fabiana lapa

Pra aliviar o peso das palavras

FABIANA LAPA

Desconstruir-se para reerguer-se

A literatura das mulheres negras: a escrita como ferramenta de resistência e expressão.

"Gosto de escrever, na maioria das vezes doi, mas depois do texto escrito, é possível apaziguar um pouco a dor, eu digo um pouco... Escrever pode ser uma espécie de vingança, às vezes fico pensando sobre isso. Não sei se vingança, talvez desafio, um modo de ferir o silencio imposto, ou ainda, executar um gesto de teimosa esperança. Gosto de dizer ainda que a escrita é para mim o movimento de dança-canto que o meu corpo não executa, é a senha pela qual eu acesso o mundo." (Conceição Evaristo)


A reduzida representatividade feminina no setor literário, entre outros fatores, também está relacionada ao desafio de mulheres se autodeclararem escritoras, somado à posição que o mercado literário lhes atribui. Às negras, esta tarefa é imensamente maior, pelo processo de apagamento dessas mulheres, cujas marcas de raça e gênero que trazem, mostram como representam um diferencial para o cânone literário e para cultura marcada pelo patriarcalismo e etnocentrismo. A presença das mulheres negras na literatura brasileira não escapa ao tratamento marginalizador que, desde as instâncias fundadoras, marca a etnia no processo de construção da nossa sociedade. Evidenciam-se, em sua trajetória no discurso literário nacional, dois posicionamentos: a condição negra como objeto, numa visão distanciada, e o negro como sujeito, numa atitude compromissada. Deste modo, tem-se de um lado, o negro, e de outro, sua literatura.

carolina-maria-de-jesus.jpeg

A representação dos modelos da escrita, definidos desde os séculos passados, caracterizaram principalmente escritores que atendiam a um padrão constituído de homens brancos e burgueses. No estudo das desigualdades raciais, sociais e de gênero, enfrenta-se um duplo desafio, necessário para a leitura do espaço socioeconômico que a mulher negra ocupa na construção histórica do Brasil e no processo de conquista de sua emancipação identitária, pois incide sobre ela uma espécie de dupla discriminação: pertencer à raça negra e ao gênero feminino. Quando representadas por esses escritores, são, majoritariamente, exploradas em temas como sedução, beleza e resistência física, pois as qualidades que são apresentadas sempre estão ligadas ao corpo da mulher, e não a seus pensamentos ou reais desejos. Inovando o jeito de contar a própria história, pretas rompem com estigmas de silenciamento, promovendo excelente ferramenta de reivindicação, pela necessidade de autoras socialmente marginalizadas, dialogarem com o mundo por meio de poesias, livros e arte.

Como afirma Conceição Evaristo, em “Da representação à autoapresentação da mulher negra na Literatura Brasileira”, a representação literária da mulher negra é ainda ancorada nas imagens de seu passado escravo, de corpo-procriação e/ou como corpo-objeto de prazer. Admiráveis escritoras e precursoras dessa literatura, como Conceição Evaristo, Maria Firmina dos Reis e Carolina Maria de Jesus, revelam o quão importante é a soma de esforços para a inclusão das negras, marcadas pela sociedade preconceituosa, masculina e opressora, através da análise de seus escritos e o estudo das heranças escravocratas, que as condenam e marcam. Esses esforços se somam não só na sociedade brasileira, como em outras regiões do mundo onde a diáspora africana se faz presente. A realidade apresenta-se na sub-representação de afrodescendentes na Academia, e com mulheres negras constituindo uma minoria em suas produções intelectuais.

conceicao-evaristo2.jpg

Ao analisar a situação de invisibilidade de escritoras negras na literatura, percebe-se uma negação da legitimidade cultural da mulher como sujeito do discurso, exercendo funções de significação e representação nos contextos literários brasileiros, onde, principalmente em produções anteriores, fica clara a necessidade de inferiorização e dependência imposta às mulheres no contexto social. Assim, adicionalmente à problemática racial como eco da escravidão, conclui-se que as desigualdades de gênero conferem às mulheres, menos oportunidades políticas, educacionais e socioeconômicas de acessarem mecanismos que promovam um desenvolvimento social igualitário. As vozes pretas, subalternalizadas em seus tempos, carregam os ecos da escravidão em seus caminhos e escritas. Dolorosamente. slave-hands-chained-does-the-bible-condone-slavery-e1339620140689.jpg


FABIANA LAPA

Desconstruir-se para reerguer-se.
Saiba como escrever na obvious.
version 8/s/literatura// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //FABIANA LAPA