estadiário

porque dá um trabalho revelar os segredos de todo mundo.

Francisco Gracioli

Meu nome de certidão é Francisco, mas quase ninguém me conhece assim. "Chico" é o mais usual. Estudante de muita coisa, querendo ser alguém na vida. Quase publicitário, quase jornalista, quase escritor. Sinta-se à vontade para ler o meu diário aqui: facebook.com/odiariodochico

A AURORA ERROU.

Não se pode fazer propaganda num momento de luto. Luto é respeito, e as marcas que se silenciem. #ForçaChape


força chape.jpg

Nesta semana, todo mundo se tornou um pouco chapecoense. É impossível não se emocionar ou não sentir empatia pelos eternos jogadores de Chapecó. Mas uma imagem me incomodou bastante. O oportunismo do inoportunável: o uso de espaço publicitário sobre os caminhões que trouxeram os campeões de volta pra casa.

A cerimônia era de respeito. A chuva lavava o rosto de cada torcedor do clube. A trilha sonora nem precisaria existir, porque as palmas no estádio eram suficientes para levar força aos corações machucados. Agora, corre na veia de todos os brasileiros o verde. O país parou e se emocionou. O mundo silenciou em sinal de respeito.

Quando todos deveriam seguir a mesma linha, eis que vejo a marca de alimentos Aurora empostada sobre os caminhões em luto. Apesar de ser patrocinadora oficial do time, nada nem ninguém pode se aproveitar do luto alheio para se divulgar comercialmente. Era digno, assim como as pessoas, manter-se em silêncio.

Talvez tenha passado batido para o público, mas acho bom fazer a crítica: a Aurora errou. Errou muito. A marca estava totalmente deslocada de contexto. Pela semiótica, inclusive, ridículo uma marca de alimentos publicizando sobre o não-publicizável. A atmosfera deveria ser integralmente de solenidade e de amor. Vergonhosa a postura da marca. Muito vergonhosa. Propaganda tem hora e lugar. E aquele certamente não era o momento certo.

Assim como a NetShoes errou ao anunciar as camisetas com preço maior logo após a tragédia, assim como o Catraca Livre errou ao publicar matérias desrespeitosas no dia do acidente, eis mais um exemplo do que não se deve fazer num cenário desse: a Aurora.

Todo o respeito aos familiares, aos amigos e aos que estão com os sentimentos em Chapecó.

O luto não pode ser espaço publicitário.

#ForçaChape


Francisco Gracioli

Meu nome de certidão é Francisco, mas quase ninguém me conhece assim. "Chico" é o mais usual. Estudante de muita coisa, querendo ser alguém na vida. Quase publicitário, quase jornalista, quase escritor. Sinta-se à vontade para ler o meu diário aqui: facebook.com/odiariodochico .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Francisco Gracioli