epílogo

sobre mídia, sobre comportamento, sobre vida

Thais Moraes

Apaixonada, minimalista e analítica. Comunicóloga, Coach e Marketing Planner, tem a reflexão crítica como motivador cotidiano.

Diversidade na cultura Pop: somos bem representados? – PARTE I

Existem duas ou mais mulheres com nomes? Elas conversam entre si? Elas conversam entre si sobre algo que não seja um homem?


diversidade.png

Essas são as três perguntas que uma personagem da tirinha Dykes to Watch Out For, criada por Alison Bechdel, nos anos 80, se faz antes de ver algum filme. É o famoso Teste de Bechdel. Mais de três décadas se passaram, mas a maior parte das produções cinematográficas, animes, mangás, desenhos animados, enfim, toda uma cultura visual e literária ainda não consegue responder essas três questões de forma positiva. Algumas coisas mudaram, evoluíram, mas outras, nem tanto.

Cinema

Para iniciar a reflexão: mulheres dirigiram apenas 7% dos 250 maiores filmes de Hollywood no ano passado (2014). Enquanto 85% de todos os filmes norte-americanos lançados foram dirigidos por homens. As informações são de uma pesquisa divulgada pelo jornal britânico The Guardian.

Como o universo feminino pode ser bem representado, e personagens possam ser construídas de forma com que as mulheres se identifiquem (ou queiram ser iguais a elas), se quase sempre são os homens que fazem esse trabalho? Do que, afinal, eles entendem sobre nós? – nada. Esse é o ponto. As mulheres são representadas, e são representadas de várias formas: de acordo com a ideia a qual os homens que trabalham naquela determinada produção acreditam ser uma verdade; o público feminino daquela determinada produção é negligenciado, não parecendo necessário para eles que as mulheres sejam representadas; a produção é feita exclusivamente para homens, e as mulheres são colocadas ali apenas para agradá-los.

O mesmo acontece com outros universos: dos homossexuais, dos trans, dos religiosos não tradicionais (que não são católicos), etc. Os homossexuais e trans sempre são colocados em questões como: estou me descobrindo/ meus pais não me aceitam/ eu não me aceito/ o mundo não me aceita. Personagens que seguem religiões não cristãs são colocadas para “os caras maus”, ou é mostrada como uma religião estranha, não aceita.

O pote de ouro

A intenção do artigo não é fazer propaganda. Mas, sim, fazer uma análise desse universo. Como visto acima, a diversidade é sempre tratada nas produções cinematográficas com seus estereótipos, e essa é a ponta solta que a Netflix tem reparando, principalmente em suas próprias produções. Essa nova abordagem, a de colocar a diversidade em pé de igualdade (de ser normal) com a “vida padrão” só foi possível por conta de seu sistema simplesmente não depender de audiência, de número de tickets vendidos. Nisso, encontraram o pote de ouro: esses seriados estão fazendo sucesso, muito sucesso.

O seriado Sense8 é o melhor exemplo disso. Nele oito pessoas, que não se conhecem e moram bem distantes uma das outras, são conectadas mentalmente. Mas abordar as sensações, sentimentos e habilidades sensoriais vão além dessa conexão: "somos todos seres humanos, e todos nós vivemos, amamos, e sentimos”, disse o ator Naveen Andrews. E como amam e vivem esses personagens!

Entre os personagens há um casal de homens homossexuais e um casal formado por uma transexual e uma mulher. Há cenas quentes, mas os personagens não são, em nenhum momento, tratados com os estereótipos. São personagens importantes que possuem papéis importantes na história e que suas vidas particulares, suas características, seus gostos e escolhas não entram no enredo: eles estão ali, vivendo, e ponto.

Em Jéssica Jones, a personagem principal foge de todos os cubículos que as mulheres já foram colocadas na história da sétima arte: ela não precisa sorrir pra ser bonita, não precisa se vestir de forma sensual para convencer pessoas e fazer seu trabalho de investigadora e não precisa mostrar que é heterossexual pela forma de se vestir. E um ótimo ponto que a Netflix corrigiu: a moça foi estuprada, e quando encontra o “cara”, ela o pressiona:

- você me estuprou!! – mas você gostou – eu não gostei e eu não consenti. OBS: no HQ não existe esse diálogo, eles simplesmente deixam passar.

O próximo artigo discorrerá sobre o universo dos mangás, HQs e animes.


Thais Moraes

Apaixonada, minimalista e analítica. Comunicóloga, Coach e Marketing Planner, tem a reflexão crítica como motivador cotidiano..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Thais Moraes