Lucas B. Friedmann

‎"I want to stay as close to the border as I can without going over.
Out on the edge you see all kinds of things you can't see from the center." Kurt Vonnegut (1922-2007)

Eu escrevo porque (eu não entendo e nem sei como explicar) era
o que eu sempre quis fazer, mesmo antes de saber escrever

kilgore trout e as estórias que kurt vonnegut não escreveu

Kurt Vonnegut foi um prestigiado escritor norte-americano, sobrevivente do bombardeio de Dresden (ainda durante a Segunda Grande Guerra), autor do cultuado "Matadouro Cinco", entre outros livros. Kilgore Trout era uma de suas personagens, um escritor de ficção científica sem sucesso e sem reconhecimento, autor de algumas estórias muito interessantes.


Kilgore Trout foi uma personagem criada pelo escritor norte-americano Kurt Vonnegut e que apareceu de modos diferentes (e até mesmo com descrições diferentes) em vários de seus livros. Alguns dizem que Kilgore Trout seria uma personagem inspirada no escritor de ficção científica Theodore Sturgeon, enquanto outros acreditam que seja de fato um alter ego do próprio autor (mas essa discussão será tema de outro artigo). O fato marcante é que em várias situações ao longo da obra de Kurt Vonnegut são apresentadas citações de estórias de ficção científica atribuídas a Kilgore Trout. Algumas delas muito interessantes...

[Kilgore Trout apareceu pela primeira vez no livro God Bless You, Mr Rosewater, de 1965, e depois sucessivamente em vários outros livros de Kurt Vonnegut. Galapagos, publicado em 1985, foi narrado pelo filho único de Trout, Leon Trotsky Trout, e também o cita. Em alguns livros ele funciona como uma personagem coadjuvante enquanto em outros ele assume papéis mais importantes nas tramas. Ele também aparece em textos de outros autores e lhe foi atribuída, por exemplo, a autoria de Venus on the Half-Shell (escrito na verdade por Philip José Farmer).]

trout-01.png

Em Slaughterhouse Five (or the Children's Crusade), de 1969, é citado um livro envolvendo um tema bastante polêmico e intitulado The Gospel from Outer Space. Essa estória de Trout conta que um alienígena vindo do espaço exterior havia feito um estudo sério e profundo sobre o Cristianismo, tentando entender (porque ele talvez não fosse capaz) por que os cristãos manifestavam uma espécie de facilidade para se mostrarem cruéis com relativa facilidade. E esse alienígena acabou por desenvolver uma tese sobre os evangelhos.

Esse alienígena argumentava que os evangelhos haviam errado em seu objetivo de sugerir as pessoas um modo correto de levarem suas vidas. A crucifixão de um homem que era o filho de Deus não era algo que surtiria o efeito desejado. Isso sugeriria que "antes de crucificarem alguém, verifiquem se ele não tem amigos poderosos". O correto seria crucificar uma pessoa sem poderes e sem amigos influentes. Daí sim estaria sendo passada a mensagem correta, de que todas as pessoas devem ser igualmente respeitadas.

Em God Bless You, Mr Rosewater, de 1965, é citada uma brochura que lida com sexo, Venus on the Half Shell, no qual a rainha Margaret do planeta Shaltoon, em uma cena quente da estória, se oferece a um viajante espacial. Esse viajante diz que no dia seguinte seguirá sua viagem e que a oferta é tentadora, mas que não é exatamente o que ele procura. (Em 1975, o escritor Philip José Farmer lançou um livro com esse título atribuindo inicialmente a autoria a Kilgore Trout e criando uma certa confusão que acabou sendo esclarecida tempos depois.)

trout-02.png

Em Slaughterhouse Five também é citada uma estória de Trout sobre uma árvore de dinheiro. As suas folhas eram notas de vinte dólares e suas flores eram títulos do governo e suas frutas eram diamantes. Essa árvore teria atraído a atenção de pessoas ambiciosas e gananciosas que brigaram entre si próximo às raízes dessa árvore, que se mataram por conta dessas brigas e que acabaram se transformando em um eficiente fertilizante.

E em Galapagos o filho de Trout cita uma de suas estórias na qual um homem construía robôs que eram exímios esportistas. Um de seus robôs era um golfista e acertava as bolas sempre com uma única tacada. Outro deles era um tenista que servia apenas "aces". Quem iria querer esses robôs? Esse homem acabou fazendo fortuna quando esses robôs passaram a fazer propagandas de carros e de cigarros e assim por diante, porque todos daí queriam ser como eles.

trout-03.png

Em Breakfast of Champions é citada a estória de Zog, um alienígena que chega em um disco-voador e que quer contar como as guerras podem ser evitadas e como o câncer pode ser curado. Zog vem do planeta Margo, onde as pessoas se comunicam peidando e sapateando. Quando Zog chegou à Terra ele viu uma casa em chamas e correu à casa para avisar seus ocupantes. O dono da casa, vendo aquela criatura sapateando e soltando gases, acertou-lhe a cabeça com um taco de golfe.

Em Breakfast of Champions aparece também um comentário sobre como Trout odiava políticos. Ele escreveu uma estória sobre um macaco otimista que se tornou o Presidente dos Estados Unidos. Essa estória foi intitulada Saudações ao Chefe.Ele usava um blazer azul com mangas bastante longas e que tinha um botton da presidência em um bolso no peito. Em todos os locais onde ele ia, as bandas tocavam "saudações ao chefe" e o macaco adorava e os acompanhava pulando.

Haveria ainda The Protocolols of the Elders of Tralfamadore, citada em Hocus Pocus sem ser atribuída diretamente a Kilgore Trout. Nessa estória, os "anciãos de Tralfamadore" pretendem colonizar outros planetas com viroses e bactérias terrestres, inclusive referindo-se a eles como "candidatos a astronautas". Tralfamadore é um planeta que é citado em God Bless You, Mr Rosewater e que é parte importante nas tramas de Slaughterhouse Five e The Sirens of Titan.

Há citações ainda de outras estórias criadas por Kilgore Trout e em livros de Kurt Vonnegut e em livros de outros autores. Há também estórias que foram "citadas", pelo gosto (ou pelo artifício literário) de Vonnegut de passar alguma mensagem desse modo. Sempre estórias com uma boa carga de sátira e de bom humor.


Lucas B. Friedmann

‎"I want to stay as close to the border as I can without going over. Out on the edge you see all kinds of things you can't see from the center." Kurt Vonnegut (1922-2007) Eu escrevo porque (eu não entendo e nem sei como explicar) era o que eu sempre quis fazer, mesmo antes de saber escrever.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Lucas B. Friedmann