Tainara Gomes

Sou o que costumo classificar como: pararelo entre a fantasia e a realidade.

Você não sabe o que é melhor para o outro!

Embora possa parecer uma preocupação ou qualquer coisa que classifiquem como ''bem querer'', tentar guiar os rumos de uma vida que não seja a nossa é totalmente invasivo e injustificável; Não importa se é o futuro dos nossos filhos, irmãos, sobrinhos, namorado(a) ou amigos, não importa, não temos esse direito. Não interessa se você é feliz na sua profissão, conseguiu estabilidade e conforto com ela, esse é seu ideal, tentar aplicar isso na vida de alguém é desconsiderar a relatividade da felicidade e da realização, ambas são conceitos pessoais.


oz obvious.jpg

No final do ensino médio é comum toda uma agitação acerca dos vestibulares e do Exame Nacional, eu estava muito agitada com aquilo tudo antes mesmo das datas das provas serem anunciadas. Era um misto de ansiedade e pavor extremo na minha mente e da maioria dos colegas, formava no ar uma densa nuvem de poeira que cuidadosamente transformava-se em uma interrogação: ''será que vou ser aprovado no vestibular?''. No entanto, no meio da turma tinham os alunos que não estavam preocupados em cursar uma faculdade, naquela época aqueles colegas foram incompreendidos não só pelo restante da turma mas também pelos professores. Estávamos impondo as nossas perspectivas da vida acadêmica sem compreender o quanto aquilo era pessoal.

Embora possa parecer uma preocupação ou qualquer coisa que classifiquem como ''bem-querer'', tentar guiar os rumos de uma vida que não seja a nossa é totalmente invasivo e injustificável; Não importa se é o futuro dos nossos filhos, irmãos, sobrinhos, namorado(a) ou amigos, não importa, não temos esse direito. Não interessa se você é feliz na sua profissão, conseguiu estabilidade e conforto com ela, esse é seu ideal, tentar aplicar isso na vida de alguém é desconsiderar a relatividade da felicidade e da realização, ambas são conceitos pessoais.

Imposições também são comuns quando o assunto é filhos e a formação de uma família. Embora o preconceito contra os que escolherem não ter filhos ou casar-se seja menor atualmente, ele ainda existe. Já ouvi pessoas falarem de forma espantada: ''você não quer casar?''. Como se casamento fosse credibilidade de uma vida feliz. Em relação a ter filhos, vejo muito mais uma certa preocupação em deixar descendentes e ter um cuidador na velhice do que qualquer outra coisa, é totalmente egoísta pensar assim. Por isso existem pais que queixam-se da falta de zelo dos filhos, não percebem o quanto idealizaram pretensões em uma vida a qual não os pertencem, filho não é posse, nem um robozinho programado para realizar nossas vontades. Isso explica aquela famosa frase: ''onde foi que eu errei?''. Errou em idealizar uma vida que não te pertence. E sobre ter ou não ter filhos, é uma escolha, não é a tradução da felicidade, ao menos que tenha sido escolhida. Deixando claro, família é quem você escolhe para viver, conceitos de formação familiares são inúteis, querer exaltar sua importância também.

A mesma falta de incompreensão sofrem os que admiram a vida solitária, é sempre bom ressaltar: solidão e tristeza são coisas totalmente diferentes, embora muitas vezes deem as mãos uma a outra. Se foi uma escolha ser solitário, então essa é a felicidade do indivíduo. Querer desrespeitar o modo de vida que o agrada, não interessa suas boas intenções, é desrespeitoso. Se não é uma escolha ou for algo que deixe a pessoa totalmente entristecida, aí sim é válido oferecer sua companhia, caso seja aceita, nunca force a barra porque a natureza da intenção se inverte.

Não fazer idealizações acerca de uma vida, que não seja a sua, é a maior demonstração de respeito que podemos dá a liberdade. Nunca tente moldar a forma que o outro constrói o seu castelo, respeite, mesmo que fique assustado com a probabilidade dessa construção ruir, ele não é seu. Cultivar essa atitude também poupa frustrações e falsas perspectivas. Agindo dessa forma também estamos cultivando um mundo mais tolerante e relações mais saudáveis.


Tainara Gomes

Sou o que costumo classificar como: pararelo entre a fantasia e a realidade..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious //Tainara Gomes