evolução das ideias

Reflexões na arte da vida

Francisco Julio Xavier

Jornalista por formação, editor do blog Curtirthenovo.com (cultura e entretenimento) e colunista colaborador do Portal Observatório da Imprensa desde 2013. Contribui ainda com a cultura, a poesia e com articulações de ideias políticas e sociais. Apaixonado por café e fissurado em letras e frases. Falam que sou potiguar, e eu digo, sou Universal. Repare bem, Sou universal, sem religião por favor! Pontos de exclamação são fundamentais em minha life, especificamente essas do tipo: parouuu, quero mais café! Ah, no mais, só sei o que eu não sou: conclusivo e corrosivo. Evolução sempre nas ideias. Avante!

|<<: Quer ler textos sobre cultura, música, cinema e poesia? vai em curtirthenovo.com e curte a vontade!:>>>|

A Cor Púrpura: 30 anos de histórias para ver, amar e pensar

Filme não se assiste apenas. Pode causar riso, espanto, alegria e até algo mais. Quando é dramático, é impossível não sentir. Em se tratando de filmes clássicos, A Cor Púrpura tem muito para emocionar e fazer pensar.


O filme de 1985, A Cor Púrpura (The Color Purple) é um clássico, mas toda vez que reprisado, vem à tona o seu poder de impressionar por sua história de indecifrável comoção. Nos mostra os vários contextos nos quais está inserida a sociedade americana do início do século passado, nos âmbitos da cultura, comportamento e política, além de nos levar a náusea, ao confrontar-se com a mesquinharia humana e preconceitos, os quais estavam incutidos no meio social da época. Faz uma abordagem dramática sobre a discriminação racial e a sexualidade, e sobre a dificuldade dos excluídos em viver nesse meio.

O roteiro é baseado na obra homônima de Alice Walker, escritora estadunidense, que ganhou o Prémio Pulitzer, eternizando o legado para literatura. Recebem esse prêmio as personalidades que realizam trabalhos de excelência na área da literatura, do jornalismo e da música. A partir disso, se destacou no mundo a história das duas irmãs separadas, e se consagrou definitivamente quando virou roteiro adaptado para o cinema. Além do livro, publicado em 1982, a autora tem dezenas de outros romances de sucesso na literatura.

Além desses aspectos que causam indignação ao assistirmos, somada a uma carga tão profunda de desumanidade e perseguição racial pela elite dominadora americana, além de um roteiro com nível de descrição de sentimentos e atuação maestrina do elenco, a direção também se destaca com o fabuloso cuidado em transmitir emoção em todos os ângulos. O filme consegue ser ainda mais fascinante em nos mostrar contrapontos, pelos quais podemos fazer ligações com a comédia e o drama.

20339839.jpg

Quem vê Whoopi Goldberg atuando em papeis cômicos, como a espirituosa Oda Mae Brown, que ganhava a vida aplicando golpes e do charlatanismo em, Ghost (Do Outro Lado da Vida), ou ainda interpretando a personagem Irmã Mary Clarence, em Sister Act (Mudança de Hábito), talvez nem imagine que o filme com uma carga tão forte de drama, A Cor Púrpura, tenha sido estrelado pela atriz no início de sua carreira nos cinemas, na pele da personagem principal, Celie. É encantador entender que a personagem encontra o caminho para se redescobrir através de Shug Avery, uma cantora de Blues, interpretada pela atriz Margaret Avery. A primeira vista seria talvez encarada como um desamor na vida de Celie, mas a amizade e a cumplicidade despertada entre as duas abre novas perspectivas e descobertas na vida de ambas. A-COR-PURPURA02.jpg Foto:Divulgação

Outro contraponto é referente à direção do longa. O diretor de filmes como, Indiana Jones and the Last Crusade, E.T. the Extra-Terrestrial e Jurassic Park - todos clássicos de ficção produzidos para a telona – encantaram milhões de espectadores em todo o mundo, com seus efeitos especiais de encher os olhos. O que talvez a plateia voraz - consumista de produções como essas – e até mesmo fãs do diretor e de suas produções não tenham atentado é para esse outra faceta, ou até mesmo não reconheçam a grandeza e a proeza do maestro que orquestrou também o clássico dramático, que encantou o mundo em meados da década de 1980.

