Lucas B. Friedmann

‎"I want to stay as close to the border as I can without going over.
Out on the edge you see all kinds of things you can't see from the center." Kurt Vonnegut (1922-2007)

Eu escrevo porque (eu não entendo e nem sei como explicar) era
o que eu sempre quis fazer, mesmo antes de saber escrever

trinta anos de 'la mano de diós'

O futebol é um dos esportes mais populares do mundo! Talvez por se prestar como uma metáfora bastante interessante da vida. Talvez por sempre conseguir se reinventar, mesmo diante de crises muito graves. Certamente pelas suas personagens... entre elas está o argentino Maradona e seu gol irregular marcado contra a Inglaterra na Copa de 1986.


O futebol é um dos esportes mais populares do mundo!

O futebol pode ser apreciado como um interessante metáfora à própria vida. Existe a preparação para os jogos, existe a estratégia, existem as diferenças de qualidade e de técnica, existe o próprio jogo em si, quando apesar de toda preparação, quase qualquer coisa pode acontecer. E é talvez justamente esse "imponderável" que faz do futebol o que ele representa atualmente.

O futebol, pelo interesse que desperta nas pessoas que participam de suas várias etapas, consegue se reinventar de vários modos diferentes ao longo do tempo e com isso supera mesmo as mais duras crises. Nos últimos meses, vários dirigentes da federação que organiza competições futebolísticas foram indiciados por corrupção em vários níveis, mas o futebol continua.

Quando os críticos imaginavam que o futebol tinha se tornado previsível, cerca de dez a quinze anos atrás, tendo possivelmente se reduzido a um embate de esquemas táticos, surgiu o Barcelona treinado por Pep Guardiola, com um futebol compassado e com um esquema muito agressivo, com um time jogando de modo muito compacto e valorizando como nunca antes a posse de bola.

E quando Pep se despediu do Barcelona, o próprio Barcelona se reinventou e seguiu vencendo. E Pep foi para a Alemanha e lá também influenciou decisivamente um futebol reconhecido por ser pragmático e que recebeu ali algum tempero de um estilo muito mais vibrante. E agora Pep vai entrar no futebol inglês e sabe Deus o que poderá surgir dessa experiência.

Certamente as personagens e os episódios que fazem o futebol são as que mais contribuem para sua popularidade. E entre tantos, está Maradona e seu gol irregular marcado contra a Inglaterra nas quartas-de-final da Copa do Mundo de 1986. Era o dia 22 de junho, Estádio Azteca, cidade do México. O mesmo local onde dezesseis anos antes, a seleção brasileira se sagrava tri campeã.

la-mano-de-dios.jpg

Ironicamente, o segundo gol de Maradona nesse jogo foi escolhido no início do século XXI como o "gol do século" entre tantos gols marcados ao longo das Copas disputadas no século XX. Esse segundo gol selaria o resultado da partida em 2 a 1, estabelecendo a desclassificação da seleção inglesa. A seleção argentina seguiria em frente e se sagraria campeã contra a Alemanha.

É claro que um juízo imparcial acaba estando disponível apenas aos não-argentinos e aos não-ingleses. Teria sido de fato uma obra de arte? Teria sido um ato deliberadamente ilegal? Mas como o jogador deveria proceder em tal situação? É difícil exercer esse "juízo imparcial" quando não se é o protagonista e quando um lance como esse já transcendeu seu próprio momento histórico.

Bem... no caso do próprio jogador reconhecer que teria sido um ato deliberadamente ilegal, ele próprio, passado o calor e a passionalidade do momento do jogo e ainda durante o jogo, nos instantes posteriores ao lance, deveria se pronunciar indicando a irregularidade no lance e na consequente validação do gol. "Mas seria justo exigir isso?", algum comentarista diria.

Justo seria esperar que não fosse utilizada a mão mas sim a cabeça. O próprio Maradona teria assumido em entrevista que aquele gol teria sido marcado em parte com a cabeça e em parte com "la mano de diós".

Justo então, diante de tamanha genialidade técnica, admirada por comentaristas e temida por seus rivais, seria que de fato concluísse com a cabeça e que dispensasse qualquer ajuda. Mesmo que se tratasse de uma "ajuda divina"!

Interessante disso tudo é que vivemos tempos nos quais esses posicionamentos vêm sendo frontalmente questionados, "escutas telefônicas" vêm sendo divulgadas e mostram a face mais sórdida de governantes e pessoas públicas, tempos nos quais os costumes menos nobres vêm sendo revelados, questionados, condenados, entendidos. E que infinitas câmeras revelam tudo que ocorre em campo.

E a sensação é que esses trinta anos desde "la mano de diós" se passaram rápido demais... parece mesmo que nada (ou muito pouco) mudou!

P.S. Para quem tiver interesse, o filme disponível em https://youtu.be/G-bHxP9_lyc mostra um trecho de um documentário de um canal de TV a cabo especializado em esportes e que mostra o gol do século, o segundo gol de Maradona nessa partida, entre 0:28 e 0:42. Os depoimentos também são interessantes!


Lucas B. Friedmann

‎"I want to stay as close to the border as I can without going over. Out on the edge you see all kinds of things you can't see from the center." Kurt Vonnegut (1922-2007) Eu escrevo porque (eu não entendo e nem sei como explicar) era o que eu sempre quis fazer, mesmo antes de saber escrever.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious //Lucas B. Friedmann