Episódica

Cinema, literatura e o amor da palavra.

Grégor Marcondes

Formado em Direito, advogado, gosta de literatura, cinema e cultura em geral.

Os verdadeiros monstros de O Labirinto do Fauno

Vemos que o mundo paralelo que Ofélia paulatinamente mergulha é repleto por estranhas e surreais criaturas que incluem desde um sapo gigante a um ser espantoso que possui longas garras negras e olhos nas palmas das mãos. Entretanto, dentre todas as criaturas bizarras do filme nenhuma se compara ao padrasto de Ofélia. Sim, o mundo real que a garota vive se mostra muito mais sem sentido que o imaginário e o homem que deveria ser seu guia nesse mundo real é na verdade mais um monstro capaz de fazê-la se perder facilmente num labirinto de sangue e crueldade.


O-Labirinto-do-Fauno (1).jpg Quando assisti ao Labirinto do Fauno a primeira vez pouco entendi do filme e sai com a sensação de que se tratava de um filme de conto de fadas apenas mais sombrio que o normal para esse gênero de fantasia e com um cunho histórico interessante. Os anos passam e as esquinas da vida, para o bem ou para o mal, nos ensinam várias coisas e com sorte nos transformam em pessoas mais maduras. Esse processo faz com que tenhamos visões diferentes de coisas iguais. Quero acreditar que é isso que acontece comigo cada vez que novamente assisto ao Labirinto do Fauno. O Filme escrito, dirigido e produzido pelo mexicano Guillermo Del Toro em 2006 (quem diria já se vão dez anos!) surpreendeu pelos cenários sombrios e efeitos visuais, vindo a ganhar três merecidos óscares na época (melhor direção de arte, melhor fotografia e melhor maquiagem). A história muito bem elaborada e o pano de fundo também fizeram os críticos tecerem agradáveis elogios para a produção de Del Toro. Para quem ainda não assistiu: a história da obra gira em torna da garota Ofélia, que acabará de perder o pai e se mudará para a casa do padrasto juntamente com sua mãe que está grávida desse. O filme é ambientado numa Espanha hostil, paranoica e devastada pela Guerra Civil em meados de 1944. O Padrasto de Ofélia é um sádico e autoritário capitão do exército espanhol encarregado de encontrar e exterminar núcleos de resistências que se articulavam contra o ditador/general Francisco Franco que governou com mãos de ferro a Espanha de 1939 até 1973. Já a mãe da garota é uma mulher submissa e medrosa, que ainda por cima encontra-se cada vez mais doente durante a gravidez e em decorrência dessa. Todo esse cenário acaba por isolar Ofélia do mundo real. Como consequência, essa começa a viver cada vez mais em um mundo imaginário habitado por criaturas surreais e monstruosas. Dentre esses se encontra o “Fauno”, um ser mitológico metade bode metade humano que tem como principal objetivo servir de guia para a inocente e desprotegida menina para que essa não se perca pelos suntuosos labirintos do mundo. Mas de qual dos mundos Ofélia precisava de proteção? O-Labirinto-do-Fauno3.jpg Vemos que o mundo paralelo que Ofélia paulatinamente mergulha é repleto por estranhas e surreais criaturas que incluem desde um sapo gigante a um ser espantoso que possui longas garras negras e olhos nas palmas das mãos. Entretanto, dentre todas as criaturas bizarras do filme nenhuma se compara ao padrasto de Ofélia. Sim, o mundo real que a garota vive se mostra muito mais sem sentido que o imaginário e o homem que deveria ser seu guia nesse mundo real é na verdade mais um monstro capaz de fazê-la se perder facilmente num labirinto de sangue e crueldade. 70d5e7e6ac6df0a4c65c0b9d87a112e4_2_jpg_640x480_upscale_q90.jpg Assim, por mais que o filme nos mostre um mundo surreal e bizarro, como aquele imaginado pela garota, esse perde espaço para as bizarrices cometidas no mundo real. A Guerra Civil espanhola deixou um saldo de centenas de milhares de mortos, assim como os demais regimes totalitários que varreram a Europa na metade do século XX. Tais regimes demonstram que nossa realidade pode ser mais surreal que qualquer ficção e que seus Homens são facilmente mais bizarros que qualquer monstro transportado dos contos de fadas mais sombrios. Por essa razão, o pior monstro para Ofélia não são aqueles que ela encontra em seu mundo imaginário e sim aqueles que ela se depara quando retorna a realidade. O mundo real pode ser fisicamente mais compreensível, mas é mais sombrio e triste para ela que qualquer outro. Talvez seja por isso que ela prefira o Fauno a seu padrasto. Talvez seja por isso que ela prefira abandonar esse mundo para mergulhar no outro. Nos labirintos daqui é mais fácil de se perder e podem terminar em caminhos mais cruéis, frios e sombrios. Diante de tudo isso, quem poderia julgar Ofélia por querer viver em um mundo que só existia em suas fantasias? R0001073.jpg


Grégor Marcondes

Formado em Direito, advogado, gosta de literatura, cinema e cultura em geral..
Saiba como escrever na obvious.
version 8/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Grégor Marcondes