escreviagem

Para compreender as entrelinhas há que viajar no trânsito das opiniões.

Klash

Turismóloga e entusiasta da escrita. Inconformada por natureza, cheia de opiniões formadas e em formação. Adora dar pitacos onde não foi chamada e odeia escrever dela mesma na terceira pessoa

Reggae Roots - Capoeira - Alex Tea e a Banda Kiwi (New Jersey-USA)

Alex Tea, é a globalização em forma de gente. Nascido na Rússia, criado nos Estados Unidos e apaixonado pelo Brasil, uma mistura interessante que deu muito certo. Sempre bem acompanhado por excelentes músicos, disseminou a semente do reggae por onde passou, e reggae dos bons!


Se curte reggae, indico sem receio que conheça a banda Kiwi. Alexander Tyshkov (guitarra, vocal e composição), mais conhecido como Alex Tea, é a globalização em forma de gente. Nascido na Rússia, criado nos Estados Unidos e apaixonado pelo Brasil, uma mistura interessante que deu muito certo. Sempre bem acompanhado por excelentes músicos, disseminou a semente do reggae por onde passou, e reggae dos bons!

AlexTea2.jpg

  Alex Tea, foto: Dante Lara

No site oficial estão disponíveis músicas para que possa escutar e conhecer o som, indico que escutem ao menos “Calico”, “Cure” e “Sun Never Set” para entrar no ritmo da Kiwi.

Surgiu em meados de 2005, antes Kiwi The Child, hoje apenas Kiwi. Contou originalmente com sua amiga desde o segundo grau, Vera Sousa, uma adorável portuguesa também criada nos EUA, que dividiu os vocais com Alex, dois talentos em comunhão, que tive a feliz oportunidade de testemunhar em um de seus shows no Brasil, na cidade de Fortaleza, abrindo o show de ninguém menos que Groundation. Hoje, Vera segue carreira na banda The One & Nines, de Nova Jersey, mas ainda pode ser vista em apresentações do Kiwi como participação especialíssima, além de ter participado em algumas faixas do mais novo álbum da banda. Afinal, é essa a marca registrada da Kiwi, promover encontros, compartilhar, gerar energias positivas e criativas traduzidas em novas canções e versões.

E assim começou a Kiwi...

No próximo vídeo temos a música Aprendiz (Ciromental/Alex Tea), gravada no Estúdio Cambuci Roots em São Paulo no ano de 2011, uma das poucas totalmente em português.

A intimidade entre Alex e a música vem de muito cedo, desde a barriga de sua mãe, filho de pianista, neto de violinista, foi envolvido de maneira intrínseca à música clássica. Ainda na infância, por volta dos 11 anos de idade, bandas de rock dos anos 90 como o Nirvana, passaram a fazer parte de suas preferências. Na adolescência, Jimi Hendrix e Beatles ganharam sua atenção. Tocou em algumas bandas de hard rock e sua bagagem foi ficando cada vez mais rica e diversificada. Seu contato mais significante com o reggae foi através de Burning Spear, representante do reggae roots e da cultura rastafári. Desde então se dedicou ao gênero.

Em uma de suas inúmeras visitas ao Brasil, há aproximadamente uma década, Alex conheceu a banda de reggae Faculdade Mental em Fortaleza, e esse era apenas o primeiro de muitos encontros musicais que estariam por vir. Segundo o cantor, foi aqui também que conheceu sua segunda esposa, a capoeira. Que por vezes enciuma a primeira, que é a música. Mas afirma que elas sempre fazem as pazes em uma boa roda.

kiwi1.jpg

Hoje, além de frontman da banda Kiwi, Alex é instrutor de capoeira em New Jersey, diz sentir imenso orgulho e prazer em semear a cultura que tanto admira em seu país de residência. Seu envolvimento com a capoeira não é superficial, seus elementos são traduzidos vivamente em sua busca pelas raízes, pois acredita que a capoeira tem o poder de nos remeter à nossa própria essência e contribuir para o desenvolvimento das relações entre todos os envolvidos. Nas palavras do próprio “Nem me imagino sem a capoeira, quem eu seria? É difícil me separar dela.” – deixa a música ouvir isso...