Steven Spielberg é também ‘o mestre’ em fazer de grandes histórias dramáticas, obras que marcam a história da sétima arte, a exemplo é o Schindler's List (A Lista de Schindler), com duas indicações ao Oscar. A Cor Púrpura teve no ano de 1986, 11 indicações à Estatueta dourada, nas categorias Melhor Atriz Principal, para Whoopi Goldberg; duas indicações de Melhor Atriz Coadjuvante, para Margaret Avery e Oprah Winfrey; Melhor Roteiro Adaptado; Figurino; Fotografia; direção de Arte; Maquiagem; Trilha sonora e Melhor canção Original, com o sucesso Miss Celie's Blues. Porém, o prêmio mais expressivo arrematado pelo longa foi o Globo de Ouro (Golden Globe Awards), coroando Whoopi Goldberg como melhor atriz.

A-COR-PURPURA01.jpg

Outro grande nome que brilhou interpretando Sofia, fez da personagem símbolo da batalha contra a injustiça racial. Do tipo que não leva desaforo para casa, Sofia é a típica mulher forte que faz exercer seu direito na marra. Porém, reflexo disso e da opressão que os negros e pobres sofriam, surge daí os contratempos que a vida revela, levando-a para um destino de amarguras. O temperamento forte e a insatisfação com as injustiças a fez refém da crueldade, disfarçada de lei soberana contra as injúrias aos cidadãos de bem. Vê-se agora tendo que se sujeitar a desfazer-se do lar e da família para viver num inferno, sem expressão e aparência de alegria, apenas de sofrimento. Hoje, o brilho da alma forte - em duros anos de dor, perde toda a vivacidade. A extrema fragilidade é o que aparenta, ao passo que surgem os primeiros cabelos brancos. Transparece agora apenas o medo e a desesperança.

O filme tem um elenco extraordinário, e se não veio estatueta dourada, a película conseguiu um feito estupendo. Reservou duas indicações para atrizes coadjuvantes. E essa é outra história a parte que o filme traz. Hoje conhecida pela grande popularidade como apresentadora de TV e empresária, além de vencedora de vários prêmios Emmy, com o talk-show de maior audiência da história, Oprah Winfrey, que encanta em Selma, pela atuação como a ativista Annie Lee Cooper, tem sua história marcada de forma estrondosa pelo personagem Sofia.

A Cor Púrpura não marca apenas por ser uma bela história ou que profundamente nos faz refletir. Pode despertar em nós o forte repúdio às ações desumanas, ter aversão à crueldade. Tem o poder de adentrarmos em sentimentos que, ao assistir, desperta até que meio involuntariamente. A Película não se vê apenas, se sente, faz transparecer à fragilidade, a maldade e a mesquinhez humana, ali, na alma. Analisamos e redirecionamos nosso olhar para a beleza da obra e concluímos: nos faz pensar, nos emociona e nos alerta para sermos menos seres e mais humanos. Em 2015 se completa 30 anos desse feito na sétima arte, a primeira exibição nas telonas. Uma ótima homenagem é assistir. Veja e sinta tudo isso! Se já assistiu, relembre e com outro olhar. Fazemos outras descobertas quando apreciamos uma obra por outros aspectos. Se deixe levar, ouse sentir!


Francisco Julio Xavier

Jornalista por formação, editor do blog Curtirthenovo.com (cultura e entretenimento) e colunista colaborador do Portal Observatório da Imprensa desde 2013. Contribui ainda com a cultura, a poesia e com articulações de ideias políticas e sociais. Apaixonado por café e fissurado em letras e frases. Falam que sou potiguar, e eu digo, sou Universal. Repare bem, Sou universal, sem religião por favor! Pontos de exclamação são fundamentais em minha life, especificamente essas do tipo: parouuu, quero mais café! Ah, no mais, só sei o que eu não sou: conclusivo e corrosivo. Evolução sempre nas ideias. Avante! |>>|.
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Francisco Julio Xavier
Site Meter