espelho artistico

refletindo a arte e vida

Letícia Moreira

Aquariana apaixonada por todo tipo de arte,cultura, natureza e gatos, especialmente pretos. Segue impressionada com a humanidade, mas ainda põe fé na vida, açúcar no café e paz no coração.

Potencialize-se- Não aceite ser reduzida a mais um número na era de relações superficiais


ep.jpg

Na era da superficialidade tratar o outro com o mínimo de dignidade virou loteria. Na época em que muito se fala de responsabilidade afetiva, mas quando essa precisa de fato sair das rodas de conversa, dos textões no facebook e se concretizar, nada acontece. O quanto algumas pessoas se perdem dentro de si e deixam de olhar para o lado, esquecendo que existe o outro ali. É desleal-beirando a canalhice- não por as cartas na mesa e dizer abertamente o que se quer. Porque é mais fácil simplesmente objetificar e tratar com nada que simplesmente expor as intenções. Ter o mínimo de consideração, lembrar que aquela pessoa também é ser humano e merece empatia- olhar pelas lentes do outro-. Ninguém merece ser tratado com um mero objeto de satisfação pessoal e nada além.

É que a geração do desapego, aplicativos, fast-food de consumo sexual alimenta a ideia sexo é apenas sexo, se enjoou da cara daquela pessoa, tudo bem, tem milhão de outras por aí, e “foda-se” o que a outra pessoa sente, ou deixa de sentir, porque o que importa é seu próprio prazer não é mesmo? Trazendo essa problemática por um prisma feminista, pode-se dizer que somos reduzidas por esse tipo de “galãs” a um mero deposito de espermas. Temos a responsabilidade de nos colocar aonde queremos e assumir as conseqüências de nossas escolhas, no entanto, nem sempre o outro tem a consciência de expor suas reais intenções, esse tipo de homem, o intitulado ‘galã’, aquele típico com síndrome de “celebridade” ostenta suas conquistas- suas mulheres- sem pouco se importar em ser sincero, não sabem o que é olhar para o outro vendo não somente um corpão, um belo rosto, mais uma noite de aventura, mais estática para contar na lista do novo solteirão gostosão da cidade. Tipo de homem que vive aprisionado numa perspectiva medíocre de relacionamentos, nessa teia da conquista barata e aparências vazias.

Com esse tipo de homem não vale a pena nem gastar o batom, tampouco o suor. Porque sexo por sexo, se encontra por aí, mas respeito, consideração,parecia, ainda que nada disso implique necessariamente um compromisso, não se acha na esquina. Uma foda,se pode ter com facilidade.Entretanto se submeter a ser tratada como nada, um ser inexistente no dia seguinte não é preço que se valha a pena pagar. Porque a gente sabe o nosso valor- e isso não tem nada a ver com moralismo- mas o valor que a gente se da, aquele que quando alcançamos, sabemos que não merecemos menos que o mínimo que a gente pode esperar da convivência humana, seja ela qual for. Não aceitar menos, não se prestar ao papel de ser reduzida com todos seus sentimentos e potencialidades a mais um orgasmo na lista de pseudo gostosão que ainda não acordou para realidade e sente como se tivesse dezeoitão, mesmo que seja dez anos, quinze anos mais velho que isso. Mulher, você merece muito mais, a gente merece muito mais. Num mar de possibilidades tão vastas, quando descobrimos todas as rosas, cores e forças dentro nós paremos de nos colocar em segundo plano aceitando muito menos que o mínimo de uma relação humana.


Letícia Moreira

Aquariana apaixonada por todo tipo de arte,cultura, natureza e gatos, especialmente pretos. Segue impressionada com a humanidade, mas ainda põe fé na vida, açúcar no café e paz no coração..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// //Letícia Moreira