meu mundo que ao ser compartilhado se torna nosso. Formada em Letras.

O que aprendi com Sully

O filme Sully retrata o momento crítico vivido pelo comandante Chesley "Sully" Sullenberger e os passageiros do Voo US Airways 1549, no qual este foi obrigado a decidir em minutos realizar um pouso de emergência no rio Hudson. Durante o julgamento ocorrido dias depois, constatou-se ter sido a decisão mais acertada salvando a todos os que se encontravam na aeronave. Além disso, o trabalho em equipe e a experiência de Sully fez toda a diferença diante da situação


Sully2.jpg

Sully é um filme lançado em 2016 escrito por Todd Komarnicki e dirigido por Clint Eastwood. Tem como ator principal Tom Hanks. História real sobre Voo US Airways 1549 e vivenciada pelo comandante Chesley "Sully" Sullenberger, de 57 anos.

O filme aborda o acidente ocorrido com o avião Voo US Airways 1549, no qual o comandante foi obrigado a fazer um pouso de emergência no rio Hudson em decorrência de uma revoada de pássaros atingirem os dois motores da aeronave. Na ocasião os 155 passageiros foram salvos.

O filme merece ser assistido não só por se tratar de história real, mas também por gerar reflexões a respeito dos fatos. Eis abaixo listados 10 pontos a serem analisados e considerados como meio de aprendizado:

01. Experiência. Pode-se confirmar ter a experiência de vida e profissional de Chesley favorecido sua decisão no momento crítico do pouso forçado. Deste modo penso ser um ponto a ser analisado principalmente por todos nós no momento atual do país. Há quem deve estar pensando que com mais idade possui poucas oportunidades de trabalho dentre outras situações, no entanto, nem sempre somente a idade serve de parâmetro diante das crises. Às vezes ela pode ser um fator decisivo para contratações e decisões em situações críticas já que a maturidade é algo conquistado.

02. Dados. Os dados fazem parte da estatística, são considerados obviamente, mas até mesmo os dados podem estar errados, a exemplo do que ocorreu no filme.

03. Julgamento. O julgamento jurídico a respeito do ocorrido levava a crer falha humana. Porém, Sully novamente frente a experiência que lhe era peculiar conseguiu analisar além dos fatos e provou estarem os números equivocados. Além disso, alertou que a simulação feita desconsiderava o principal: o fator humano; ou seja a vida e as condições reais e críticas no momento do incidente. A vida real é sempre diferente daquilo que se imagina, que se supõe, ou se julga. Quem dera julgássems menos as pessoas! Ninguém vive a vida do outro para saber de fato o que se passa.

04. Simulação. A melhor simulação jamais substituirá a vivência.

Avião.jpg

05. Indução ao erro. Fatos do filme me levaram a refletir como situações mal interpretadas podem induzir ao erro. Daí a responsabilidade dos juízes, advogados, médicos e por que não de nós, pessoas comuns. Não fosse mais uma vez o discernimento do piloto estaria ele nesta hora acusado injustamente. Admiro a racionalidade do mesmo no momento vivenciado, o que no meu ponto de vista é o mais difícil de manter, já que o emocional abalado afeta as demais potencialidades.

06. Apoio. O apoio incondicional da família, em especial da esposa proporcionou à Sully passar pelo momento crítico de sua vida, apesar de todos aborrecimentos que acontecimentos assim poderiam lhes proporcionar. Apoio familiar ou de amigos é sim essencial. Há quem abandone o outro no momento mais difícil. Relacionamentos maduros apóiam-se entre si.

07. Equipe. Chesley reconheceu que tudo transcorreu satisfatoriamente por que houve um trabalho em equipe. Primeiramente de seu colega de cabine, depois dos demais tripulantes, seguido dos passageiros e equipes de socorro. A responsabilidade maior era a dele, no entanto, contou com um grupo de queria atingir um objetivo maior: salvar as pessoas.

08. Pressa. “Dá para fazer qualquer coisa sem pressa”. Frase do filme. Sully teve habilidade para decidir inclusive no momento mais crítico de sua vida. Contudo agir com calma diminui riscos e aumenta a chances de êxito.

09. Atraso. “Um atraso é melhor que um desastre”. Quantos inúmeros acidentes e mortes são causados por pessoas que pagam com a vida e tiram a vida de outras pessoas por que querem chegar rapidamente em algum lugar a todo custo, sem medir conseqüências?

10. Comprometimento. Sully foi um profissional dedicado, comprometido, respeitoso, ético, possuía senso de equipe. Qualidades fundamentais a qualquer profissional e em maior grau àqueles que lidam com vidas.


Adriane Pereira

É por meio da escrita que me relaciono com o mundo externo e o meu mundo interior. Bem vindo ao meu mundo que ao ser compartilhado se torna nosso. Formada em Letras..
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Adriane Pereira