espaço da música

sobre a boa e sempre atual música popular brasileira

Gabriel Elias

Altemar Dutra: relembrando o Trovador das Américas

Em tempos em que a juventude assimilava o rock dos Beatles e sofria influência da cultura norte-americana, o jovem de Aimorés Altemar Dutra encantava uma geração com seu saudosismo: "Sonhei que eu era um dia um trovador dos velhos tempos que não voltam mais...". Altemar Dutra se tornou reconhecido em toda a américa latina como "O Trovador das Américas".


Há 32 anos, em um ensaio para um show que faria em Nova Iorque, o cantor brasileiro Altemar Dutra falecia e deixava de forma prematura sua carreira de vinte anos de sucesso ininterrupto. Foi ao som de "El dia que me quieras", clássico de Gardel, que ele se despediu. Assim se foi o renomado "trovador das Américas".

Reconhecido como o trovador, pela sua forma clássica de interpretar serestas, boleros e sambas, fez da composição "O Trovador" um dos seus maiores sucessos. Composta pela dupla Jair Amorim e Evaldo Gouvêia, ela falava sobre o antigo Rio de Janeiro, o tempo das serenatas debaixo das janelas das belas moças de família: "Sinhá mocinha de olhar fugaz, se encantava com meus versos de rapaz".

Jair Amorim, compositor mais frequente em todo o repertório do artista, foi quem o levou ao Rio, onde Altemar tinha que cantar escondido, pois ainda era menor de idade. Com sua voz potente, deu vida a um estilo musical que estava em decadência com as novas ondas e bossas surgidas naqueles anos modernos de 1960.

Em tempos em que a juventude assimilava o rock dos Beatles e sofria influência da cultura norte-americana, o jovem de Aimorés encantava uma geração com seu saudosismo: "Sonhei que eu era um dia um trovador dos velhos tempos que não voltam mais. Cantava assim a toda hora, as mais lindas modinhas do meu Rio de outrora...".

Altemar Dutra não só sonhou que era um trovador, ele era o Trovador. Sem grande formação musical, pela sua infância simples no interior de Minas, seus professores musicais eram os cantores do Rádio (da era de ouro do rádio brasileiro) e os antigos discos. Talvez sem saber, fez um retorno e uma lembrança ao Trovadorismo, período fundamental para o estudo da literatura que influenciou o Brasil, principalmente na sua musicalidade. Como se retornasse à Idade Média, na forma de um romântico é claro, ele lembrou poesias líricas, os poemas cantados que, acima de tudo, se importava apenas no "amor pelo amar", na sedução pelo olhar, na figura que inspirava admiração e amor impossível entre um plebeu e uma nobre, assim como um amor platônico.

Quando suas interpretações não se tratavam dos amores naturais e espontâneos, às vezes aproveitava para colocar uma ou outra palavra rebuscada, ou lembrar formas de se tratar não tão comuns na música de seu tempo ('Tu', segunda pessoa do singular). Outra característica deste período musical foi o ressurgimento do ambiente rural em suas músicas. Quando não falavam de histórias simples do interior, falavam de pequenos meios urbanos. Altemar interpretou as marchinhas de carnaval de Dalva de Oliveira, grande influência musical para sua formação, lembrou o sofrimento de Silvio Caldas em “A deusa da minha rua” e sofreu com “Risque” de Ary Barroso. Seguem aqui os seus maiores sucessos: “Brigas”, “A Pretendida”, “Somos iguais”, “Meu velho”, “Que Queres Tu de Mim”, “Sentimental demais” e “Tudo de mim”.

2ef7e-esperar.jpg

Dessa forma, Altemar Dutra anunciou o retorno ao romantismo de um trovador e ao drama – um tipo de música que expressava dor e sentimentos. Com versos simples de Jair Amorim e Evaldo Gouvêia, mesclou o samba com bolero, influenciando cantores do seu tempo (a exemplo de Roberto Carlos), e nos deixou com uma rica obra em português e espanhol: discos duplos, coletâneas, compactos e LP's de projetos especiais.

A obra de Altemar ficou, embora seja esquecida pela massa das novas gerações que, na sua maioria, não percebe a riqueza musical brasileira ou assimila melhor as modernas baladas dançantes que vêm e que já vão passar. Por razão deste esquecimento, faz-se fundamental que chegue ao conhecimento, principalmente, dos mais jovens a riqueza deste cantor que foi reconhecido em toda a América como "O Trovador das Américas".

Fica a sua lembrança, a sua obra e o seu talento.


version 1/s/musica// @obvious, @obvioushp //Gabriel Elias