Toda essa busca pelas raízes refletiu os primórdios do reggae nas canções da Kiwi, pois podemos facilmente identificar em muitas de suas canções e arranjos uma pegada ska e rocksteady (gêneros que precedem o reggae). A Kiwi conta com a contribuição pessoal de cada um de seus integrantes, enriquecendo o conjunto da obra.

kiwi4.jpg

E por falar nos integrantes, são eles: Alex Tea, guitarra e voz (como já sabem), Ramsey Norman, batera e harmonias vocais, que frequentou uma tradicional escola de jazz e recebeu inspiração direta de Elvin Jones, influente baterista na história do jazz. Steve Capecci, no baixo, leva o título de enciclopédia do reggae, tendo compartilhado o palco com diversos artistas influentes nos EUA. E ainda temos David Stolarz no teclado, Barami Waspe no sax, Robert Edwards e Pablo Rodriguez no trombone, Joshua David na guitarra, baixo e vocal e Mike Torres na percussão. Uma Senhora Banda!

Confira aqui o álbum mais recente da Kiwi, “A Room With a View”.

kiwi-a-room-with-a-view.jpg

E as influências brasileiras? Bem, Alex é profundo apreciador de Chico Buarque e considera todo o conjunto de sua obra uma referência. Mas não fica por aí, a sua admiração pela música brasileira recebe inúmeros representante, entre eles: Jorge Ben, Novos Baianos, Bezerra da Silva, Cartola, Dorival Caymmi, Gilberto Gil, Luiz Gonzaga e Elza Soares que dispensam maiores apresentações. Cita ainda bandas contemporâneas como Saulo Duarte e a Unidade, ganhadores do 26º Prêmio da Música Brasileira como o melhor grupo na categoria canção popular e Daniel Groove, que esbanja talento e poesia. Galera relativamente nova (e boa!) na cena musical, mas que assim como a banda Kiwi, estão na estrada há anos acumulando experiência e inspiração na bagagem. Todos são bons amigos e promovem encontros musicais sempre que possível.

Um outro projeto em terras brazucas está em andamento. O conteúdo passa por fase de masterização e em breve estará disponível para streaming e download gratuitos no site orquestra.net, mas já podemos acompanhar o progresso pela página do projeto chamado “Orquestra Raiz” é uma co-produção entre Alex Tea e Klaus Sena e será lançado no Brasil pelo Klaus Haus Studio e a YB Music. As músicas são parcerias do compositor Alex Tea com artistas, letristas, músicos e poetas nacionais, que nos remetem, naturalmente, a mais raízes, só que dessa vez com forte referência às nossas raízes, as brasileiras, com muita cuíca, flauta, violão e cavaquinho. Sambinha raiz e choro com uma pegada reggae. As buscas são pelas origens, nada tem a ver com a estilização de gêneros, é algo que pode soar antigo, mas que nos faz sentir algo novo, talvez seja porque essa qualidade de música esteja mesmo em falta em nosso mercado atual. O álbum já tem promessas de lançamento para esse ano, com o título “As Americas”.

oraiz.jpg

Esse projeto promete!

Enquanto aguardamos o lançamento, poderemos conferir Alex Tea ao vivo em São Paulo no dia 27/08/2015. Alex estará no Espaço Cultural Serralheria se apresentando como Alex Kiwi & Massa Rara (Saulo Duarte, João Leão, Klaus Sena e Beto Gibbs) com participação mais que especial do percussionista Túlio Bias e abertura com a cantora paraense Luê. Uma música inédita que estará no álbum "As Americas" da Orquestra Raiz, "Bamba", será apresentada nessa noite. Torcendo para estar na Terra da Garoa nessa data (caso meu chefe esteja lendo esse artigo... #ficaadica #duvidomuito).

Depois de tanta mistura, Alex diz que o gênero musical produzido pela Kiwi seria Reggae Fusion ou um Roots Reggae Fusion. Reforçando uma vez mais a perspectiva da união, do compartilhar, onde o reggae pode de fato fundir-se com tudo o mais que seja bom.


Klash

Turismóloga e entusiasta da escrita. Inconformada por natureza, cheia de opiniões formadas e em formação. Adora dar pitacos onde não foi chamada e odeia escrever dela mesma na terceira pessoa .
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/musica// @destaque, @obvious //Klash