eulírico

Concepções do mundo

Naílle Conceição

Um esgoto que separa ricos e pobres.

Hoje, trago em meu corpo as marcas do meu tempo...


Aquarius.jpg Peguei uma crítica minha no Filmow e refinei.

Para mim (e muita gente) Aquarius é o melhor filme brasileiro do ano passado, com uma Sônia Braga completamente entregue à personagem, suas dores e amores. Clara é uma mulher forte, cheia de história e profundidade, com a qual nos identificamos ou desejamos ter semelhanças em diversos momentos. Uma mulher que, ao contrário de muita gente viveu, não apenas existiu e soube tirar aprendizado de suas diversas experiências.

Um dos pontos positivos do longa foi a decisão do diretor Kleber Mendonça Filho em deixar a protagonista sozinha em alguns momentos utilizando gestos e olhares para exibir seu estado de espírito de forma sutil e minimalista, além dos planos que deixam Clara ou certos objetos em foco, e dos símbolos presentes no filme. Certas cenas sutis repletas de significados e dotadas de sofisticação que muitas vezes passa despercebida mas também preenche o cinema brasileiro.

claranapraia.jpg

Por ter dezenove anos, nunca vi nenhum trabalho de Sônia até esse filme, o que me deixou triste, mas também feliz que ela não está desperdiçando seu talento em novelas, cuja qualidade cai ano após ano, com poucas ressalvas. Falando em novela, Humberto Carrão é um ator promissor que está muito bem em um personagem bem construído, passivo – agressivo e que é um tipo cada vez mais comum em nossa sociedade.

embate.jpg

Maeve Jinkins é outra estrela do elenco que merece destaque, apesar das poucas cenas. Sua Ana Paula representa o novo oprimindo o velho, sendo prático e processando dados em vez de emoção, assim como muitos de nós, endurecidos pela rotina e pelo fracasso das relações, culpa do egoísmo emocional crescente entre nós.

Aquarius4.jpg

Deixando de lado a polêmica, o filme serve para analisarmos a sociedade em que vivemos, em relação de política e poder. Mesmo que passe algum tempo, não vejo Aquarius se tornar um filme datado, infelizmente. Basta comparar certas situações, frases e ações tomadas por determinados personagens. Soa familiar? Em certa cena, perto do clímax, é bem visível como as coisas funcionam e como as peças do xadrez são acostumadas ao jogo.

O final não é tão óbvio, mas funciona, nos deixa pensando no depois, mesmo que o essencial já tenha sido dito. Por fim, mereceu aplausos de pé em Cannes e ao redor do mundo, mesmo que em seu próprio país a ignorância não permitiu ver a realidade maravilhosa que Aquarius é.


version 5/s/cinema// @obvious //Naílle Conceição